Quinta-feira, 12 de Novembro de 2009

Alguém desmente?

"Mandam-se os polícias para a rua para multarem, mas, se as multas não atingem os números desejados, castigam-se os polícias, impedindo-os, por lhes serem atribuídas más classificações, de tentarem progredir na carreira."

 

                                                                     António Ramos

                               presidente do Sindicato dos Profissionais da Polícia (SPP)

 

  

Um agente da PSP da 3.ª Divisão de Lisboa foi avaliado, no final do mês passado, com base no escasso número de autuações de trânsito que efectuou.

 

Há esquadras do Comando Metropolitano de Lisboa onde foram afixados os pontos a atribuir aos polícias por cada actividade policial desempenhada.

É o caso da esquadra de Caxias:

 

*** uma contra-ordenação de trânsito vale um ponto

*** uma detenção vale três pontos

*** uma multa de trânsito mal passada é punida com dois pontos negativos

 

"Mandam-se os polícias para a rua para multarem, mas, se as multas não atingem os números desejados, castigam-se os polícias”

 

Pergunto eu:

A função da polícia não é, antes de tudo,

ser preventiva e só depois repressiva?

 

consulta-multa-1.jpg image by scrapskut

 

Luís Castro

 

 

                                                             António Ramos,

publicado por Luís Castro às 16:21
link do post | comentar
15 comentários:
De RUI FERREIRA a 12 de Novembro de 2009 às 19:24
é a pedagogia da polícia....sem comentários
De EU a 13 de Novembro de 2009 às 22:09
Ó jovem, o q é q a Polícia tem a ver com leis/regras impostas pelo Governo?
Na Polícia, tem q se cumprir, mesmo q não se concorde!
( A existir avaliação, tem q se fundamentar em algo.... ou baseava-se na cara dos polícias??)
De RUI FERREIRA a 14 de Novembro de 2009 às 10:59
a avaliação pode ser feita por outros meios sem ser através de multas.por exemplo um teste anual sobre regulamentos, disciplina, etc...
o resultado da avaliação pelas multas no baixo alentejo é vê-los diáriamente com o carderno sempre á mão. a nível-geral não deve resultar....
muitas leis estão mal feitas. esta deve ser ainda da outra senhora...
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 11:17
Visto.
LC
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 11:12
Visto.
LC
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 11:20
Mas que lhe é imposta.
Ab.
LC
De Sónia Pessoa a 12 de Novembro de 2009 às 19:40
No meio dos caixotes, quase a dar em doida (estou a mudar de casa...) arranjei tempo para vir, em primeiro, deixar-te um beijinho, em segundo, dizer que este é um assunto que me irrita solenemente! Com tanto para fazer que há por esse país fora e assistimos a coisa vergonhosas como esta que relatas e de que todos nos apercebemos de uma ou outra forma... enfim... é vergonhos, escandaloso, e, pior, ninguém mete ordem neste país.
De EU a 13 de Novembro de 2009 às 21:57
Quem??
Quem pode pôr ordem no país?
Quem devia fazer isso seria o Governo e Assembleia da Rep. e o PR, em suma: os políticos! Estes, pelo q se diz, estão metidos em "trafulhices" "corrupção" e afins....
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 11:05
Cuidado com o que se diz!
Anda por aí muito ruído.
Agora, se há fumo porque há fogo, isso já daria pano para mangas.
Bom fds.
LC
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 10:47
Nós, jornalistas, também somos o espelho da nosso sociedade:
não queremos que nos metam na Ordem.
Bj
Vou ligar esta tarde.
LC
De itc a 12 de Novembro de 2009 às 22:39


A sanção quando é justa, tem sempre um duplo carácter preventivo: como factor de dissuasão, em especial, para o agente da infracção; mas, sobreTudo, factor de dissuasão para a população em geral - passando a funcionar como "exemplo" do que lhe(s) poderá acontecer, caso incorra(m) no mesmo "desvio" à Norma !

E Se as situações de infracção se repetem, num determinado espaço, e o número de multas não reflecte a realidade - ou só alguns é que multam - pq multar dá trabalho, exige, provoca desgaste, e no fim até pode correr mal - essa pode ser uma forma de premiar os que apesar de tudo isso vão multando, e não tanto, uma forma de castigar/prejudicar os que o não fazem! À primeira vista, até pode parecer que é um incentivo à caça-à-multa; mas por outro lado, não parece justo que, quem efectivamente cumpre o seu papel - multando muito justamente - veja outros, que deixam de o fazer, a progredir à mesma velocidade~~
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 10:51
Sou dos principais defensores do papel e da importância dos agentes da autoridade.
Mas assim não!!!
Bjs
LC
De EU a 13 de Novembro de 2009 às 22:06
A avaliação, neste caso, parece-se ser, única e exclusivamente, uma forma de impedir que "Polícias" progridam nas carreiras (subam de escalão) de forma a não receberem mais vencimento. A avaliação é uma forma de conter a despesa.
Um Agente que devia ser promovido a Agente principal ao fim de 5 anos e, por conseguinte, passar a ganhar mais cerca de €150 ou €200 por mês. Não sendo promovidos, não ganham mais. Permanecem vários anos nesse escalão e, 1 dia, se forem promovidos, não recebem retro-activos...
Chamem-lhe o q quiserem! A avaliação nas Polícias é para não gastarem (Estado) dinheiro. Claro q a motivação e desempenho aumentarão....
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 11:11
Não é só na Polícia.
Está a acontecer em praticamente todas as empresas que avaliam funcionalmente os seus trabalhadores.
Ab e bom fds
LC
De Maria Araújo a 15 de Novembro de 2009 às 23:44
ehehehehheheh!

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds