Sábado, 14 de Novembro de 2009

Estamos a medrar ou a merdar?

 

Porque razão os jornalistas não querem uma Ordem?

 

Os jornalistas não querem uma Ordem para que não os metam na ordem.

Os patrões dos media não querem uma Ordem para que os jornalistas se mantenham na desordem.

Os poderes não querem uma Ordem porque assim continuam a dar ordens e a manipular os jornalistas.

 

Na verdade, nós, os jornalistas,

já não somos o 4º poder, estamos no quarto com o poder.

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 11:48
link do post | comentar
68 comentários:
De Cristina a 14 de Novembro de 2009 às 12:14
Infelizmente, começo (lentamente) a aperceber-me dessa triste realidade.
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 12:22
Por isso,
ontrariamente à maioria da minha profissão,
eu defendo uma Ordem.
Mas, cuidado:
uma Ordem que respeite a especificidade da profissão de jornalista. Uma profissão que tem desde licenciados em jornalismo, passando pela medicina, direito, até aos que nem são formados.
Bj
LC
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:35
É tempo de reflectir.
Bj
LC
De Afonso a 6 de Dezembro de 2009 às 19:24
Era bom que os jornalistas todos vissem a realidade pois tem jornalistas de referencia a alertar faz muito tempo! vejam takebackthemedia.com e johnpilger.com
De Luís Castro a 6 de Dezembro de 2009 às 23:14
Visto.
LC
De Joana a 14 de Novembro de 2009 às 12:20
O que acho incrível é que tenhamos jornalistas que são verdadeiros criminosos, que destroem carreiras, vidas, pessoas, mas no fim nada lhes é feito, porque na prática tudo lhes é permitido.
Como controlar os jornalistas sem uma ordem ?
É impossível, pena tenho eu que os jornalistas não se unam para forçar esta criação e, assim, ajudar a enaltecer a classe.
Beijo
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 12:27
Sim, mas cuidado com a palavra "controlar".
Já há muitos a querem controlar os jornalistas e não é isso que queremos.
Quero é mais consciência e responsabilidade no desempenho da actividade e na arte de informar.
Bj
LC
De Joana a 14 de Novembro de 2009 às 12:32
Compreendo o desconforto quanto à palavra "controlar", mas há muito jornalista que é disso que precisa! Pelo menos para evitar que façam a "merda" do costume !
Mas pode ser que responsabiliza-los seja suficiente para evitar erros graves...
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 12:46
Joana,
falta mais responsabilidade na profissão que também já é a tua.
Bj
LC
De Joana a 14 de Novembro de 2009 às 12:51
Isso até me dá medo ! lol
Onde é que me estou a meter ? :D
É que se todos fossem como tu, estava eu bem...infelizmente tu és um caso raro.
Beijo
De Luís Castro a 14 de Novembro de 2009 às 18:46
Bondade a tua.
Bj
LC
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:36
Não tenhas medo.
Faz com que a nossa profissão se torne um pouco melhor.
Bj
LC
De Joana a 28 de Novembro de 2009 às 18:42
Vou tentar fazer um trabalho IMPECÀBEL !! :D
eheheheh
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 20:42
Visto.
LC
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:38
Defendo:
TOTAL LIBERDADE MAS COM TOTAL RESPONSABILIDADE.
Bj
LC
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:37
É violento falar em "criminosos".
Por vezes, irresponsáveis.
Bj
LC
De Joana a 28 de Novembro de 2009 às 18:41
Achas mesmo violento ?
Dava-te uns quantos exemplos...
É que não falo por "experiência própria" mas quase, como tu sabes...
Beijos
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 20:41
Bjs
LC
De Cristina a 14 de Novembro de 2009 às 19:06
Sou da mesma opinião: acredito numa Ordem para restabelecer metas na nossa profissão, Luís. É me muito complicado observar verdadeiros "assassinatos" que colegas nossos cometem diariamente, porque não há quem meta a mão e diga "Acabou. Não fazes mais esse jogo".
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:41
Ter ou não uma Ordem,
é matéria para uma longa e profunda discussão dentro e fora da profissão.
Bj
LC
De Ana Albuquerque Almeida a 14 de Novembro de 2009 às 21:20

Olá Luís,

Sem dúvida que concordo com a existência de uma Ordem, conquanto passe a haver algum poder de orientação sobre os profissionais desta área.
Desde há muito que tem vindo a instalar-se uma certa "bagunça" na forma como se dirige e pratica a profissão.
Tal como o Ensino, a Medicina e o Direito, considero o Jornalismo uma profissão nobre pela extrema responsabilidade e dignidade com que deve ser exercida. Com uma Ordem, talvez passasse a haver um maior grau de exigência de competências profissionais e, não menos importante, de formação cívica.

Bjs

De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:42
É verdade.
Anda por aí muita bagunça.
Bj
LC
De RUI FERREIRA a 15 de Novembro de 2009 às 14:37
essa ordem é só para os jornalistas? e os reporteres??
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:43
Jornalistas e repórtres é a mesma coisa.
Ab.
LC
De Isabel Silva a 15 de Novembro de 2009 às 18:59
Caro Luis


Eu quero uma Ordem. Não há qualquer razão para a não termos. A não ser aquela que acabou de explicar. Anda meio mundo a enganar meio mundo.
Haja Alguém que o denuncie.

Um abraço


Isabel Silva
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:45
Eu também acho, mas antes há muito para discutir.
Bjs
LC
De isabel torres cabral a 15 de Novembro de 2009 às 21:06


Se estão com o " poder " é porque ainda - ou já - não temos o quarto ~~

o quarto já está fora :) dessa esfera ! se é que estamos a falar da mesma coisa ~~
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:46
Poderes, no plural.
Não se pense apenas no poder político.
Bj
LC
De isabel torres cabral a 15 de Novembro de 2009 às 21:11

Eu sou contra :) as Ordens ~~ acho que não deviam existir - tal como existem - mas este também não é o lugar adequado para me envolver nessa discussão ~~
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:46
Visto.
LC
De Miguel Araújo (migas das arábias) a 15 de Novembro de 2009 às 23:02
Viva
Isso é algo que, mesmo durante a licenciatura foi discutido em vários contextos, sempre me surpreendeu: a falta de uma ORDEM (tal como a dos enfermeiros, médicos, engenheiros, advogados, etc , etc ).
Obviamente, ainda hoje não consigo encontrar resposta (mesmo para as razões apontadas).
E vou mais longe...
Acho que a Ordem deveria ser da "Comunicação" e não apenas do Jornalismo.
Cumprimentos
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:47
Repara,
esta é uma profissão com muitas especificidades e com grande transversalidade.
Um médico pode ser jornalista, mas um jornalista não pode ser médico ( a não ser que estude para tal).
Ab.
LC
De Maria Araújo a 15 de Novembro de 2009 às 23:43
E há anos que os professores pedem um Ordem.
Talvez fosse mais correcto.
Beijinho
De Luís Castro a 28 de Novembro de 2009 às 18:51
Que professores?
Já encontrei alguns que não conhecem a realidade da profissão que ensinam.

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds