Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2010

A culpa é ...

… dos políticos !!!

 

De quem em campanha deveria discutir as suas propostas e não entreter o eleitorado com fait divers que alimentam as televisões.

 

A “culpa” é…

… de quem votou!

 

De quem se está borrifando para os programas com que os partidos se apresentam a votos e depois tentam remendar a sua borrada com um pedido de referendo.

Então não sabiam que esta era uma bandeira do programa do PS?

E desses mais de 90 mil que pediram o referendo, quantos votaram PS?

 

Mas, neste caso, ainda bem que votaram.

Disse Pacheco Pereira:

“sou contra a engenharia social feita pelo Estado.”

Disse Francisco Assis:

“o mundo da vida venceu o mundo dos preconceitos.”

 

Eu diria mais,

diria que demos mais um passo para que o homem se liberte dos outros homens.

 

Que autoridade tenho eu para decidir sobre a vida dos outros?

Quem sou eu para definir o seu caminho para a felicidade?

 

Deixem-se de tretas.

Sejam felizes e deixem que os outros o sejam também!

 

Como escreveu um dia Camilo Castelo Branco:
"A civilização é a razão da igualdade."

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 23:25
link do post | comentar
85 comentários:
De Valter Marques a 9 de Janeiro de 2010 às 01:53
Caro Luís,
eu não diria melhor. Está na altura de cada pessoa se entreter apenas com a sua vida, por mais frustrante que seja, e deixar que o outro seja feliz à sua maneira! Cada um é responsável pela sua vida e pelo que quer fazer dela.
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:17
Estamos sempre a espreitar para a janela do vizinho.
Arre!
Ab.
LC
De Me deixa gozar... a 9 de Janeiro de 2010 às 02:45
Luís,

Primeiro dizer que é um prazer comentar um post de tão ilustre, e portista, jornalista. Espero estar a altura. Bom, primeiro dizer que hoje em dia criam-se petições por 'dê cá aquela palha', então esta dos casamentos homossexuais é de ficar com os cabelos em pé. Então nem à um par de meses o país elegeu, bem ou mal mas elegeu, um partido politico que tinha como bandeira, de campanha o casamento homossexual, e agora já não querem? Mas que país é este? Agora todos os temas fracturantes ou com impacto no país terão de ir a referendo? Para que servem os 230 deputados democraticamente eleitos? Enfim, mas já alguém se lembrou de petições para os desempregados, empresas que faliram e o aumento do número de pessoas a requerer ajuda junto de associações sociais?

A sério, preocupem-se com o país que temos e deixem as pessoas serem felizes...

Abraço

http://medeixagozar.blogspot.com/
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:18
Claro que estás à altura!
Ab e bom fds.
LC
De Maria a 9 de Janeiro de 2010 às 03:04
Olá Luís!
Pois, após (pelo menos alguns mais específicos) comentários da minha parte, não será, neste momento, nada difícil intuir qual a minha forma de estar na vida...a minha tabela de valores, enfim... o que me norteia nos diferentes sectores da sociedade em que vivemos.
Não serei perfeita...não sou, mesmo... mas nasci assim e sobretudo, a minha caminhada, lado a lado com os que criaram e educaram, tornou-me no ser adulto que sou hoje.
Por tal facto, não será surpresa que lhe diga que subscrevo inteiramente a sua opinião sobre este tema...sem quaisquer reservas ...

Claro que opiniões divergentes têm que ser, igualmente, tidas em conta e respeitadas (e assim é que se vive a democracia, em pleno) mas, desculpem lá os que estão do lado diferente desta questão, há limites que a decência deve impor.
E é isso que não acontece, por exemplo (infelizmente há muitos assim), com um escrito de uma intolerância que nem consigo classificar ou catalogar, tal é o "linguajar" boçal e ofensivo utilizado.
É a minha opinião, claro mas tenho o meu direito à indignação, tal como o autor do tal artigo teve o seu direito de o "plantar" publicamente.
Censura já não há , felizmente mas ninguém nos impede de nos sentirmos agredidos quando lemos o que se segue...
Do mesmo e sem mais comentários, apresento a respectiva transcrição.
Foi-me enviado por mail ...ontem!

Quantos destes há nos 90.000?
Leiam...
------------------------------------------------
---------------------------------------------------
ora aÍ estÁ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!="">

NÃO TARDA MUITO ESTAR-SE -Á A DISCUTIR A LEGALIZAÇÃO DO INCESTO!!!!!!!!!!!!!!!!

Subject: Casamento Gay, de João Pereira Coutinho - in Expresso
Uma agressão somente à religião Católica?
Não (não existem casamentos entre indivíduos do mesmo sexo em nenhuma religião)
Uma agressão somente à Civilização Ocidental?
Não (não existem casamentos entre indivíduos do mesmo sexo em nenhuma civilização)
Uma agressão somente à humanidade?
Não (não existem casamentos entre indivíduos do mesmo sexo em nenhum grupo de humanos)
Uma agressão à Natureza?
Certamente não há no Reino Animal situações de acasalamento entre indivíduos do mesmo sexo.

Casamento "gay"


Abomino histerias.

E o casamento "gay" é histeria.

Segundo dizem, recusar o casamento a pessoas do mesmo sexo é uma "discriminação".

As pessoas dizem a palavra - "discriminação" - e esperam que eu me comova.

Não me comovo.

Claro que é uma discriminação.

E daí?

Todos os dias, a todas as horas, sobre as mais variadas personagens, a sociedade exerce as suas "discriminações".

Se, por mera hipótese, eu pretendesse casar com duas mulheres, estaria impedido pela força da lei.

Não será isto uma "discriminação"?

Por que motivo o Estado impede que três adultos que se amam possam construir uma família em conjunto?
Arrisco hipótese: porque a sociedade estabeleceu os seus códigos de conduta, os seus símbolos, as suas "instituições".

São estes códigos, estes símbolos, estas "instituições" que sustentam a vida em sociedade e não vale a pena questioná-los por cálculo racionalista.

Acabamos por chegar a conclusões francamente lunáticas.

Se o casamento passasse a ser um mero contrato baseado no afecto (a visão sentimental da tribo), não haveria nenhuma razão substancial para impedir todas as formas possíveis de casamento: entre pais e filhos; entre irmãos; entre duas mulheres e um homem; entre uma mulher e vários homens; etc.

É justo que duas pessoas do mesmo sexo que partilham uma vida em comum possam assegurar certos direitos sucessórios ou fiscais.

Não é justo desmontar o casamento tradicional para acomodar o capricho de uns quantos.

Pior: o gesto apenas abriria uma nova forma de "discriminação" sobre todos os outros - pais e filhos; irmãos; duas mulheres e um homem; uma mulher e vários homens - que são deixados injustamente à porta do matrimónio.

Tenham juízo e, já agora, portem-se como homenzinhos."

------------------------------------------------------------
----------------------------------------------------------
Fim de citação e peço desculpa pela extensão do texto.
Abraço.
Maria
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:19
=:-(»
LC
De filha do administrador a 10 de Janeiro de 2010 às 19:25
qual casamento tradicional?
o que se fazia para acumular propriedades?
aquele que se faz sem conhecer o par?
o que se fazia e faz por interesses económicos?
o que se fazia para esconder barrigas a crescer?
o que se faz para ter a cama quente?

a que casamento tradicional se refere?

concerteza não se refere ao casamento por amor, porque se for esse parece-me que serão muito poucos e não estou a ver porque não pode ser realizado por quem ama.
De Maria a 10 de Janeiro de 2010 às 19:42
filha do administrador...
Olá!
De repente...pareceu-me que entendeu que o artigo transcrito era meu!
Mas claro que não passará de mera impressão já que se leu o comentário todo... percebeu que a transcrição da tal "pérola" não era minha!
Um ab.
Maria
De filha do administrador a 10 de Janeiro de 2010 às 19:47
entendi, mas só mesmo no "finzinho" :D e tal como diz "uma pérola"
De Maria a 10 de Janeiro de 2010 às 19:54
Bem que eu desconfiava... pelos "contornos" do seu texto.
Ok.
Tudo esclarecido.
Maria
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:38
Visto.
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:38
Visto.
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:37
Visto.
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:36
Visto.
LC
De cartel a 12 de Janeiro de 2010 às 08:52
Não li o longo texto....
1 esclarecimento: entre os animais irracionais existem várias espécies em que os machos praticam sexo com elementos do mesmo sexo- Ver Canal Odisseia; N. Geographic ou Dircovey. Em todo o lado existem desviados! é isso- desviados.
Não tem que se alterar a lei dos cidadãos normais por causa das aberrações.
(concordo com as partes que li)
De Luís Castro a 12 de Janeiro de 2010 às 15:53
Visto.
LC
De Maria a 12 de Janeiro de 2010 às 16:36
Olá cartel!
Bem...
O texto é longo e não o leu...todo (está no seu direito).
Depois, citando a National Geographic , fala de sexo entre animais irracionais do mesmo ...sexo.
Por último, refere que concordou com as partes que leu.
Pois mas então tenho que dizer que fiquei sem saber:
-Que partes leu (há as que são da minha autoria e há as que não o são).
-Sobre quais é que está de acordo.
Não estou a ser "miudinha" mas mais uma vez, parece-me que corri aqui um risco (pelo menos perante alguns participantes neste tema):
-Colocar, em simultâneo, a minha opinião e a de outrem.
Daqui resulta que ao não lerem todo o comentário, ficam com a impressão (errada) de que todo o texto é da minha autoria. E não é ...e mais:
-A minha quota parte (a primeira), é antagónica da que não o é!...(é uma transcrição).
Se não foi o seu caso...peço desculpa.
Todavia se refiro este pormenor, é porque já me apercebi disso aqui.
Ab.
Maria
De Luís Castro a 12 de Janeiro de 2010 às 17:15
Visto.
LC
De cartel a 13 de Janeiro de 2010 às 08:14
Maria, tem razão... li algumas partes e não me apercebi q não era todo do mesmo autor.
Desculpe.
Agora que li tudo, sei que concordo com o autor que a senhora critica. Ele diz que o assunto é histeria, eu acho que ele está a ser muito "brando".
(já escrevi e falei tanto sobre este assunto que... (não adianta falar mais- quem concorda, continua a concordar; quem não concorda, continua a discordar). Já se deu demasiado protagonismo aos "desviados" "paneleiros" e "fufas"- gay não é palavra portuguesa!



O Luís, desculpe mas, com a porta aberta, sujeita-se a ouvir estas opiniões...
De Luís Castro a 15 de Janeiro de 2010 às 15:53
Visto
LC
De Luís Castro a 15 de Janeiro de 2010 às 16:52
Aqui (no blog) cabem todas as opiniões!
Ab.
LC
De maria moura a 9 de Janeiro de 2010 às 11:13
Nós... (casais heterossexuais), sociedade perfeita, é que criámos esta situação extrema de reacção...
Se não criticassemos, se não marginalizassemos, se não achincalhassemos os que nasceram diferentes e naturalmente permitissemos que se integrassem, sem olhares alheios discrimidadores, neste mundo em que todos somos sonhadores..., por um ideal diferente..., a posição, em que ambos os lados se encontram, nunca seria de tão elevada frustração. Com tanta situação grave no nosso País para denúniciar e melhorar (não preciso discriminar), andamos a intrometer-nos na vida sexual... alheia!!!. Libertem-se...
bj
mmoura
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:20
Apoiado!!!
Bjs
LC
De Pedro Oliveira a 10 de Janeiro de 2010 às 15:41
se me permite a ousadia direi: gostava de ter escrito ISTO!!
De maria moura a 10 de Janeiro de 2010 às 21:04
Pedro Oliveira
Obrigada, sinto-me lisonjeada. De vez em quando... (mesmo que erradamentte, por ser só de vez em quando) permito-me fazer parte desta sociedade. Então... percorro a cidade paradamente apressada. Rápidamente... apercebo-me da alucinante realidade e, sem vontade nenhuma... em aceitar lágrimas que ecoam em gargalhadas fingidas... e inundam rostos petrificados, ultrapasso-me na minha indiferença, fixo o limite da minha saturação (perante o que me cerca), percorro as veias da imaginação do Oceano e refugio-me na brandura sonolenta do Universo.
Abraço
mmoura
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:38
Visto.
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:23
Visto.
LC
De filha do administrador a 10 de Janeiro de 2010 às 19:15
sem dúvida, parecemos crianças a espreitar ao buraco da fechadura quando o irmão e a namorada se fecham no quarto.
será que ninguém tem problemas e tem que se meter em casa dos outros para os arranjar?
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:36
Visto.
LC
De top a 12 de Janeiro de 2010 às 08:54
Os ditos normais não têm que se sentir culpados pelo comportamento errado dos outros. Não, não somos culpados. Se não é normal, podemos e devemos criticar e condenar.
De Luís Castro a 12 de Janeiro de 2010 às 15:54
Visto.
LC
De maria a 9 de Janeiro de 2010 às 13:30
absolutamente de acordo.
xi
maria de são pedro
De maria moura a 9 de Janeiro de 2010 às 17:28
Retribuo o "xi" ficando sem perceber se a"maria de são pedro" é a mesma que precede o meu comentário.
maria de moura
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:21
Visto.
LC
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:20
Visto.
LC
De Anónimo a 9 de Janeiro de 2010 às 17:53
Não...não é!!!
A Maria é mesmo (já o disse aqui...) só Maria!
Não tenho nada contra mas talvez fosse melhor e mais esclarecedor se a maria de são pedro , pusesse o seu nome completo.
Mas cada um é que sabe.
E eu , claro que concordo com o conteúdo do teu comentário.
Bjs. maria moura da...
Maria
De Maria a 9 de Janeiro de 2010 às 17:55
Desculpa maria moura mas esqueci-me de completar os cabeçalhos e apareci como "anónimo".
Ab.
Maria
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:22
3 Marias!!!
Bjs
LC
De maria moura a 10 de Janeiro de 2010 às 21:06
Luis, olá
Eu contei 4 :-(, :-)...
bj
mmoura
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:39
Pois.
LC
De maria moura a 9 de Janeiro de 2010 às 18:34
:-) :-) :-)... mas "maria de são pedro" já é um nome completo, ou não? agora ocorreu-me ... de são pedro do estoril!, localidade (com todo o respeito)... Também não interessa nada, o importante é debatermos ideias. Como há algumas "marias" participantes seria simpático assinarmos também o último nome, ou o do meio, ou outra coisa qualquer. Eu sou maria do carmo de moura, aqui para nós optei por mmoura.
bj
De Maria a 9 de Janeiro de 2010 às 22:18
Este assunto não tem "sumo"...algum!
Todavia, eu optei por utilizar somente...Maria.
Não apareceu mais alguém com esta designação.
Poderia ter posto um dos sobre-nomes mas isso não é obrigatório.
É o meu nome próprio.
Não sou sequer Maria mais ...outro nome próprio!
Foi assim e muito bem que me baptizaram...
Não como Maria do Carmo, Maria de Jesus, etc,...
Aliás, se apareceu posteriormente outra pessoa com a mesma designação, isso só foi possível porque o nome está escrito "todo" com letra minúscula.
O que não é o meu caso...Maria!
De qualquer modo, deixemos lá!
Eu só disse o que disse, porque a pessoa em questão, colocou em cima...maria... e assinou em baixo... maria de são pedro.
Não houve coerência... penso eu.
Mas pronto... ponto final.
Isto não valeu sequer o tempo que perdemos a teclar algo tão insignificante.
Nós, mulheres, somos ...complicadas....!!!
Um abraço maria moura.
Maria

PS: Mas do meu nome...não abdico!
De maria moura a 9 de Janeiro de 2010 às 23:11
Esclarecida. Obrigada.
Um abraço
mmoura
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:26
Visto.
LC
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:22
Até eu já vos confundo...
LC
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:21
Visto.
LC
De Maria a 10 de Janeiro de 2010 às 03:23
Oh...Luís!!!
Puxa!!!
Como assim... confunde-nos!!!!!!
Eu, pelo menos, exijo as minhas diferenças....
Caso contrário mudo para...Pancrácia!!!!
Ó..Ó!
Ab.
Maria



De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:16
LOL
Bjs
LC
De Sónia Pessoa a 10 de Janeiro de 2010 às 14:30
Como já foi dito em tempos, "um grande passo para a humanidade"... bjos
De Rainbow a 10 de Janeiro de 2010 às 16:11
Caro Luís:

Antes de mais, gostaria de dizer que fiquei a conhecer o blog ao vê-lo num programa da RTP. Decidi que o tinha de visitar!

Quanto ao post, não podia concordar mais! Apesar de ter 13 anos, acho que os homossexuais também têm o direito de se casarem. Igualdade acima de tudo, não é?

Cumprimentos
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:24
Olá Rainbow.
Espero que voltes.
Ficaremos à tua espera.
Grande abraço.
Luís Castro
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:22
Bjs
LC
De trgtghegtet a 12 de Janeiro de 2010 às 08:56
Sónia.... grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr
De Luís Castro a 12 de Janeiro de 2010 às 15:54
Visto.
LC
De filha do administrador a 10 de Janeiro de 2010 às 19:12
ora ai está, mas quem sou eu e os restantes para decidir quem se deve ou não casar?
por enquanto não me conheço tendências homossexuais, mas não me admito que ninguém se atreva a me dizer quem se deve ou não casar.
cada um manda na sua casa se conseguir, a partir daí não tem nada que se meter na vida de quem quer que seja.

e deixem-se de puritanismos sobre o "casamento" ou o seu significado ou até sobre a palavra... a palavra "casamento" é só uma palavra que já teve muitos significados e a primeira foi de negócio, contrato, aquisição de propriedades... era para isso que as pessoas se casavam, para ficar com o dinheiro do parceiro...
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:35
Estamos sempre a olhar para a janela da casa do vizinho.
Preferimos falar dos outros do que falar de nós.
Bj
LC
De Isidro Bento a 10 de Janeiro de 2010 às 22:49
Caro Luís,

isto de estar em minoria ou fora do politicamente correcto é lixado mas também já não é a primeira vez, por isso aqui vai o único comentário do "contra".
Tenho-me por pessoa tolerante e da última vez que fiz as contas, tinha, pelo menos, uma meia dúzia de amigas lésbicas. Percebo que queiram e mereçam ser tratados de igual forma pelo Estado, em termos fiscais, na doença e noutras situações em que estão em desvantagem em relação aos casais heterossexuais, mas podiam conseguir tudo isso sem ter que lhe chamar casamento, não pelo termo em si mas pelo conceito que encerra.
Ninguém tem nada a ver com a vida dos outros, mas, que eu saiba, a discussão sobre a homossexualidade "já era". Ninguém a põe em causa em termos teóricos embora saibamos que na prática nem todos a respeitam. Se isso não nos interessa e é uma discussão ultrapassada, temos sim a ver com o que é o Estado, as leis que o regem e os grandes conceitos que diferenciam a nossa sociedade das outras e nessa medida pode haver uma cambada de seres estranhos que ainda considerem que o conceito de casamento, tal como sempre foi conhecido, só se aplica a uma união entre um homem e uma mulher. Estão no seu direito.
Se o que interessa é a liberdade absoluta do individuo, então porque um homem não pode casar com duas mulheres, ou uma mulher casar com um homem e uma mulher ao mesmo tempo? Talvez porque as sociedades têm conceitos civilizacionais que vão mudando devagarinho ao longo dos tempos em vez de serem impostos por minorias...
A vitória da proposta do PS em vez da do PSD mostra que todo este burburinho foi, apenas, para se cumprir um capricho. Não estava em causa a igualdade de direitos mas a simples afronta a um tipo de modelo social com o qual não se concorda e se quer à força destruir.
Tal como os números negros do aborto vieram provar que a liberalização não resolve tudo e que há muito "boa" gente a usá-lo tão só e despudoradamente como método anticonceptivo, também acredito que o tempo me vai voltar a dar razão e que os tais casamentos serão tão poucos que ficará claro para aquelas pessoas que na sua boa-fé se deixaram seduzir por este ideal, que, afinal, se tratava de um capricho porque para obter determinados direitos, não era necessário tanto folclore.
A minha ideia não era escrever mais do que duas linhas porque o assunto é demasiado complexo para ser tratado desta forma simplista, mas não consegui resistir. O que pensava era remeter, apenas, para dois textos que li hoje e que dizem bem melhor que eu, muito daquilo em que acredito sobre esta matéria.
Se alguém quiser dar uma espreitadela é o texto do Pacheco Pereira, no Público de hoje e que está também no Abrupto, e o editorial também de hoje, da Isabel Stilwell , no Destak .
Luís, um último lamento: o tom usado por muitos jornalistas sobre esta matéria e que oscila entre o triunfalista e o deixar nas entrelinhas (muito mal disfarçadas) que quem tem uma ideia diferente daquela que venceu na Assembleia da República, é burra, atrasada e anti-democrata ...
Abraço e mil desculpas pelo "lençol". É para compensar todas aquelas vezes em que o trabalho não me permite vir aqui opinar.
De Isidro Bento a 10 de Janeiro de 2010 às 22:54
Numa segunda leitura detectei vários erros gramaticais e não só, no texto que acabei de deixar. Como já não há hipótese de correcção, ficam aqui as minhas desculpas ao Luís e a quem o ler. Para a próxima esperemos que corra melhor!
De maria moura a 10 de Janeiro de 2010 às 23:32
Isidro, boa noite
A primeira vez que soube dum caso a 3, foi do meu 1º partrão, em Portugal, Cascais, há 20 anos. Casado com uma senhora e a viver maritalmente com mais uma, ou seja os 3 na mesma casa. Na altura achava-se uma aberração, mas não seriam os únicos. Hoje em dia acredito que haja centenas ou milhares de casos idênticos. Penso que a tendência do ser humano vai ser cada vez mais libertar-se de normas e padrões impostos pela sociedade. O casamento é de facto um contrato de interesses monetários, entre um homem e uma mulher, mas porque não, ele existe para quem quiser usufrui-lo. O nosso espirito só viverá em plenitude se liberto de condicionalismos.
Seja como fôr o meu ponto de vista é tão admissivel como o seu.
Abraço
mmoura
De Maria a 11 de Janeiro de 2010 às 02:06
Em discussões que começam a querer rondar a "promiscuidade", tornando um assunto sério numa "paródia abandalhada" sem fim e sem princípios...não alinho!
É isto que os que não "engolem" a homossexualidade (e outras medidas que visam tornar a sociedade menos desigual, mais evoluída, menos elitista, menos anacrónica, menos só para alguns ...os mais favorecidos pelo vil metal e demais valores seus aliados) ...querem!
Nessa eu não embarco.
Respeito as opiniões contrárias, tal como terão que aceitar as minhas mas... não me "levam no seu canto de sereia".
Não se concorda com uma única das tais "alterações proibidas"... acompanhadas sempre dos costumeiros "fantasmas e ameaças do pecado, do inferno, do crime e outras manifestações que tais)...mas agora até vêm com "ares" da maior "abertura liberal"
Do género:
Já agora...porque não a aprovação da "enxurrada total"?... a bandalheira geral?
Vai lá...vai!
Desculpem lá mas ...não!
Ou temos a noção do aceitável e justo ou então... calemo-nos e "assobiemos para o lado".
Brincar com coisas sérias e ir atrás de "falinhas mansas e populistas"... nem pensar!
Falo por mim...obviamente!
E só.
Maria
De maria moura a 11 de Janeiro de 2010 às 12:53
Maria,
Compreendo-a. Fiz referência a um caso que conheci há 20 anos, porque o Isidro lançou a questão, foi um mero exemplo, não disse que concordo com matrimónio triplo, se é que se pode assim designar. No entanto a vida ensinou-me a não cuspir para o ar, pode-me cair em cima. Tenho 2 filhas, andam na Escola Salesiana do Estoril desde os 4 anos, não as educo 2º a educação que recebi, mas têm uma boa formação católica, e nunca interferirei nas opções de vida que escolherem. Vou dar aqui um exemplo pessoal, insignificante, mas que me custou e eu tive que me adaptar. A mais velha fez vários anos de ballet classico, vários anos de piano acústico, maravilhosas audições!!! Maravilhosos comentários dos profs.. De um momento para o outro, aos 13 anos, abdicou destas modalidades e virou-se para o surf e para o skate de rua. Passei horas à espera dentro do carro, nas praias do guincho, carcavelos, ericeira, s.pedro, apesar de actualmente ter uma treinadora. Sempre que me pede levo-a a um parque de skaters, só rapazes de rua (cheios de talento), e lá espero por ela. Gosto de a vêr feliz e não obrigada e frustrada em ensaios de piano, ou dança clássica. De ínicio o meu marido ( companheiro, não assinei nenhum contrato), optou por aprender a surfar e íam juntos aos fins de semana, pela escola LSS. Eu cresci a ser obrigada a fazer o que não gostava, a tirar o curso que não gostava, and so on...
E agora questiono-me: e se um dia em termos se sexualidade elas me surpreendem?! Até agora na familia tem sido tudo "aparentemente normal". Ponho-as fora de casa?, deserdo-as?, acabam-se os nossos maravilhosos laços familiares? Terei de estar do lado delas, é mais importante a sua felicidade (para mim), do que a opinião da sociedade. Quantos casos de suicidio houve já em homossexuais, se eles conseguissem não sê-lo, não se suicidariam. Para mim, é mais vergonhoso ser-se pedófilo...
E sim acho que os homossexuais têm direito ao "contrato".
Um abraço
mmoura
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:25
Visto.
LC
De Isidro Bento a 11 de Janeiro de 2010 às 22:20
Maria moura,

gostei das suas respostas e acho que em relação às suas filhas está a ter a postura certa. Já agora, deixe que concorde consigo em relação ao "cuspir para o ar". De facto, isso é a última coisa que devemos fazer. Embora não tenha filhos nem seja casado, tento ter cuidado em relação a condenações e afirmações radicais, isto porque nunca se sabe as voltas que a vida dá e o que nos pode calhar na rifa. Conheço alguns casos (não tão poucos quanto isso) em que as pessoas vociferavam contra "esses ladrões" ou "esses drogados" e depois, mais tarde, tiveram que engolir cinquenta sapos porque, afinal, esses tais, também existiam na sua própria casa, por isso tento sempre ter muito respeitinho em relação a este tipo de coisas, procurando evitar expressões e comentários muito "dogmáticos".
Abraço para si...e para o dono da casa que simpaticamente nos acolhe.
De maria moura a 11 de Janeiro de 2010 às 23:25
Boa noite Isidro
Apesar deste post não ser para desabafos pessoais, é nos meus exemplos de vida que vou buscar justificações, para as minhas afirmações.
Lembro-me de pelo menos há uns 10 anos atrás, em lx, um jovem drogado num estado lastimável, pediu-me uma moeda. Eu disse-lhe que não, que não iria alimentar o vício dele, porque não o compreendia nem o aceitava. Ele olhou-me fixamente nos olhos e respondeu: "até que lhe bata à porta". Nunca bateu felizmente. Seja como fôr tenho vindo a ser cada vez menos intransigente, só quando se justifica mesmo.
Um abraço
mmmoura
De Luís Castro a 12 de Janeiro de 2010 às 15:52
Visto.
LC
De Luís Castro a 12 de Janeiro de 2010 às 15:52
Visto.
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:19
Visto.
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:17
Visto.
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:14
Isidro,
o que importa é a mensagem e a ideia.
Quando escrevemos à pressa, acontece.
Também me acontece várias vezes.
Ab.
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:12
Escreva sempre o que lhe vai na alma!!!
Este espaço é para isso mesmo.

Uma sociedade que admite a evolução, tem de admitir igualmente a diferença de opiniões.

sou pelo debate, mas com respeito!

Gd Abraço
LC
De web a 12 de Janeiro de 2010 às 09:00
Boa!! Grande Isidro!
De Luís Castro a 12 de Janeiro de 2010 às 15:55
Visto.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds