Sábado, 9 de Janeiro de 2010

Intolerável! Isto é terrorismo!

Ontem, num telefonema para Cabinda, um amigo que lá deixei dizia-me que é muito difícil acabar com uma guerrilha, mais ainda quando se trata da FLEC. Com grande tristeza, confidenciava-me a vergonha que sentia pela tragédia que acabara de acontecer.

 

 

Hoje, pelo que soube junto de fontes muito bem informadas, o grupo da FLEC-FAC que atacou a selecção do Togo é liderado por alguém jovem que pretendia chamar a atenção da comunidade internacional. O objectivo foi conseguido, mas as consequências serão desastrosas.

 

 

O triste acontecimento da fronteira com o Congo (onde estive há menos de meio ano), trouxe-me à memória uma longa conversa que mantive na floresta do Maiombe com os guerrilheiros da FLEC, no ano de 2001, quando se dedicavam a raptar portugueses que trabalhavam no enclave e que relato no meu livro “Repórter de Guerra”.

 

No final da entrevista, já de microfone desligado, alerto-os para as consequências dos raptos na opinião pública de um povo de quem eles se dizem amigos. Mais: nenhum governo poderá ceder à chantagem de um grupo armado que rapta cidadãos do seu país. «Os que fazem isso, agora chamam-se «terroristas» e já não há tolerância para eles.» Concordam com o que lhes digo, mas não garantem que não o voltem a fazer.

   - Só voltam a lembrar-se de nós quando raptamos mais alguém!

 

 

 

Ontem foram mais longe. Numa acção espectacular, feriram de morte o grande acontecimento desportivo africano, a Taça das Nações. O ataque ao autocarro que transportava a selecção do Togo deu-lhes o que queriam: ser falados em todo o mundo, mas esgotaram os já poucos apoios que mantinham fora do enclave de Cabinda.

 

Depois de ter andado com as duas FLEC (a FLEC-FAC e a FLEC-Renovada) na densa floresta do Maiombe, quando voltei a Portugal mantive contactos com os guerrilheiros por algum tempo, mas acabei por me afastar. Não tanto pelos homens que lutavam na mata, mas pelos políticos de Cabinda que teimavam em não perceber que estavam a levar os guerrilheiros para uma solução sem saída.

 

 

 

A luta pela independência é irrealista. Disse-lhes isso mesmo quando estive com eles. Rejeitaram por absoluto a hipótese de lutarem politicamente por uma autonomia. Ontem traçaram o seu destino. Acredito que as Forças Armadas Angolanas não vão descansar enquanto não eliminarem de vez a FLEC.

 

Saber mais sobre a FLEC e sobre as reportagens que fiz com eles:

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/rep%C3%B3rter+de+guerra+-+cabinda

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 20:04
link do post | comentar
63 comentários:
De Maria a 9 de Janeiro de 2010 às 21:55
Olá Luís!
Documento impressionante!
Está tudo aqui...tudo mesmo!
E digo mais:
-O que aconteceu com o ataque infame à equipa de futebol do Togo, tem aqui uma, se não a melhor, prova de o mesmo foi premeditado e perpetrado contra toda a comitiva e respectiva base de apoio... militar ou não militar.
Aliás, já lhe coloquei no twitter um vídeo de última hora que tem como pano de fundo a "bandeira da FLEC cujo conteúdo é elucidativo...
Obrigada Luís, por este "tremendo testemunho a vivo e a cores".
Mas calculo que terá sido um, também, tremendo "osso duro de roer"... estar em Cabinda, naquelas condições!
Não é para todos e não são todos!
Um abraço.
Maria
De Luís Castro a 9 de Janeiro de 2010 às 23:23
Um dia volto lá.
Bjs
LC
De maria moura a 10 de Janeiro de 2010 às 21:37
Africa é mágica... todos os que por lá passaram independentemente das circunstâncias, manifestam vontade de lá voltar 'um dia'...
bj
mmoura
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:03
Tem uma magia fantástica.
Quando volto, só me apetece regressar!
Bj
LC
De Maria a 11 de Janeiro de 2010 às 16:51
Vá...nós entendemos!
Mas volte!
São e salvo.
Ah! Homem de coragem e que vai ao "fundo das questões"...
Obrigada Luís...por o termos nesse "papel" tão gratificante...embora tão no "fio da navalha"!
Eu terei outras "coragens" mas no palco das guerras...não!
Nem posso ver uma arma.
Ab.
Maria
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 17:00
Por curioso que pareça, as armas tb não me fascinam.
Bj
LC
De Pedro Oliveira a 9 de Janeiro de 2010 às 23:48
Quando Durão Barroso era Ministro dos Negócios Estrangeiros de Cavaco Silva uma pessoa minha conhecida da Marinha Grande foi raptada pela FLEC e Durão Barroso com a sua influência politica e conhecimentos conseguiu a sua libertação. O que se passou ontem é um acto bárbaro que deve ser repudiado por todos.O povo Angolano não merece isto.O que deveria ser uma festa está definitivamente condicionado por este acto terrorista.
abr
De Luís Castro a 10 de Janeiro de 2010 às 00:05
Isso foi em 2001?
LC
De Pedro Oliveira a 10 de Janeiro de 2010 às 00:15
Agora a falar com a minha esposa que trabalha na empresa do familiar dessa pessoa e com a tua pergunta, ficámos na dúvida da data e se calhar foi mesmo em 2001 e o Durão Barroso já não era o MNE,pois o PM era o Guterres,mas foi ele que teve participação activa na resoluçaõ da questão disso não temos dúvida.
Pela pergunta e pela data deves ter tido conhecimento do caso,certo?
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:15
Eu sei que teve.
Era eu que estava em Cabinda, nessa altura, na floresta do Maiombe com as duas FLEC .Ab.
LC
De Ognito Inc. a 10 de Janeiro de 2010 às 12:01
"A luta pela independência é irrealista." Não foi isso que ouviram os Angolanos, os Moçambicanos, os Guineenses? Deixo também uma palavra de condolência para as vítimas, claro.
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:22
Ognito Inc,
a sua observação tem todo o cabimento, acontece que
os Tempos da História eram outros.
os interesses das potências eram outros,
os movimentos diplomáticos tinham outra ética,
e poderia continar por aqui fora.

Por tudo isto e mais alguma coisa,
quando queremos a Lua mas não temos forma de lá chegar, esse desejo é irrealista.
temos de ser pragmáticos e lutar pelo que que é possível de alcançar.
Só isso.

Não posso concordar com este acto!
Não concordo com os raptos nem com os ataques a civis, muito menos num aconteceimento desportivo.

Ab.
LC
De Joao Silva a 10 de Janeiro de 2010 às 18:06
Caro Luis:
Vivo e trabalho em Cabinda á cerca de um ano,e tenho que repudiar totalmente este ataque da FLEC,sobretudo porque atingiu civis sem qualquer intervenção no problema.Mas devo dizer-te que não encontro esse mesmo sentimento na população de Cabinda com a qual contacto diáriamente,muito pelo contrário.O teu amigo tem razão,será muito dificil acabar com a FLEC,e eu acrescento que será mesmo impossivel,pelo menos enquanto este problema não fôr encarado de uma outra forma,ou seja,que o próprio povo de Cabinda possa participar na resolução do mesmo,e que não sejam só os politicos a fazê-lo.
Abraço
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:32
João,
tenho aí alguns amigos. Dos dois lados.
Mas atitudes como esta não dão razão a quem os comete.

Um representante da FLEC disse há pouco:
"Estamos em guerra e todos os golpes são permitidos."
Errado!

Já andei por muitas guerras, inclusivé com as duas FLEC, a Renovada e a FAC, ai na floresta do Maiombe, e também ai, dentro do caos, encontrei regras.

Ab.
LC


De filha do administrador a 10 de Janeiro de 2010 às 19:06
eu deixei há muito de acreditar que estes grupos armados (em Angola ou em outro lugar) pretendem o bem das populações ou dos seus paises, querem sim o seu bem, os seus 15min de fama e não se interessam por mais nada.
o que me custa a acreditar é que ainda existam seguidores que se mantêm de olhos "fechados"
De maria moura a 10 de Janeiro de 2010 às 21:31
Luis...
Só me ocorre dizer que (porque ainda não me foi oportuno lêr a sua 'vida' como reporter de guerra), a dualidade por que passou deve ter sido um verdadeiro inferno, se por um lado, o dever profissional o "chamou" e o Luis aceitou, por outro lado, partir ao encontro do "desconhecido", na situação que era, deixando para trás a familia, sua mulher e filha, foi duma estrutura psicológia sublime. Acredito que os "anjos", estiveram sempre consigo, a guiá-lo, a orientá-lo e a trazê-lo de volta à sua realidade - Portugal - um paraíso, em termos de comparação.
bj
mmoura
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:01
Não duvide.
gritamos e reclamamos da nossa realidade... porque não conhecemos a de muitos outros.
Bjs
LC
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:34
A culpa não é dos guerrilheiros!
Eles não têm visão política...
Bjs
LC
De revoltado a 10 de Janeiro de 2010 às 21:16
pretos miseraveis
De Paulo Silva a 10 de Janeiro de 2010 às 21:27
A esse revoltado só lhe digo que ele não fica atrás...... é miserável de espirito.......
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:57
Visto.
LC
De Camarada Angolano a 10 de Janeiro de 2010 às 23:24
Ao REVOLTADO

Não tens VERGONHA,meu MISERAVEL !!!
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Ao REVOLTADO <BR><BR>Não tens VERGONHA,meu MISERAVEL !!! <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>EXECRANDO,VERME</A> .
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 15:56
Visto.
LC
De maria moura a 10 de Janeiro de 2010 às 21:34
O 'ódio' é uma consequência da ignorância.
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:01
Visto.
LC
De Pedro Santos a 10 de Janeiro de 2010 às 21:50
Eu era mais um dos portugueses que simpatizamos com a causa da FLEC " julgo que agora devem adoptar o nome de FLIQUE-FLAQUE "
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:06
Assim não se alimentam simpatias.
Ab.
LC
De jonasnuts a 10 de Janeiro de 2010 às 22:16
Este post está em destaque na Homepage do SAPO.
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:07
=:-)»

Bjs
LC
De Paranoiasnfm a 10 de Janeiro de 2010 às 22:45
É uma vergonha, é uma tristeza... e, sobretudo, um aviso para o próximo mundial de futebol.

É muito mau!
Não percebo (aliás, acho que qualquer um) como é possível haver ainda gente capaz de atitudes destas...

Abraço e bom 2010
De Luís Castro a 11 de Janeiro de 2010 às 16:08
Obrigado e igualmente!
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds