Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010

Bisturi numa mão e microfone na outra

Artigo que escrevi para a TV Guia:

 

O "efeito Gupta"

 

O correspondente médico da CNN trata a cabeça de uma bebé com 15 dias;

o médico jornalista da ABC faz um parto prematuro;

a enviada médica da CBS ajuda no socorro a uma menina com braço amputado;

a repórter cirurgiã da NBC coloca talas em osso partidos.

 

Os mais famosos correspondentes televisivos americanos do momento não foram só contar a história do sismo no Haiti. Eles estão a participar activamente e de forma incomum nas histórias, prestando ajuda médica com as câmaras a filmar.

 

Defendo o jornalista quando ele faz parte da história. Ele não é a história, mas o fio condutor da “sua” história. O repórter no terreno não tem uma visão completa sobre o acontecimento, ele sabe e reporta apenas o que está no seu campo de acção, procurando a melhor forma de contar a história. E será também pelas suas histórias que esse momento ficará gravado na História.

 

No Haiti fez-se História também para o jornalismo. Todos quiseram ir atrás da CNN e do seu correspondente médico, o neurocirurgião Sanjay Gupta, no que em jornalismo se chama “pack journalism”. Ficou provado o que há muito venho dizendo: um médico pode ser jornalista, mas um jornalista não pode ser médico.

 

 

O papel duplo do “jornalista” - repórter e médico -, permitindo-lhe por a “mão na massa”, produziu um estilo dramático de jornalismo participativo. E é aqui que facilmente se passa do sublime ao ridículo. Não me parece que tenha acontecido, mas apenas se abriu a porta deste novo género jornalístico.

 

Não sou dos que entendem que o jornalista não se deve envolver no acontecimento que relata – é impossível nos casos de grande carga emocional – no entanto, essas narrativas podem deturpar e tornar-se manipuladoras.

 

Temo, porém, que os médicos jornalistas – e não jornalistas médicos! – enviados pelas televisões americanas para o Haiti, dêem novas e perigosas ideias a alguns decisores editoriais para quem tudo vale em troca de mais audiências.

 

Luís Castro

Editor executivo de informação da RTP

publicado por Luís Castro às 11:00
link do post | comentar
32 comentários:
De Maria Araújo a 29 de Janeiro de 2010 às 11:47
Nestas situações vale tudo.
É pena, porque gostamos de acreditar no que se diz.
Beijinho
De Luís Castro a 30 de Janeiro de 2010 às 08:17
Os "públicos" adoram estes "números".
Basta ver pelas audiências.
Bjs
LC
De Bruno Espada a 29 de Janeiro de 2010 às 12:01
Uma mistura de profissões que pode ser perigosa, podendo deturpar a realidade, seguindo um caminho quase de "showoff" para ganhar audiencias!!!

É bonito, mas pode ser perigoso!!!!
De Luís Castro a 30 de Janeiro de 2010 às 08:19
Palpita-me que a moda também vai pegar por cá...
Ab.
LC
De RUI FERREIRA a 29 de Janeiro de 2010 às 14:49
exercer ao mesmo tempo algumas funções não é compatível. mas "EM TEMPO DE GUERRA" não se usam " armas. para além da "audiência", temos que apreciar o acto humanitário.....
De Luís Castro a 30 de Janeiro de 2010 às 08:20
Nestes casos, é sempre difícil separar os campos.
Ab.
LC
De maria moura a 29 de Janeiro de 2010 às 18:03
Boa tarde Luis
Na minha maneira descomplicada de interpretar a situação, não vejo porque o médico/jornalista exercendo as duas funções não possa intervir como tal. O bichinho do jornalismo é do tamanho do mundo, mas o bichinho de salvar vidas, do tamanho do mundo é... e estas situações (cirurgia/notícia) exigem uma intervençao imediata. Não acredito de todo que a intenção deste Senhor, seja de auto-promoção, parece-me sim que ele actua com um elevado selfproud (humano) no bom sentido.
Bj
mmoura
De Luís Castro a 30 de Janeiro de 2010 às 08:23
Para tudo na vida é preciso bom senso.
Se assim for...
Bj
LC
De maria moura a 30 de Janeiro de 2010 às 17:09
De acordo, se houvesse 'bom senso' provavelmente nem guerras haveria... (nem tramas, nem ódios...)
Bj
mmoura
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:22
Bjs
LC
De Sónia Pessoa a 29 de Janeiro de 2010 às 23:37
Concordo com o que dizes. Este é um terreno pantanoso, onde se pode facilmente cair na teatrealização da realidade. O que não é benéfico para o jornalimo. Vende, mas descredibiliza. Beijo
De Luís Castro a 30 de Janeiro de 2010 às 08:26
Está atenta ao post que vou publicar de domingo para segunda... à meia-noite.
Bjs
LC
De Sónia Pessoa a 30 de Janeiro de 2010 às 12:14
OK. bjo
De Luís Castro a 30 de Janeiro de 2010 às 12:28
Tchau
LC
De jacinta oliveira a 30 de Janeiro de 2010 às 15:47
Boa tarde.,

A minha opinião é que cada um deve exercer somente a sua profissão, ou seja se é médico não deve ser jornalista, se é advogado não deve ser enfermeiro, etc.
Entendo que é impossível separar as coisas numa situação como a que se está a viver no Haiti, acredito plenamente que é difícil em situações de elevada carga emocional não se envolverem, mas o senhor Dr. Sanjay Gupta deveria estar a 100% a exercer as funções de médico e deixar o trabalho de jornalista para quem sabe.
Desculpe se estou a ser demasiado "fria" mas hoje em dia vale tudo para aumentar audiências, muitas das vezes deixam chegar ao ridículo.

Cumprimentos.,

Jacinta
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:21
Isto vai fazer escola...
Bj
LC
De PLonga a 30 de Janeiro de 2010 às 21:40
Muito bom artigo Luís. Não me parece bem este "novo género jornalístico". Fazer este tipo de papel só em nome de audiências não dignifica em nada o verdadeiro nome de "Jornalista". Quanto ao lado Humano da questão concordo que nestas alturas é difícil "separar as águas", mas podem ajudar não tendo necessáriamente que fazer passar passar as imagens para o público.

Abraço Luís
PLonga
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:35
Outro.
LC
De RUI FERREIRA a 31 de Janeiro de 2010 às 13:33
será porque não estamos habituados a este género de solidariedade"????porquê dizer mal de tudo e não apreciar o "acto" desse médico que aproveita a profosão para realçar ainda mais a desgraça????
De jacinta oliveira a 31 de Janeiro de 2010 às 15:16
Eu entendo que deve-se tentar amenizar os efeitos da tragédia e o que o médico está a fazer é realçar mais, já chega por vezes os maus jornalistas que não exercem a sua profissão devidamente.
Até porque o Dr. Gupta ajuda mais se estiver a tratar das pessoas, essas sim é que precisam de ajuda.
Não quero julgar o médico, mas por vezes deixa-se de fazer o bem para aparecer.

Mas é apenas a minha opinião.

cumprimentos.,
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:37
Lido.
LC
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:36
Realmente não estamos habituados.
Ab
LC
De PLonga a 31 de Janeiro de 2010 às 15:44
O melhor mesmo é cada um no seu papel...

Abraço
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:38
Mas já estão misturados.
E vai fazer escola...
Ab
LC
De RUI FERREIRA a 31 de Janeiro de 2010 às 15:58
lembro-me que na guerra colonial já haviá "más peças".
um dia em lichinga entrou um ferido bastante grave, que tiveram de amputar a "perna". a acompnhar a evacuação ia um "repórter local" que perguntou ao médico se não tinha outra forma de "operar". o p´roprio médico vendo o disparate da pergunta porque o hospital pela própria aparência dizia tudo, pegou no material e mais o BLACK AND DECKER e á frente fez a amputação.as operações eram em série....pergunto quem esteve mal??? eu assisti a esta cena tal como outras. pex. o sr artur agostinho no norte de angola a acompanhar um destacamento teve o descaramento de dizer "que iamos fazer um "pique-nic". o mal já vem de longa data e como a nível e "reporteres" ou "jornalista", aproveitam-se para "conhecer novos países", e ao mesmo tempo "aventurare-se".
um pormenor talvez desconhecido de muitos...esse tal sr sa rádio após o 25 de abril... fugiu para o brasil.
De jacinta oliveira a 31 de Janeiro de 2010 às 17:47
Em todas as profissões existem maus profissionais, pois muitos vão para médicos, advogados, enfermeiros, engenheiros, etc, porque o papá e a mamá assim o exigiram e como tal tornam-se maus profissionais e claro fazem asneirada todos os dias.
Mas também existem excelentes profissionais, poucos mas existem e estes devemos elogiar.
No jornalismo é igual há bons e maus, o exemplo é que estamos num blog de um grande senhor jornalista.
Os médicos por lidarem com a vida de outras pessoas diariamente deveriam ser os primeiros a exercer as suas funções correctamente.

Cumprimentos.,
De RUI FERREIRA a 31 de Janeiro de 2010 às 18:15
interpreto como excepção á regra. ninguém sabe para o que está talhado, por exemplo muitos vão para advocacia só por causa da matemática, o mesmo acontece com os jornalistas, daí a saturação do mercado em relação a ambas profissões, e muitos aproveitam estes casos para chamarem a atenção.em relação á medicina temos o problema das médias serem elevadíssimas e muitos optam por outros ramos. há um ditado que diz "enquanto se cantanão se assobia"...um abraço rui
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:49
Visto.
LC
De maria moura a 31 de Janeiro de 2010 às 18:34
Não querendo de maneira nenhuma "misturar" nem comparar situações, ainda há pouco tempo o "nosso" querido Luis Castro salvou uma vida (arriscando a dele), não em directo..., não como médico..., não como jornalista..., mas num grandioso impeto e acto humanitário. Há quem exerça com toda a seriedade mais do que uma profissão. Neste caso (Gupta) como se trata tb de "audiências/ concorrência", é sempre dificil de aceitarmos que não haverá 2ªs intenções... é bem provável que sim... ou não...
Ab.
mmoura
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:50
Visto.
LC
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:48
Visto.
LC
De Luís Castro a 3 de Fevereiro de 2010 às 17:40
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds