Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

"Vens contar histórias más?"

 

A pergunta não podia ser mais directa. O capitão quer saber que histórias procuro. O tenente já me tinha sondado: “O que pensas desta guerra?”

 

 

No QG da 82ª Airborn Division, os americanos já me tinham feito um briefing explicando que operações decorrem em Kandahar e no resto da província. Agora, já no vale de Arghandab, dizem-me que do outro lado do rio está uma tribo que pertence a Mullah Omar onde se abrigam muitos talibãns e de onde vêm muitos problemas. Dão-nos metade de uma tenda… com ar condicionado. Na noite anterior, numa outra posição, praticamente não dormi com o frio que faz durante a noite. Meti-me dentro do saco cama com o blusão e botas calçadas, mas nem assim.

 

 

Seguimos na primeira patrulha de combate desde que aqui chegámos. Lidera um tenente muito jovem, terá vinte e poucos anos. Buittel, de ascendência alemã, pede aos soldados que estejam muito atentos porque vamos entrar numa aldeia com passagens muito apertadas.

 

 

Num primeiro checkpoint, os soldados afegãos confirmam que os talibãns aterrorizam as populações e que os tentam convencer a lutar contra os estrangeiros. Seguimos pela estrada com dois helicópteros a acompanhar a patrulha e tudo o que se passa à nossa volta.

 

Entramos na aldeia. Dois soldados afegãos, aos quais chamam “polícias militares”, seguem na cabeça da coluna. É tão fácil sermos emboscados. Se isso acontecer, dificilmente alguém sai daqui com vida. Passagens estreitas, túneis e buracos por onde passam os esgotos.

 

 

 

Enquanto o tenente Buitel reúne com o chefe da aldeia, os soldados ficam cá fora. As crianças pedem tudo aos americanos: esferográficas, óculos, capacete, colete, botas, joelheiras e até as M-16. O médico paraquedista trata uma ferida na cabeça de uma criança. Ela agradece com um gesto batendo na mão do americano.

 

 

 

O chefe quer um gerador para a aldeia, Os americanos registaram o pedido.

Voltamos à unidade e… surpresa: há água quente!

Já não tomávamos banho há três dias.

 

Luís Castro

Paulo Oliveira

publicado por Luís Castro às 14:00
link do post | comentar
72 comentários:
De João Oliveira a 8 de Fevereiro de 2010 às 14:41
Saudades de ler os teus "contos" da guerra :)

Abraço e boa sorte!
De Diogo Rodrigues a 8 de Fevereiro de 2010 às 15:58
Realmente Luís uma pessoa já tinha saudades dos teus relatos de guerra.


Cuidado

Diogo Rodrigues
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:31
Prepara-te para mais uma "aventura" como a de Gaia, mas agora em Coimbra.
Está tudo a ser preparado.
Depois aviso quando.
Ab.
LC
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:32
Desculpa, Diogo.
este comentário não era para ti.
Ab.
LC
De João Oliveira a 11 de Fevereiro de 2010 às 05:28
Em Coimbra? O quê? :D
De Luís Castro a 12 de Fevereiro de 2010 às 21:49
És o João de Gaia, o repórter de imagem, certo?
LC
De m.Jo a 8 de Fevereiro de 2010 às 15:21
A algum tempo acompanho teu blog de longe, mas nunca escrevi. Hoje quis entrar para registrar a minha grande admiração por teu trabalho.
Não sei se digo parabéns, boa sorte, força, coragem, sucesso ou alguma coisa parecida.
Com certeza, sei que quero dizer obrigada.

De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:34
Podes simplesmente dizer:
"Continua!"
Obrigado.
Bjs
LC
De Márcia a 8 de Fevereiro de 2010 às 16:47
Luís, muito obrigada pelos relatos que nos traz, não que esteja surpreendida com a sua qualidade, mas não me canso de o repetir: é um excelente jornalista e um ser humano excepcional e isso sente-se naquilo que escreve, por isso muito obrigada e claro... que tudo corra muito bem por aí.
Muita força para is e também para os companheiros de trabalho que o acompanham.
BJinhos
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:38
Márcia,
quando escrevemos o que sentimos e o que nos vai na alma, sai sempre melhor.
Bjs e obrigado.
LC
De Miguel Silva Machado a 8 de Fevereiro de 2010 às 17:19
Caro Luís Castro,
Bem interessante. Só assim, com as suas "botas no terreno" e a abertura dos militares dos EUA, poderemos saber o que por aí se vai passando.
Boa "missão".
Miguel Silva Machado
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:41
Obrigado!
Grande e special abraço para quem sabe o que isto é.
LC
De Liliana Mena a 8 de Fevereiro de 2010 às 18:15
Olá Luís!
Espero que esteja bem e que as coisas por aí corram do melhor, dentro dos possíveis.
Não sei como comecei a ler o seu blog no entanto, passei a dar uma espreitadela todos dias. Gosto do seu blog pois mostra um pouco a realidade que para nós é um pouco irreal, é um mundo aparte do nosso... é uma realidade bastante triste.
Admiro o seu trabalho e espero que o continue a fazer por muitos anos e que tenha muito sucesso.
Obrigada por deitar cá para fora essa crua realidade.
Muita sorte e que faça o seu trabalho e que volte em segurança para junto dos seus.
Beijinhos
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:44
É verdade,
este é um mundo bem diferente do nosso!
Temos de vir cá para o perceber.
Bjs e obrigado.
LC
De João Pereira a 8 de Fevereiro de 2010 às 18:38
É bom saber que está tudo bem por ai!
Ao ler este post veio-me logo á cabeça o livro "repórter de guerra "... gostei muito.

Luis, será que vai sair dai inspiração para um novo livro?
sobre os povos que já não passam sem a "guerra justa", como diz Obama!

Vezes sem conta todos nós dizemos "Boa sorte...que corra tudo bem.. cuidado..." mas sinto que o luís cada vez que as lê sente bem...

Tudo a correr bem.

Abraço
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:46
Pois sinto.
Por isso leio todos os comentários e a todos respondo.
E sim, provavelmente vai sair mais um livrito ainda este ano.
Ab.
LC
De jacinta oliveira a 8 de Fevereiro de 2010 às 20:24
Admiro-o pela sua coragem assim como também pela do Sr. Paulo, primeiro porque deixar a família é bastante difícil e só quem está longe é que sabe, não estar presente em alguns momentos deve deixar o coração muito apertado, depois porque passam por condições de higiene e abrigo precárias , o que não é qualquer um que se sujeita a tal e pelo perigo que passam.
Você pelo que vi na televisão tem paixão pela precisão, faz um registo exacto dos factos, cria empatia com os leitores, tem um estilo pessoal
Obrigado pelas imagens de hoje.


Cumprimentos.,
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:51
Acredite que sim.
Tenho paixão pelo que faço.
Bjs
LC
De "ANÓNIMO" a 8 de Fevereiro de 2010 às 21:16
Olá Luis e Paulo, obrigado pelo esclarecimento do "Cougar" e do decorrer das operações.
Sei que um cenário de guerra urbana, é um pesadelo a nível táctico, acham que os americanos estão preparados para operar neste tipo de conflito?
Creio que o exercito americano é muito fechado a receber instrução de outros paises, e só teriam a ganhar se realizassem workshops com o exercito israelita ou com o Bope brasileiro, que têm muitos anos de experiencia neste tipo de conflito.
Quanto aos "luxos" como dormir quente ou um banho é o que distingue um soldado americano de um talibã, não necessitam do que um comum soldado ocidental precisa (mesmo os das Operações Especiais) e é isso que os faz guerreiros tão bravos e tão dificeis de bater, são um verdadeiro exercito de elite.
As ultimas palavras são para si para o Paulo e para os putos americanos que aí estão, são de um coronel americano na guerra do Iraque, e o que diz e o seguinte.
A guerra "são horas interminaveis de tédio seguidas de breves momentos de insanidade" Coronel Grimsley
Por isso nas horas de insanidade protejam-se e nao se esqueça de as repetir aos rapazes que ai estao estacionados.

Abraço
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:53
Conheci o coronel Grimsley, no meio do deserto Iraquiano, durante a ofensiva sobre Bagdade.
Meu amigo,
ninguém está prparado para uma guerra, muito menos para esta.
Ab.
LC
De Jorge Miranda a 8 de Fevereiro de 2010 às 21:56
Olá Luís, agora já se tornou hábito verificar o teu blog várias vezes ao dia para ver se há material novo. É sempre um prazer ler as tuas historias-relatos com cheiro a pólvora e ao mesmo tempo saber que estás bem. Um abraço e obrigado.
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:57
Amanhã há mais!
Ab.
LC
De David F C a 8 de Fevereiro de 2010 às 22:22
Não durma de botas, pés secos e meias lavadas são o melhor caminho para dormir quentinho.
Não leve a mal eles perguntarem que tipo de histórias procura. Há um sentimento universal, por parte dos militares, de desconfiança pelos jornalistas. Infelizmente há muitos colegas seus que falam do que não entendem e só procuram o sensacionalismo barato. Situações como a que descreve do médico paraquedista que trata uma criança são importantes, é precioso que o mundo entenda que os soldados não são bichos mas sim pessoas que também sentem e se preocupam.
E não se preocupe, a confiança há-de vir com o tempo.
De Luís Castro a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:59
Pois,
o problema é que estava tanto frio que os pés não aqueciam! As costas estavam geladas e as mãos nem as sentia.
Obrigado.
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds