Terça-feira, 13 de Abril de 2010

A minha primeira vez

 

- Deixe-me adivinhar: mandaram-me parar para dizer que apanharam os ladrões que me assaltaram a casa?!

- Não, senhor condutor.

- Encontraram a bicicleta que me roubaram da garagem?!

- Também não...

- Então, não me diga que apanharam os indivíduos que me partiram os vidros do carro?

- Também não – respondeu-me o polícia já com ar enfadonho – O senhor circulava em excesso de velocidade.

- Ah! Boa! É mais fácil apanhar quem trabalha e não foge, não é?!

 

Não fiquei irritado por ter sido multado, fiquei revoltado pela forma.

Foi a minha primeira multa por excesso de velocidade em 29 anos.

Conduzo desde os 14.

 

Já aqui escrevi:

A função da polícia é, antes de tudo, ser preventiva e só depois repressiva.

 

Mas não,

estavam escondidos na única descida dessa via,

no local onde abre para duas faixas no mesmo sentido

e onde costumam por o carro do radar em contra mão.

 

Ora, é mais difícil esconder a ignorância do que adquirir conhecimentos.

É mais fácil reprimir do que ser pedagógico.

 

Ou será, como disse, há não muito tempo, António Ramos, do Sindicato dos Profissionais da Polícia (SPP):

"Mandam-se os polícias para a rua para multarem, mas, se as multas não atingem os números desejados, castigam-se os polícias, impedindo-os, por lhes serem atribuídas más classificações, de tentarem progredir na carreira."

 

 

Sei de um caso em que o comandante da GNR decidiu mudar os seus homens para um estrada nacional porque estavam a facturar pouco na auto-estrada.

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 19:40
link do post | comentar
52 comentários:
De maria moura a 13 de Abril de 2010 às 20:31
Olá Luis!
Então tb te excedes!? E qual foi o teu excesso de velocidade? É que eu a semana passada recebi um aviso de multa de Novembro!!! por excesso de velocidade. De facto aqui para os meus lados, entre 2 rotundas há uma rua com uma placa de proibição a mais de 40. Eu ía a 60, refere a multa. Mas tb é estratégico, neste sítio (nunca me ocorreu) de vez em quando está parado um carro de policia - caça à multas - !!! Seja como fôr eu excedi o limite permitido naquele local e por eles saberem que dificilmente alguem ali passa a 40km/h, quando precisam de facturar é um óptimo local. Luis um bom post tb seria: como algumas pessoas conseguem "safar-se" de pagar as multas, on and on and on. Mas é um risco, provavelmente não haveria comentários :-(
:-)
bj
mmoura
De Antonio a 13 de Abril de 2010 às 20:40
Boa noite Luís,
É uma autentica caça!
Já me aconteceu o mesmo! E quando me atrevi a expressar o que me ía na alma dando conta da minha opinião tive que soprar balão e deram mais uma volta ao carro para ver se podiam pegar em mais qualquer coisinha!
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 21:23
Hoje, alguém dizia na rádio que foi multado porque levava parafusos na mala...
Ab.
LC
De pink poison a 15 de Abril de 2010 às 13:44
Truques
Ser gaja ajuda.
Ser convincente: "Eu? Soprar o balão? Então mas eu tenho um problema no sangue e não osso beber alcool e acha mesmo que vou sair do carro por causa disso?"
"pronto, menina, abra lá a mala do carro"
"Mas para quê, acha que tenho aí a coca?"
"pronto, não refile, mostre-me a carta...
"não poss, ainda é a guia, tenho carta há 2 semanas mas não se preocupe que a experiência de condução é maior"
"Vá-se lá embora"
"Amigos na mesma, ssr guarda"

Eu qandi em mandam parar, faço sempre amigos...
De pink poison a 15 de Abril de 2010 às 13:46
porra, tanto erro, é o que dá usar o pc da chefe da hora de almoço, desculpem
De Luís Castro a 18 de Abril de 2010 às 16:54
Rssssssss
Ahahahahah
Eheheheheheh
LOLOLOLOLOLOL
De Luís Castro a 18 de Abril de 2010 às 16:53
Acho que vou passar a usar burka.
Achas que serve?
LOL
Bjs
LC
De pink poison a 18 de Abril de 2010 às 17:09
Se tiver a falta de vergonha que tenho e uma boa retórica e oratória... (bem, um bom decote ajuda...)
De Luís Castro a 21 de Abril de 2010 às 16:20
Eheheheheh
Bjs
LC
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 21:22
Acontece...
Bjs
~LC
De Jacinta Oliveira a 13 de Abril de 2010 às 20:53
Boa noite.,

É verdade sim o que disse, eu tenho um tio que foi policia da brigada de trânsito e este chegou a comentar algumas situações e uma delas a da "caça à multa" .
Os policiais são necessários é para a resolução dos problemas do aumento estrondoso da criminalidade violenta que nos últimos anos, trouxe para a agenda social a questão da segurança pública. A segurança pública alcança o centro das discussões, numa sociedade aflita com violência e criminalidade. Existem tantos problemas e os casos de insegurança e de violência na nossa sociedade, pela frequência e pelo grau com que ocorrem e invadem o dia-a-dia da vida dos cidadãos, estão a provar cada vez mais claramente que, longe de estarem resolvidos, vieram para ficar.
Como espectadora, leitora, ouvinte, cidadã entendo que a cobertura do quotidiano violento das grandes cidades não é tarefa fácil.
Existem agentes iletrados para quem a sua farda é objecto de vingança e afirmação social, e enquanto somos vítimas da incompetência e desorganização generalizadas, somos testemunhas do sentimento de insegurança que grassa em muitas das cidades portuguesas, com destaque para a zona da grande Lisboa e Porto onde é muito pouco aconselhável circular a pé pela noite em ruas nas quais não se vislumbra o mais pequeno sinal de policiamento. Bairros a onde não se pode nem entrar e os quais obviamente a PSP faz por evitar, pois isso de garantir segurança é decerto muito trabalhoso e arriscado.
Acredito que muitos policiais colocam em causa a própria vida para defender outros cidadãos e lutam diariamente pela segurança das populações, outros fecham os olhos, fecham-se nas esquadras é espera que os criminosos vão ter com eles.
A culpa não é só dos agentes, das chefias ou do governo, possivelmente será de todos eles. O que é certo é que a insegurança continua, e continuamos também nós, cidadãos pacatos, a ter de evitar lugares onde andar descansados. É necessária formação e acima de tudo mudar a mentalidade das pessoas.
Na minha opinião as forças de segurança, deviam ter uma política de segurança com uma forte componente preventiva, que aproxime a polícia dos cidadãos e renove a confiança das populações nas forças de segurança.
É essencial termos forças de segurança que nos defendam e não apenas forças de segurança que só sirvam para multar.

Cumprimentos,
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 21:27
Os polícias são para estarem visiveis.
Não escondidos!
Bjs
LC
De pink poison a 13 de Abril de 2010 às 21:50
Fiquei entusiasmada com o título. vim ver se tinha algo que ver com a saúde do Luís (post das tartaruguinhas) mas pronto, multas... Já apanhei uma e foi justa. Por ecesso de velocidade nunca, à velocidade que vou, ninguém me vê... Agora acho muito ingrato para a carreira dos policiais, estes termos de facturar mas, mais uma vez, nós é que nos lixamos... eu também não me lembro de emprestar 73€ à Grécia e não é que sou uma mãos largas?
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 20:28
Eu emprestei?!
Tb não me recordo de nada!
Lol
Bjs
LC
De Ana Albuquerque Almeida a 13 de Abril de 2010 às 23:03
Olá Luís,

De facto é chocante que isto ainda aconteça. O que te aconteceu revela que continuamos a viver num país com muitas semelhanças aos países de terceiro mundo. Fez-me lembrar a 2ª vez que vivi em Angola, de 95 a 98 e as técnicas caricatas que os polícias angolanos tinham para caça à multa. Uma delas era virar os sinais de sentido proibido ao contrário. O que acontecia é que muitos condutores entravam na rua porque não viam a placa e alguns metros adiante apareciam 2 polícias que o mandavam parar para o multarem. O condutor bem podia jurar a pés juntos que não havia sinal nenhum de proibição, o certo é que os polícias acompanhavam-no até ao início da rua e mostravam-lhe que o sinal afinal estava lá e visível. É que enquanto o condutor se justificava perante aqueles 2 polícias, havia um que ficava escondido perto do sinal e que tratava de pô-lo na posição correcta. Isto que se passava em Angola ainda compreendo porque a miséria profunda obrigava a isso e muito mais.
Certo dia, em Luanda, mandaram-me parar para verem os meus documentos. Enquanto mal olhavam para eles, perguntavam-me de onde era, o que fazia, etc. Tudo para chegarem ao fim e, humildemente sorrindo, me pedirem que lhes desse alguns dólares. Dei-lhes uns trocos com todo o prazer porque não me ameaçaram, não foram rudes, enfim, tiveram um comportamento digno.
Acredita que conto esta passagem sentindo uma espécie de carinho por aqueles polícias, que teriam muitos mais motivos para serem rudes, e leio o que te aconteceu sentindo um profundo desprezo pelos 'mui' respeitáveis srs. agentes que te abordaram hoje e por todos aqueles que se prestam a papéis semelhantes.
Como dizia Martin Luther King: "O que me preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem carácter, nem dos sem ética, o que me preocupa é o silêncio dos bons".
Felizmente que quebras o silêncio.

Bjs
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 20:29
Também já fui multado em Luanda por um sinal que não estava lá mas que "já esteve", insitiu o polícia.
Bjs
LC
De Diogo Rodrigues a 14 de Abril de 2010 às 01:07
Por acaso aqui em Coimbra mesmo ao pé do quartel da GNR fui apanhado ao telemóvel de mota, o GNR da brigada de transito chamou-me a atenção que para a próxima multava e desde então nunca mais usei-


Abraço

Diogo
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 20:34
Também já fui multadfo por ir ao telemóvel.
Acontece que nunca uso o telemóvel, a não ser com auricular.
O guarda da GNR disse que me viu com a mão junto à orelha.
Como o auricular já tinha muitas horas e ouvia mal, possivelmente ia a pressionar o aparelho contra o ouvido.
Recorri da multa e espero há mais de um ano pela resposta.
Ab.
LC
De Diogo Rodrigues a 14 de Abril de 2010 às 22:51
Se esperas há um ano provavelmente esta anulada
De Luís Castro a 18 de Abril de 2010 às 16:41
Calculo que sim.
LC
De Anónimo a 15 de Abril de 2010 às 10:26
esse polícia era muio naif..
De Luís Castro a 18 de Abril de 2010 às 16:48
Devemos reclamar sempre que sabemos que a razão nos assiste.
Foi o caso.
LC
De Anónimo a 14 de Abril de 2010 às 11:54
Bom dia Luís

É acontece … mais vezes do que nós desejaríamos.

Por causa da atitude de uns Senhores é a imagem de uma corporação inteira que fica denegrida.
Faço quase todos os dias o IP2 entre Évora e Beja, este é em muitos troços acompanhado em paralelo com a antiga Nacional 18 e existem nas bermas para além do relevo muitas zonas com Aloentros que fazem grandes sebes o carro do radar fica na N18 escondido atrás de um declive ou dos Aloentros e o radar no IP2. Não há necessidade….. bastavam estar parados na estrada, começa tudo a fazer sinais de luzes e alguns excessos deixavam de ser cometidos, mas depois a boa da multa não aparece e a sua avaliação para progressão na carreira também fica debilitada. Enfim… é o país que temos!
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 21:40
É o facto de estarem escondidos que mais me irrita!
Arre!!!!!!!!!
Ab.
LC
De Maria Serra a 14 de Abril de 2010 às 11:56
UPS! Ficou anónimo, peço desculpa.
Maria Serra
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 21:41
Visto
LC
De Márcia a 14 de Abril de 2010 às 15:42
Bom, essa situação de polícias escondidos é infelizmente coisa habitual, aqui há dias passei aqui em Braga numa estrada municipal e lá estavam os Srs. escondidos numa zona com visibilidade para a auto-estrada a "apanhar" condutores. Não é que quem vai em incumprimento não deva ser punido, mas o facto de estarem escondidos a ver uma descida da auto-estrada não me parece que vá adiantar muito em prevenção. Curioso que hoje tenha decidido falar sobre actuações policiais, é que esta semana "também tenho que contar" e olha que eu até tenho grande admiração pela polícia, é uma profissão que sempre me apaixonou, sobretudo a PJ, mas gosto de qualquer uma delas. Esta semana fui uma daquelas "maluquinhas" adeptas que decidiram ir a Leiria ver o seu clube jogar. De realçar que gosto do futebol não só pelo desporto, mas sobretudo pelo fenómeno social que é ver um recinto desportivo cheio de gente. Nesse sentido, esta deslocação a Leiria foi admirável pela forma como congregou tanta gente com o simples intento de "fazer festa", até porque a grande maioria nada tem a ver com claques, grupos organizados, etc. Eram apenas adeptos, famílias inteiras com avós, pais e crianças. Não se tratava de um jogo de risco, não houve situações de conflito com adeptos adversários, custou-me a entender qual a necessidade de colocar o corpo de intervenção a reprimir os adeptos da forma que fizeram. Mas isso por si só até se aceitaria, o que não consigo entender foi a carga policial que existiu no fim do jogo e os motivos que levaram a que a polícia o fizesse. É que sinceramente a confusão dos espectadores para receber camisolas dos jogadores não me parece motivo para carregar sobre as pessoas sem olhar a quem, e foi isso que aconteceu. Levaram senhoras, crianças e pessoas mais velhas porque tiveram a infelicidade de ter um lugar mais perto da claque! Fui uma das felizardas, estava longe da claque, mas vi a “dar pancada”. Nunca fui arruaceira, não fiz mal nenhum a não ser ir apoiar o meu clube, coisa a que tenho direito, e só não levei bastonada porque tive sorte de não estar naquela zona. Isso não consigo entender, bem sei que a polícia tem necessidade de se “mostrar musculada” perante claques de futebol, mas isso não faz com que os adeptos de um clube ordeiros sirvam de “bombos de treino”para preparar a polícia para lidar com os desordeiros. Os relatos que vão sendo feitos no fórum de adeptos do Braga de quem esteve mais perto assustam, é quase inacreditável e são relatos a mais para serem todos “pura invenção”. Logo qual a função da polícia? Supostamente é a de evitar a desordem pública, prevenir e reprimir crimes, etc… Qual foi a função da polícia na sua multa? Prevenir não foi! Qual foi a função da polícia para os adeptos do Braga? Prevenir e reprimir crimes não foi…o que consegui a polícia com essa actuação? Instigar justamente aquilo que deve impedir que aconteça.
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 21:43
Tenho um enorme respeito e admiração por todos aqueles que tratam das nossas vidas, sejam médicos, polícias ou bombeiros.
Mas não tolero esta caça à multa!
E não é de agora.
Bj
LC
De Márcia a 15 de Abril de 2010 às 15:11
Também eu tenho respeito e admiração, além de gostar da própria profissão, acho que se não tivesse optado pela "carreira" que tenho hoje gostaria de ser polícia, se conseguisse ser admitida na carreira obviamente. O que me aborrece são determinadas opções de actuação, seja nas multas, seja nas cargas policiais. Os motivos que levam a esse tipo de opções se calhar escapam ao controlo da maioria dos profissionais, mas há atitudes individuais que podem perfeitamente ser controladas e evitadas por aqueles que são bons profissionais. Confesso que dos relatos que vi escritos no site dos adeptos havia um em particular que tinha dificuldades em acreditar, até ver hoje no mesmo site um vídeo sobre o assunto que parece confirmar os relatos feitos, mas claro por si só não chega, porque o dito Sr. dirá que fez o gesto aos adeptos casualmente, não a provocar. Claro que como em todas as profissões há bons e maus profissionais, só que nesta em particular perder uma imagem de rigor significa talvez perder autoridade, e isso não nos serve enquanto cidadãos.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Também eu tenho respeito e admiração, além de gostar da própria profissão, acho que se não tivesse optado pela "carreira" que tenho hoje gostaria de ser polícia, se conseguisse ser admitida na carreira obviamente. O que me aborrece são determinadas opções de actuação, seja nas multas, seja nas cargas policiais. Os motivos que levam a esse tipo de opções se calhar escapam ao controlo da maioria dos profissionais, mas há atitudes individuais que podem perfeitamente ser controladas e evitadas por aqueles que são bons profissionais. Confesso que dos relatos que vi escritos no site dos adeptos havia um em particular que tinha dificuldades em acreditar, até ver hoje no mesmo site um vídeo sobre o assunto que parece confirmar os relatos feitos, mas claro por si só não chega, porque o dito Sr. dirá que fez o gesto aos adeptos casualmente, não a provocar. Claro que como em todas as profissões há bons e maus profissionais, só que nesta em particular perder uma imagem de rigor significa talvez perder autoridade, e isso não nos serve enquanto cidadãos. <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Bjinhos</A>
De Luís Castro a 18 de Abril de 2010 às 16:56
Claro.
Depois violência tb gera violencia.
Bjs
LC
De PCCVG a 14 de Abril de 2010 às 17:42
Caro Luis, desculpa lá, mas já devias ter sido multado há muito mais tempo!!!!
Então conduzes desde os 14 ??!! Isso dá multa!
Olha ao que escapas-te durante 4 anos.
Ah!Ah!Ah!
Fora de brincadeira, infelizmente a realidade é que a tipica mentalidade latina (a nossa) dificilmente aceita a auto-disciplina do cumprimento criterioso das leis e regras.
E contra mim falo que ando muitas vezes em excesso de velocidade- mas em AE e em horas com pouco ou quase nenhum transito e com um carro feito para "andar"; o que não me desculpa, caso seja apanhado- terei que aceitar a multa e rezar para que não seja pesada.
Agora sem duvida nenhuma que muitas vezes a policia actua e penso eu, que por ordem superior, apenas com o objectivo de multar, para ajudar os cofres do estado e esse é que é realmente o problema, pois assim a autoridade nunca há-de ser encarada com o respeito que merece por ter uma missão dificil e muitas vezes incompreendida, mas é vista como uma entidade represora que espera o erro para actuar.
Mas tambem sabemos que quando a policia esta presente duma forma bem visivel, todos cumprimos as regras, mas quando isso não acontece e ela não está "esquecemo-nos" e infringimos.
Como eu disse, penso que é mesmo próprio da nossa cultura e falta de auto-discipina.
Mas se não fossemos assim, não seriamos portugueses, mas outro povo qualquer, com a frieza própria de quem cumpre tudo só porque está escrito
AB
PG
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 21:44
Aos 14 não era de carro!!!
Ab.
LC
De Diogo Rodrigues a 15 de Abril de 2010 às 14:25
Luís tens alguma hora que de para te ligar??, pois gostava de te fazer um convite para um debate.


Abraço

Diogo Rodrigues
De Luís Castro a 18 de Abril de 2010 às 16:54
Liga amanhã (Segunda) à tarde.
Ab.
LC
De Diogo Rodrigues a 20 de Abril de 2010 às 22:31
Só hoje vi, mas afinal a serie de debates que queria fazer no âmbito de Área Projecto não vai poder avançar visto o conselho executivo não autorizar dispensa de alunos nesta fase.
Era sobre acontecimentos actuais para começar ia ser um padre. ahah

abraço

Diogo
De Luís Castro a 21 de Abril de 2010 às 16:36
Boa sorte.
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds