Terça-feira, 6 de Abril de 2010

Imagens impressionantes

“As ordens que tenho são para disparar primeiro e perguntar depois.”

Recordo a frase que me foi dita por um jovem soldado americano em Bagdade.

 

Já aqui o escrevi:

“Na maioria não passam de jovens que mais não fazem do que tentar sobreviver.”

São impressionantes as imagens agora reveladas do momento em que um helicóptero Apache dispara sobre dois jornalistas da Reuters e sobre os civis que os tentam socorrer.

Confundiram as câmaras… com armas.

 

 

Há 5 anos, igualmente em Bagdade, um helicóptero americano também confundiu a câmara do repórter de imagem da RTP, o Bruno de Jesus, com um lança mísseis.

Felizmente não nos acertaram. Furaram uma banheira que estava à venda no passeio em Karrada Street e o dono da loja ficou furioso connosco.

Tivemos que sair de lá à pressa.

 

publicado por Luís Castro às 16:39
link do post | comentar
83 comentários:
De bluewater68 a 6 de Abril de 2010 às 17:12
Boa tarde Luis.
em tempos, também falei por aqui (http://makejetomosso.wordpress.com/2009/11/25/shooting-the-messenger/) da morte de Fadel Shana’a. No regresso de uma aldeia, após parar o Jeep para recolher mais imagens, o qual estava perfeitamente identificado com as palavras “Press” e “TV”, Fadel e outros três que o acompanhavam foram mortos por um projéctil disparado de um tanque Israelita.
Fadel disse uma vez que «Eu não posso desistir do jornalismo. Só duas coisas me podem parar – se eu morrer, ou perder as pernas»
Essas imagens que eu estive a ver esta manhã, são mesmo impressionantes. Algumas rajadas foram suficientes para ceifar a vida a 12 civis desarmados. Há quem lhe chame "Danos Colaterais" de uma guerra. Para outros, será um assassinato onde os culpados deveriam ser julgados e punidos. Mas nesta guerra, assim como nas outras, os que causam "Danos Colaterais" nunca são condenados. Ficam apenas as famílias das vítimas a chorar os que morreram, entregues à sua triste sorte.
Abraço
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:25
O que mais me choca foi, novamente, o terem omitido o erro.
Ab.
LC
De Sócrates a 6 de Abril de 2010 às 19:00
E de notar que as imagens apenas vieram (tão "cedo" pelo menos) a público fruto de uma fuga no Pentágono e doações de cidadãos anónimos à Wikileaks para que fosse possível desencriptar o vídeo.
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:47
Agora imagina as imagens que nunca serão conhecidas.
Ab.
LC
De Bruno Pires a 6 de Abril de 2010 às 19:45
Olá Luis.

Olhe o meu comentário nada tem a ver com este assunto, ou melhor, até terá, em parte. Escrevo-lhe por aqui face aos imensos mails que lhe mandei e dos quais não tive resposta alguma. Sou pois o aluno da Guarda que em Janeiro lhe ligou para o convidar para participar na apresentação de um trabalho intitulado "Séc. XXI - Conflitos Modernos". Eu e os restantes elementos do grupo entendemos os seus imensos compromissos profissionais e apenas queriamos saber, se possivel, se queria e sobretudo se podia participar no Colóquio que se irá realizar no Teatro Municipal da Guarda, no próximo dia 6 de Maio, de hoje a um mês, pelas 14H30M.

Com os melhores cumprimentos,


De Luís Castro a 6 de Abril de 2010 às 21:53
Bruno,
começo por te/vos pedir desculpa.
Quando me contactaram eu estava no meio do processo que me levaria de regresso ao Afeganistão, pelo que não vos podia garantir a minha presença no momento que pretendiam.
Quanto aos emails que me enviaram, na verdade, recebo dezenas (por vezes centenas) de emails por dia.
Quando não conheço o endereço, simplesmente apago.
Assim, compreendam que não foi intencional.
Julgo que ainda têm o meu número de telemóvel, certo?
Liga-me.
Se eu não atender, envia um sms com o assunto que eu devolverei a chamada logo que possível.
Luís Castro
De Bruno Pires a 7 de Abril de 2010 às 16:53
Olá

Compreendemos perfeitamente e nunca pensámos que teria sido intencional. Posto isto, então vamos-lhe ligar na próxima terça-feira, dia 13 de Abril, entre as 12:00 e as 13:30 (Hora da aula de Área de Projecto).

Cumprimentos
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 20:00
Ok.
Se não atender, enviem um sms.
Ab.
LC
De Mário Ferreira a 6 de Abril de 2010 às 19:49
Impressionante..........Mas já alguém do exercito americano pediu desculpa publicamente!!?????
Era o minimo que se exigia........
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:27
Não.
Esconderam!
Ab.
LC
De Jacinta Oliveira a 6 de Abril de 2010 às 21:13
Boa noite.,

Tenho imensa pena dos familiares que sofrem com a sua ausência, com medo de receber uma noticia da morte do seu filho, pai, marido, amigo.
Outro assunto, concordo consigo quanto à situação da policia face ás multas, eles estão em locais estratégicos para que por dia consigam um determinado número de multas, depois durante o resto do dia não fazem mais nada.

Cumprimentos.,
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:28
Esse post será publicado mais tarde.
Foi publicado ontem mas por engano.
Bjs
LC
De Sónia Pessoa a 6 de Abril de 2010 às 21:46
Fiquei muito impressionada com estas imagens, com o que vi e ouvi, mas, estranhamente ou não, dei por mim a não conseguir julgar estes soldados. Foi um erro, é certo, um erro horrível, mas um cenário de guerra é por si só horrível e deve ser entendido dessa forma. A margem para erros é a diferença entre a vida e a morte, entre matar o inimigo e um civil inocente. Aqueles soldados não são pessoas no seu estado normal, mas sim máquinas de guerra sujeitos a grandes pressões. Mas melhor do que eu para falar sobre isso, és mesmo tu, Luis. Pela minha parte não consegui julgá-los, apenas lamentar a mortes de pessoas inocentes. Beijinho
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:31
O que choca nestas imagens é a forma como se decide matar alguém.
Até parece que estão num um jogo de play station.
Agora imaginem o que fica por saber numa guerra...
Bjs
LC
De Sónia Pessoa a 7 de Abril de 2010 às 21:56
Percebo o que queres dizer e concordo. Só tento compreender até que ponto estes jovens estão no seu juizo perfeito num, cenário destes ao fim de tanto tempo. Mas é como eu disse, tu melhor que ninguém podes dizer se têm algum tipo de perdão, ou não. Beijo
De Luís Castro a 8 de Abril de 2010 às 00:10
Ali ninguém está no seu normal juizo, mas erros destes são imperdoáveis.
Bjs
LC
De maria moura a 6 de Abril de 2010 às 22:10
Que erro humano tão cruel..., é irreal. Não... não é um ensaio para um espectáculo sobre a insanidade mental, é uma fria e ignobil realidade.
bj
mmoura
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:33
Só de pensar que também já estive na mira de um helicóptero numa situação idêntica...
Bjs
LC
De amsf a 7 de Abril de 2010 às 00:49
O que diferencia este massacre das centenas que aconteceram no Iraque e que continuam a acontecer no Afeganistão? Terem morrido jornalistas? Quem é que tem justificado as guerras de invasão americanas senão a comunicação social e os seus comentadores. São estes srs que agora ficam muito sensibilizados...só porque morreram jornalistas!
De Portugal quem lá devia estar era o Nuno Rogeiro, o Vasco Rato, o Gen. Loureiro dos Santos, etc...

Os helicópteros apaches actuam a tal distância que as suas vítimas nem se apercebem da sua presença...
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:39
Não, caro amigo.
Já aqui publiquei fotos e relatos de mortos civis no Iraque, Afeganistão, Guiné, Angola, RD Congo, etc..
Neste incidente morreram dez pessoas, só dois eram jornalistas.
Ab.
LC
De pink poison a 7 de Abril de 2010 às 09:45
"mortes legais"?!
Calma aí, então, os profissionais arriscam a vida para informar o mundo e as mortes, ainda que devido a regras erradas como foi dito, são legais? De uma brutalidade extrema essas imagens mas ainda bem que mostram pela milésima vez que os EUA estão longe de aliarem o seu poder à inteligência e saberem o que significa "não meter o nariz onde não é chamado"...
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:48
O Pentágono chegou a reconhecer em tempos que ao soldado americano falta cabeça e coração.
Bjs
LC
De gena a 12 de Abril de 2010 às 10:33
só aos soldados?Tá bem está amigo Luis.
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 20:45
E a alguns políticos também, claro.
Bjs
LC
De Celso Azevedo a 7 de Abril de 2010 às 10:10
Olá Luís,
antes de mais parabéns pelo teu trabalho, já não te vejo a uns tempos na TV porque saí de Portugal mas parece que continuas no activo :)

Sobre o que aconteceu, é de lamentar que estas coisas aconteçam. Mas também era difícil de saber se era um jornalista ou se era uma pessoa armada... Como deves de entender, não podiam ir perguntar ao homem se tinha uma arma ou não (iam arriscar a vida ?).

Cumprimentos,
Celso
De Luís Castro a 7 de Abril de 2010 às 19:58
Celso,
quem conhece o Iraque como eu sabe que é muito frequente ver pessoas com Ak-47 nas ruas.
Não são todos bandidos.

És o "Azevedo" de Ermesinde?
Por onde tens andado?
LC
De Celso Azevedo a 7 de Abril de 2010 às 20:36
Olá Luís,
sendo assim retiro o que disse. Se é uma coisa normal no Iraque, não deviam reagir assim.

E não, não sou de Ermesinde nem nunca te vi 'ao vivo'. É outro Azevedo =)
De Luís Castro a 8 de Abril de 2010 às 00:07
Ah, obrigado.
Temi conhecer-te pessoalmente e não te estar a reconhecer.
Desculpa.
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds