Terça-feira, 3 de Junho de 2008

Overdose ou querem mais?

Confesso que nos últimos dias me tenho questionado muito sobre o tempo que estamos a dedicar à cobertura da selecção portuguesa de futebol.

Digo no plural: nós, RTP, SIC e TVI.

As audiências de Domingo demonstram que os "especiais" feitos sobre a partida para a Suiça não foram os programas mais vistos do dia.

A TVI conseguiu o 12º lugar com uma longa maratona de quase seis horas, a RTP registou a 20ª posição com pouco mais de três horas e a SIC ficou-se pelo 23º posto, tendo dedicado quatro horas da sua emissão.

Nos Telejornais, a RTP foi a que teve menor cobertura, alinhando vinte minutos de reportagens e directos, enquanto a SIC e a TVI gastaram trinta minutos cada uma.

Gostaria de saber o que pensam dos critérios que estamos a seguir.

Darei a minha opinião à medida que for respondendo aos vossos comentários.

Luís Castro

Coordenador do Telejornal da RTP

 

publicado por Luís Castro às 02:38
link do post | comentar
144 comentários:
De Daniel Marques a 3 de Junho de 2008 às 04:23
O assunto quando vai para o ar no Telejornal passa-me despercebido. Porque normalmente é abafado com uma conversa ao jantar ou distraio-me com um ou outro blog quando me encontro em frente do computador.

O que acho excessivo nestas coisas do futebol é as numerosas entrevistas que se fazem às pessoas, aos mirones que por ali andam. Como quando um clube vence o campeonato, em que tudo vai para a rua buzinar e fazer bagunça, e entrevista-se pessoas aos berros, totalmente em histerismo. E quanto mais espalhafatoso for o cenário, melhor.

Vai ser bonito na Suíça, país que preza contenção e que gosta pouco de apitos nas ruas, pessoas em cima de carros e bandeiras com pagodes chineses. Como se já tivéssemos ganho tudo e eles não nos devessem nada. Mas a culpa ainda vai ser da policia, que essa sim é que se porta mal. É que naquele país, no dia a seguir aos jogos trabalha-se, e as pessoas têm direito ao seu descanso para no dia a seguir produzirem riqueza para o país.

E eu a pensar que o cartão de "sócio da selecção" era o meu Bilhete de Identidade...
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:11
"Sócio",
é à boa maneira portuguesa:
festejamos antes da conquista.
A polícia suiça diz estar preparada para os excessos dos portugueses, mas acho que a massa se vai tornar incontrolável.
Ab.
LC
De Daniel Marques a 3 de Junho de 2008 às 18:24
A polícia francesa tem uns bastões eléctricos óptimos para acalmar. Não sei se na Suíça também os haverá. Se calhar aquilo funciona atirando-se para o meio da multidão e começa a lançar raios e as pessoas a saltarem. Eh eh eh! Desculpa lá mas eu gosto de brincar com estas coisas.
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 19:20
Daniel,
há-de correr tudo bem, espero eu.
Ab.
LC
De Daniel Marques a 4 de Junho de 2008 às 14:50
Podemos gostar de foguetório, mas não somos arruaceiros. Vai correr tudo bem, mas prevejo numa escaramuça aqui e ali.

Abraço.
De Luís Castro a 4 de Junho de 2008 às 21:16
Acredito que sim, embora, por vezes, apareça sempre quem borre a pintura com um copito a mais.
Abraço.
LC
De Luís Castro a 4 de Junho de 2008 às 21:17
Luís Castro
Tentei entrar na caixinha para o e-mail, pelo seu blog, mas como sempre me acontece, falha o envio.
Assim, resolvi enviar-lhe directamente do meu e-mail pelo que nem sei se esta mensagem chegará ao destino.
De qualquer modo, aqui vai:
Parabéns pelo seu blog Cheiro a Pólvora. Só soube da sua existência pelo programa de Pedro Rolo Duarte que acompanho sempre com muito interesse.
Fiquei muito impressionada pela sua abordagem do trabalho de repórter de guerra. E admiro-lhe a coragem. Ser testemunha de situações-limite deve ser um desafio enorme.
Quando fui para a faculdade, acredita que a minha primeira opção era jornalismo? Mas em 76 não havia nenhum curso em Coimbra. É uma área que me fascina.
Se tivesse possibilidade de fazer uma reportagem hoje, era sobre os mineiros de Urgeiriça. Não me pergunte porquê. Não lhe saberia responder. Sinto que foram esquecidos, e que o próprio Estado se demitiu das suas responsabilidades. Ficou o silêncio.
Continuação de um bom trabalho!
Com os meus cumprimentos
Ana Silva
De Luís Castro a 4 de Junho de 2008 às 21:20
Ana,
esta é uma profissão fantástica, mas muito mal paga!
Paciência, desde que dê para sobreviver...
Já não é mau fazer o que gostamos e gostarmos do que fazemos.
Gosto muito da Urgeiriça, embora não passe por aí há muito tempo.
E o Hotel, ainda está aberto?
Passei aí o primeiro aniversário de casamento.
Bjs
LC
De António Manuel Dias a 3 de Junho de 2008 às 06:18
No dia da partida da selecção liguei por acaso a televisão. A emissão estava em directo na RTP, TVI, SIC e RTPN, pelo menos. Felizmente tenho cabo e há sempre outros canais...
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:16
António,
ninguém quis perder o momento, sabe como é.
Nestes casos não há concertação possível.
Ab.
LC
De Marco a 3 de Junho de 2008 às 07:25
acho que se esta a entrar em overdose. são os 20 minutos do telejornal (que são demais), são mais os especiais, já chega. Estou a falar no plural.

O ideal seria, 5 minutos no telejornal + um especial de 10 a 15 minutos depois do telejornal. Cansa ver 20 minutos de enchimento de chouriços.
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:20
Marco,
depois dos vinte minutos de Domingo - que também achei excessivos -, ontem já só alinhei dez minutos.
E hoje, possívelmente ainda menos.
Abraço
LC
De mrconguito a 3 de Junho de 2008 às 23:30
Também concordo com o Marco. Acho que se está a falar demais na selecção. não convém "alimentar o monstro". um magazine depois do telejornal para os que realmente querem ver faria mais sentido do que todos aqueles directos que passaram no domingo.

Mesmo assim, tenho de admitir que a RTP tem feito um bom trabalho.
De Luís Castro a 4 de Junho de 2008 às 00:50
MrConguito,
moderar, é a palavra de ordem.
E colocar no "ar" o que for realmente de interesse para noticiar.
Tentamos todos os dias fazer melhor, mas também erramos.
Abraço
LC
De Phil a 3 de Junho de 2008 às 08:29
Mais uma vez, o meu muito e muito obrigado pela forma como os bloggers e os utilizadores em geral, têm aqui este espaço de partilha, mas também de participação activa, considerando os critérios do Luís.

Quanto ao post, a RTP foi de longe a que teve a melhor cobertura. Mais contida e mantendo a qualidade informativa. Foi exagerado? Bom, estamos a falar de um evento importante, como é o Campeonato da Europa de Futebol.

No dia de ontem, percebi que a abertura do Telejornal não foi feita com notícias da selecção, o que me parece um facto extremamente positivo. Embora goste muito de futebol, acho que não faz qualquer sentido o tempo de antena que é dado no início dos serviços noticiosos. Obviamente, se estivermos a falar da edição do Telejornal do dia 30, aí sim, espero que a abertura seja feita com futebol. Significava que tínhamos ganho a Taça e nesse caso, faria todo o sentido o destaque dado à selecção.

Quanto ao tempo dedicado...bom é uma questão editorial...são critérios muito específicos que desconheço. Mas, o tempo dedicado ontem, por exemplo, não me pareceu que fosse exagerado. Repito, a questão passa muito pela altura em que são apresentadas as reportagens, em Portugal, regra geral, começam e mal, pelo futebol, excepção para a RTP, que tem mais cuidados a esse nível.

Abraço
Phil
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:24
Obrigado, Phil.
Ontem não começámos pelo futebol, mas também, não correu bem. Tivemos um problema informático que nos fez trocar imagens gráficas. Paciência, acontece.
Sobre a selecção, ontem já demos menos tempo e tentamos colorir as reportagens, ou então serão uma seca só com treinos, não acham?
Bjs
LC
De Phil a 3 de Junho de 2008 às 17:33
Atenção, eu não digo que não possam existir reportagens "coloridas"...apenas falei dos directos...e dar-se demais a voz ao povo...nas reportagens o conteúdo pode ser seleccionado, montado, editado...no directo, isso não é possível e na maior parte das vezes sai ao lado...

Portanto, claro que há espaço para as "outras" reportagens, sobretudo nestes eventos...há sempre algo para contar...e não precisa de estar ligado ao futebol ou à selecção.

Abraço
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 19:12
Entendi, Phil.
Nos directos há sempre a necessidade de ouvir quem nos rodeia.
Por vezes sai disparate das pessoas a quem estendemos o microfone, lá isso é verdade.
Bjs
LC
De Daniel Marques a 3 de Junho de 2008 às 18:31
Dei pelo problema informático relacionado com as imagens gráficas e só te posso dizer que foi uma bela apresentação do novo grafismo. Siga em frente amigo!
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 19:21
Abraço.
LC
De Patti a 3 de Junho de 2008 às 08:39
Olá Luís,

A partida dos jogadores, a sua chegada à Suíça e a alegria daqueles imigrantes, é bonito de ver; pela reacção e emoção das pessoas, principalmente dos que moram longe. Chega a ser comovente.

O exagero está na overdose de informação sobre a marca dos boxers do Ronaldo, nos relógios que o Simão usa, no significado das tatuagens do Quaresma, no cabeleireiro do Veloso.

Os media estão a transformar os jogadores em seres de outro mundo em semi-deuses, inatingíveis pelos comuns mortais que somos nós.

É tudo uma exacerbação levada ao extremo.
O mais grave desta diarreia temporária, é que nem sequer sabemos o que se passa com outros desportos e com outras selecções. Essas sim que precisam de projecção, de incentivo e de reconhecimento.

As que não sabem o que é um patrocínio milionário e muito menos os 15 minutos de fama do Warhol.

E aí a responsabilidade maior é dos meios de comunicação.
A guerra das audiências, não deixa conhecer mais nada para além do futebol.
É no mínimo enjoativo!

Se as pessoas não ouvem falar, então é porque não existe!
A bola está do vosso lado!.

Enviei-lhe mail sobre uma dessas nossas selecções. Espero que goste e que possa utilizar.

Bjs.
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:36
patti,
recebi, li e guardei o seu mail.
Sobre os excessos, as tais banalidades sobre a vida dos jogadores, eu concordo consigo, mas as audiências do progrma da SIC, "Os incríveis" diz que nós ( eu, a Patti e quem pensa assim) somos a minoria.
Bjs
LC
De BL a 3 de Junho de 2008 às 08:53
Eu estou completamente enjoado, e não é só deste domingo. Ter de ver treinos em directo, ver autocarros e batedores na autoestrada, ver a roupa e os sapatos dos jogadores, etc., etc..

Não percebo os critérios jornalísticos que levam as televisões a desperdiçar horas e horas de emissão com 23 meninos-ricos que vão correr atrás de uma bola.
Talvez o povo procure "circo" para esquecer as tristezas do dia-a-dia.

Eu pessoalmente já deito Selecção pelos olhos, e tentarei evitar todos os "especiais" que puder.

BL
(PS: É a primeira vez que comento, mas sigo o blog desde que "nasceu". Gosto muito, o Luís escreve muito bem!
Parabéns e Obrigado)
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:39
BL,
obrigado por se ter dado a conhecer!
Confesso que me arrepiei quando vi aquela massa de portugueses emigrantes na Suiça a receber a equipa portuguesa.
Foi bonito.
Estou convencido que aqueles portugueses mereceram todos os minutos que lhes dedicámos naquele dia.
Abraço
LC
De BL a 5 de Junho de 2008 às 09:22
Infelizmente não vi os emigrantes portugueses, enjoei com todas as horas de directos e especiais que ocorreram.

A meu ver, o tempo de antena dado aos emigrantes é perfeitamente válido. Eles sentem de forma muito especial e apaixonada a Selecção Nacional, já que para eles representa verdadeiramente Portugal, o país natal, mas de onde estão ausentes.
De Luís Castro a 5 de Junho de 2008 às 15:10
BL,
e são tantas vezes esquecidos.
LC
De António Soares a 3 de Junho de 2008 às 09:42
Viva Luís,

de facto, para mim, que sou um pessoa que adora futebol e respira futebol, tenho que dizer que, este Euro está terminado e ainda nem sequer começou.

Não vejo reportagens. Não vejo especiais. Não vejo os treinos. Não vejo as inúmeras vezes que os jogadores vão ao WC.

A overdose de informação que a comunicação social generalista está a impingir aos Portugueses fazem com que o efeito seja precisamente o contrário: perda de interesse, qualidade jornalística das intervenções e directos nula ou deplorável.

Aceito que os jornais e TV's desportivos tenham uma cobertura reforçada. Aceito que a TVI, como canal que detém os direitos também o faça. Não aceito que a SIC e, principalmente a RTP entrem no mesmo caminho.

Resultado final: conseguiram reduzir o meu apetite por futebol para o estritamente necessário: o momento do jogo, no sábado, quarta e, salvo erro, no domingo.
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:47
António,
confesso que pessoalmente também só me me motiva o que acontece dentro das quatro linhas, mas há quem não pense como nós.
E como o Telejornal não é meu, e sim de todos, tenho que respeitar também a vontade dos públicos.
Agora, o segredo está em encontrar uma caminho que seja o mais próximo do serviço público, embora não haja serviço público sem público.
E mais: esta euforia exagerada não pode cobrir de espuma todo o resto da actualidade.
Julgo que estamos a conseguir.
Abraço
LC
De pedro oliveira a 3 de Junho de 2008 às 10:25
Como disse ontem sou "consumidor" da 2! Adoro futebol,mas o que é de mais é moléstia! estar não sei quantos minutos a dar em directo o avião a fazer-se à pista e a levantar voo, nem no 3º mundo. Quanto ao telejornal, deveria dar só o que é notícia e isso os Jornalistas aprendem na Universidade....

Caro Luís,
Também é coordenador do Jornal 2?
De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:48
Não, Pedro.
Sou só coordenador do Telejornal.
Ab.
LC
De JAlves a 3 de Junho de 2008 às 10:38
Na minha modesta opinião deve valorizar-se a Selecção pela importância da notícia do dia, aliás como em tudo. Penso que a RTP deve dar as "suas" notícias, não indo a reboque das outras...TV's!

De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:49
Amigo,
é isso que estamos a tentar, mas sabes - melhor até do que eu! - que quando entra a onda, é difícil parar.
Abraço
LC
De Ilda Ferreira a 3 de Junho de 2008 às 10:43
Olá Luís!
Quanto ao assunto das reportagens sobre a selecção acho que a RTP está na conta certa.
Um resumo daquilo que aconteceu no dia é mais do que suficiente, esta é a minha opinião como espectadora assídua do Telejornal.
Considero um exagero o tempo que os outros canais dedicam ao assunto.
Uma tarde inteira a dar o mesmo é quase um atentado à nossa sanidade mental. Sei que há mais opções e quem não quer ver é só carregar no botão, mas francamente... haja decoro!
Quanto ao Telejornal aproveito para mais uma vez dar os parabéns. Está realmente "atractivo" e a dar as notícias de forma correcta sem aquela procura de sensacionalismo que muitas estações, em certas alturas, acabam por cair.
Fiquei satisfeiita por ver JRS de volta. A semana passada ele teve um problema com voz (acontece a qualquer um) e fiquei com a sensação de que acabou o Telejornal com alguma dificuldade. Um abraço para ele.
Um beijinho
Ilda

De Luís Castro a 3 de Junho de 2008 às 17:51
Ilda,
o Zé está aqui ao pé de mim e já está melhor.
É uma máquina e um excelente amigo.
Bjs
LC
De Ilda Ferreira a 4 de Junho de 2008 às 11:28
Olá Luís!
Tem toda a razão ele é mesmo uma máquina. Um óptimo jornalista que mesmo do lado de lá da caixinha
consegue interagir com as pessoas. Muito expressivo até as mãos falam. Estou para ver qual é o dia que a tampa da "Mont Blanc" salta...
Também sou uma leitora dos seus livros. Um deles tem o "orelhas", que acho giríssimo, desenhado por ele numa sessão de autografos a que fui. É super
simpático, também.
A propósito quando é que vem o "Reporter de Guerra- 2"? Era engraçado que viesse aconpanhado com um DVD com as reportagens. Sei que encarece o livro mas seria muito bom revê-las.
Ontem vi, como de costume, o Telejornal mas com olhos de ver e realmente neste momento é o serviço informativo com melhor qualidade.
A rubrica 30 minutos, também foi 5 estrelas!
Estão todos de parabéns.
Penso que estão no caminho certo.
Um beijinho
Ilda
De Luís Castro a 4 de Junho de 2008 às 11:53
Ilda,
onte já só alinhei 8 minutos de selecção.
Acho que foi na justa medida.
Sobre o Repórter de Guerra parte II, talvez daqui a um ano ou dois. Quem sabe...
Agora tenho outro livro para acabar.
Bjs
LC
De Ilda Ferreira a 4 de Junho de 2008 às 12:26
Sim, sem dúvida foi a conta certa.
Quanto ao próximo livro fiquemos então à espera para posteriormente então pensar no "Repórter".
A partir de 2ªF sou eu que vou para o estaleiro (mas não foi a jogar à bola) no fim de mês cá estarei, porque não tenho "bichinho" em casa, para estas agradáveis "conversas" com todo o blogue.
Até lá.
Ilda
De Luís Castro a 4 de Junho de 2008 às 21:03
Ilda,
seja o que for, que corra tudo bem.
Bjs
LC
De Luís Castro a 4 de Junho de 2008 às 21:05
Ilda,
seja o que for, que corra tudo bem.
Se forem férias, tanto melhor.
Bjs.
LC
De Ilda Ferreira a 5 de Junho de 2008 às 09:12
Olá Luís!
Obrigada, mas férias só para o fim de Julho.
É a coluna que resolveu fazer uma birra.
Um beijinho
Ilda
De Luís Castro a 5 de Junho de 2008 às 15:09
As melhoras.
Bjs
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds