Sexta-feira, 9 de Abril de 2010

Afinal quem é o sacana?

Não foi assim que Nelson Mandela uniu brancos e pretos.

"Madiba" dizia sonhar com o dia em que todos levantar-se-iam

e compreenderiam que foram feitos para viverem como irmãos.

O sonho continua distante.

 

 

Nelson Mandela:

"Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele,
ou por sua origem, ou sua religião.
Para odiar, as pessoas precisam aprender,
e se elas aprendem a odiar, podem ser ensinadas a amar."

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 07:27
link do post | comentar
21 comentários:
De bluewater68 a 9 de Abril de 2010 às 10:02
Bom dia Luis.
Dias depois da morte do Eugene Terre’blanche, o que se passou neste pseudo-debate, demonstra que para alguns brancos, o Apartheid nunca morreu
http://www.youtube.com/watch?v=cK2vAHTmH2I
Mas, existe também esse agitador, Julius Malema, líder da Juventude do ANC, o qual, entre várias provocações, teve este discurso numa visita ao Zimbabwe
"In SA we are just starting. Here in Zimbabwe you are already very far. The land question has been addressed. We are very happy that today you can account for more than 300000 new farmers against the 4000 who used to dominate agriculture. We hear you are now going straight to the mines. That's what we are going to be doing in South Africa"
http://www.timeslive.co.za/sundaytimes/article385668.ece/Malema-lauds-Bob---says-SA-will-copy-Zims-land-seizures
O Apartheid nunca desapareceu, e agora, parece que muda apenas o sentido da cor do ódio.
Não, não foi assim que Nelson Mandela uniu brancos e pretos.
Abraço
De Luís Castro a 9 de Abril de 2010 às 14:25
Eu diria que mais do que "alguns",
para muitos (brancos e pretos),
o Apartheid nunca morreu.
LC
De maria moura a 9 de Abril de 2010 às 12:40
"Até hoje a biologia ainda só identificou uma raça: a raça humana".
bj
mmoura
De pink poison a 9 de Abril de 2010 às 12:46
A comunidade científica afirma isso e eu faço esse reparo muitas vezes quando ouço falar na raça x ou y... O problema é essa teoria ser posta em prática...
De Luís Castro a 9 de Abril de 2010 às 14:29
Visto.
LC
De Luís Castro a 9 de Abril de 2010 às 14:29
Mas o Homem identifica muitas...
Bj
LC
De elmanofilo a 9 de Abril de 2010 às 14:03
Razão absoluta. De facto o ódio e a capacidade afectiva podem ser alvo de educação. Educar é precisamente racionalizar e tornar as coisas (sejam cor da pele, credo, paixão clubística...) mais aceitáveis à luz de conceitos elevados.

Os ódios são engendrados por factores que podem ser controlados. Vemos na Palestina a educação das crianças com a pedra a servir de instrumento de permanente agressão ao «inimigo»...

É útil para todos minimizar com racionalidade e com um mínimo de civismo os efeitos dos ódios, que, apesar de tudo, poderão continuar apesar de menos agressivos...

Amor é ódio são, passe o paradoxo, «irmãos siameses»!...
De Luís Castro a 9 de Abril de 2010 às 14:34
Todos nascemos iguais, com os contadores a zero.
Depois, o meio é que nos torna diferentes.
Ab.
LC
De maria moura a 9 de Abril de 2010 às 15:50
Luis!
"Todos nascemos iguais..." e permite-me acrescentar e todos morremos, não temos vida física eterna. O racismo parece-me ser uma forma de se alimentar o 'ego' (a tal mania da superioridade, seja no que fôr, raça, país, profissão, etc) um bom exemplo é o da entrevista da jornalista negra... Atrevo-me a dizer que racismo pode ser um reflexo da 'ignorância'... Não temos que gostar de tudo, nem de todos, temos simplesmente que nos aceitar e nos respeitar... Eu não pedi para nascer branca, nem na europa, nem numa familia católica...
bj
mmoura
De PCCVG a 9 de Abril de 2010 às 19:18
Nelson Mandela é uma excepção, no que toca a figuras publicas com influência, que infelizmente quando desaparecer vai fazer muita falta, pois mais ninguem conseguira unir um povo como ele fez.
O que se vai passar na Africa do Sul quando estes senhores chegarem ao poder é provavelmente o que se passou no Zimbabwé - a expropriação das terras, que infelizmente transformou um pais com algum desenvolvimento no mais pobre de Africa.
Já andei por aqueles paises em 1994 (Moçambique, A.Sul, Zimbabwé e Zambia) e faz-me pena ver como se vai destruindo algo que demorou décadas a construir, usando a bandeira do anti-racismo e esquecendo que quando se fala em racismo, ele existe nos 2 sentidos.
De Luís Castro a 13 de Abril de 2010 às 20:56
Mandela só há um!
Depois, há é muitos bandalhos.
Sejam brancos ou pretos que deitam tudo por terra.
Ab.
LC
De Genny a 9 de Abril de 2010 às 22:56
Tens razão Luís!
Todos nascemos iguais...a sociedade é que nos transforma!
Infelizmente e em muitos casos só para o mal!
Bom fds!
Bjs
De Luís Castro a 13 de Abril de 2010 às 20:56
Bjs
LC
De Diogo Rodrigues a 10 de Abril de 2010 às 15:18
O Nelson Mandela não fez ainda nenhum comentário a estes acontecimentos que se tem passado na África do Sul, é normal?

abraço

Diogo
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 18:55
Não ouvi.
Mas tem andado bastante doente, ao que se sabe.
Ab.
LC
De PLonga a 10 de Abril de 2010 às 18:26
Infelizmente parece-me uma coisa normal, e para piorar vem em má altura, vamos ver como se vai reflectir isto no Mundial de Futebol...

Abraço Luís.
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 18:59
É preocupante.
Ab.
LC
De Virgínia a 12 de Abril de 2010 às 09:44
Bom dia Luís
No tempo em que existia o appartheid na África do Sul, fui tirar um curso em Johannesburg.
Foi muito estranho ter ido ao Consulado da África do Sul, em Lourenço Marques, para verificarem que era branca para poder entrar na escola e no local de alojamento.
Lá verificaram que tinha cabelos loiros longos e lisos, a base das unhas (tive de tirar o verniz) pois podia ser "cabrita".
Sabe que nessa altura os brancos e os japoneses eram "brancos"?
E os negros, chineses, indianos e paquistaneses eram "pretos"?
Nessa altura, fiquei chocada.
Com o passar dos anos verifico que o racismo nunca acaba, ele até existe entre povos da mesma raça, da mesma cor e credo, nos nossos vizinhos e até entre irmãos.
Toda a violência é uma forma de racismo.
Nelson Mandela foi e é um Homem lúcido; no dia em que ele morrer os ódios vão reacender-se e vai aparecer um "Mugabe" para destruir todo o País.
Deus os ajude.
Beijo
De Luís Castro a 14 de Abril de 2010 às 20:44
Concordo em absoluto.
Bjs
LC
De Anónimo a 15 de Abril de 2010 às 10:36
E qual foi a pergunta do jornalista? Isso é que era interesante ouvir...
De Luís Castro a 18 de Abril de 2010 às 16:49
Mais ou menos isto:
Porque estava acusar os brancos de viverem bairros ricos quando ele também vivia?
Ele vive no mesmo bairro a que se referia estarem os brancos ricos a viver.
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds