Domingo, 16 de Maio de 2010

Imagem de Bento XVI mudou ?

 

Fui Seminarista e estudei a fundo.

Tornei-me frontalmente contra a Teologia reinante no Vaticano.

 

Já aqui manifestei o meu distanciamento da religião na qual fui educado.

Tornei-me agnóstico – não confundir com ateu.

 

Esta semana fiquei curioso com algumas expressões e atitudes do Papa.

A Comunicação Social passou a ideia de que a viagem a Portugal

mudou a imagem de Bento XVI.

É verdade que mostrou simpatia, abertura e responsabilidade,

mas não chegou para me fazer mudar de opinião.

Não passa de palavras.

 

E a vocês?

 

Luís Castro

 

Não respondi aos vossos últimos comentários por manifesta falta de tempo.

Mas li com toda a atenção o que aqui escreveram durante estes dias.

Voltarei - como sempre fiz - a responder a todos os vossos comentários

publicado por Luís Castro às 19:03
link do post | comentar
16 comentários:
De patti a 16 de Maio de 2010 às 21:09
Eu já fui católica, apostólica e romana.

Hoje sou agnóstica deísta. Mas fico sempre (e fiquei nesta visita) muito comovida com a fé das pessoas.

Às vezes ainda gostava de a ter ...
De António Mateus a 17 de Maio de 2010 às 12:00
Fiz mais ou menos o mesmo percurso que o teu Luis.
Estudei numa escola franciscana e abri os olhos para o profundo divórcio entre o mundo real e o regulado pelo Vaticano, entre a Igreja feita pelos homens e a luz de Deus que guardo dentro de mim.
Se Deus-Jeus fosse a postura diária dos que acreditam ser crentes, peroraram horas a fio nas televisões durante a visita d Papa (desde jornalistas a padres) certamente que eu seria ateu.
Mas Deus não é a intolerância e a hipocrisia, não é o umbiguismo nem o virar da cara à dor dos outros. Não é o esmagar do pensamento diferente nem o virar da cara à dor alheia.
Durante a visita do Papa, a certa altura um colega "superior", olhou-me com desprezo ao escutar um comentário meu à ditadura que é impor a retirada dos carros de todas as vias onde passou o Papa numa cidade onde é um pesadelo estacionar.
O que é fantástico é que estas pessoas, acreditam mesmo que vivem na luz de Deus....

De pink poison a 16 de Maio de 2010 às 22:18
Sou agnóstica.
Não precisamos de gastar mais de 75 milhões de euros para ver o papa... A fé está dentro dás pessoas... Distribuir o dinheiro por quem precisa, era muito mais sensato...
Não quero saber se o homem é simpático ou não. Isso não muda em nada, NA MINHA OPINIÃO
De Elsa a 16 de Maio de 2010 às 22:28
Olá Luís!

Espero que tenha descansado o suficiente para iniciar uma nova semana de trabalho.
Acompanhei a visita de Bento XVI pela RTP1 e, pelo que vi dos três dias, o balanço é muito positivo. No entanto, o dia que mais gostei foi sem dúvida o último, no Porto. Os jornalistas estavam melhor preparados, com perguntas mais assertivas e com mais pedagogia para as crianças porque quando se faz uma pergunta a uma criança é necessário “descer” à idade deles, caso contrário a resposta pode ser um autêntico desastre.
Outra boa opção da RTP foi convidar um professor da UCP para contextualizar factos, datas e informar correctamente o telespectador.
Gostei muito da atitude de Rui Rio.
Por fim, acho que o mundo ficou com uma imagem diferente de Bento XVI. Pelo noticiado hoje na RTP a praça de São Pedro teve mais fiéis.

Bjs.
De clmimi a 17 de Maio de 2010 às 01:29
Olá...
Um pouco ausente daqui (a saúde não ajuda)...
Sobre este tema, vou ser directa:
-O Papa e os seus seguidores, nunca me disseram grande coisa.
E neste momento, por razões que todos conhecemos (intoleráveis e terríveis), a minha posição/ opinião...piorou bastante.
O Papa surpreendeu, pelas palavras / retórica?
Não...
Apenas tinha que falar o que era mais conveniente para (tentar) "esconder, esbater, dourar" ou fazer esquecer a "nódoa" que está a enegrecer a Igreja.
E o que se sabe, é apenas um grão de toda a areia do deserto.
Um abraço.
Maria
De Virgínia a 17 de Maio de 2010 às 08:21
Bom dia Luis
Fui educada na religião Católica, segui todos os passos dentro da religião, fui catequista, pertenci à JEC, estudei a Bíblia, ia à missa todos os Domingos e nas férias da escola/liceu ia à missa todos os dias.
Não era uma "rata de sacristia", ia porque me sentia bem.
Desde há muitos que vou à missa em raras ocasiões; zanguei-me um bocado com Deus.
Neste momento, a minha religião está mais virada para a ajuda ao próximo, quer por actos quer por palavras que, para mim, valem mais que muitas missas.
Quanto à pergunta sobre o Papa e esquecendo toda a polémica envolvente; o Papa surpreendeu-me pela positiva, achava-o antipático e distante lá no seu poleiro, mas o que me foi dado a ver foi uma Pessoa simpática, um velho homem com muita energia, graça, e que, como qualquer ser vivo, também precisa de dormir. Bem sei que o que ele lê é escrito por alguém que sabe alcançar o coração das pessoas.
Beijo
De Rita a 17 de Maio de 2010 às 12:05
Eu sou católica, mas estou a marimbar-me para o Papa. Para mim é uma pessoa como qualquer outra que mais não faz do que ir à janela do Vaticano pedir paz no Mundo, e para nos beijarmos e abraçar-nos, mas claro que só entre mulheres e homens. Esta é outra...não acredito de todo, que Jesus não aceite o casamento gay. Sou católica, mas há tanta coisa com a qual não concordo na igreja, assim como todo o luxo a que o Papa tem direito. A igreja não precisa disso, o homem vive no meio de dinheiro, até um WC de ouro deve ter e posso estar a ser injusta, mas não me parece que faça alguma coisa pela humanidade.

Há realmente muitas pessoas que passaram a achá-lo mais simpático, mas eu nem isso, o quê que ele fez de diferente que já não estejamos habituados a vê-lo fazer? Ter dito que foi muito bem recebido e que conta cá voltar? Pois pois, todos dizem isso, afinal faz parte do protocolo ou não?

Até a procissão das velas que para mim é sempre um momento lindissimo , não passou a ter maior importância nem maior grau de sentimentalismo só porque o Papa lá estava.

E quanto à fé que alguns dizem que o Papa reforça...discordo completamente, a fé só depende de cada um, nunca de terceiros.

Concluindo, para mim a visita do Papa só serviu para gastar mais uns milhares, quando a igreja não precisa disso!
De Ilda a 17 de Maio de 2010 às 13:56
Olá Luís, boa tarde!
Sou católica, apostólica, romana no entanto só vou à missa quando sinto vontade de o fazer. Vou isso sim, muitas vezes, à igreja quando ela está vazia. Só eu e Deus não preciso de padres para estar e falar com Ele.
Estou inteiramente de acordo consigo sobre o Papa. Mudou ligeiramente a minha opinião que era bastante negativa. Pareceu-me um pouco menos introvertido e reservado, com mais noção do que se passa à sua volta, por vezes tenha a sensação que ele está alheado de muitas coisas que se passam neste Mundo mas não arrasta multidões!!! Houve muitas pessoas a acompanhar a visita, as missas e tudo mais, mas se as paróquias, colégios e outras instituições não tivessem feito uma mobilização tão de grande de jovens (e não só) penso que não estaria lá um terço das pessoas. Posso estar errada, mas não sei...
Já agora aproveito para lhe dar os parabéns pela excelente cobertura que a RTP fez. Não pude ver tudo, como é lógico, mas do que vi agradou-me imenso.
Até amanhã e um beijinho.
Ilda
De maria moura a 17 de Maio de 2010 às 15:40
A postura dos Papas é estratégica. Eles por conveniência têm que ser intocáveis, não falam directamente, nem os que lhes estão próximos (grande equipa, li um artigo interessante, algures) lhe chegam quando querem e como querem. Apetece-me dizer que o Vaticano me faz lembrar uma máfia organizada, mas não, não posso pôr as coisas nestes termos de comparação. Não que não seja possivel (basta-nos um só ex de crimes sustentados e ocultados). Para mim é indiferente a simpatida do Papa, incomoda-me serem tão idosos. Não é pela idade fisica que se é mais evoluido espiritualmente. Segundo consta, quando encarnamos a nossa alma já viveu várias encarnações. Cada um de nós tem uma idade diferente de alma... e o Papa não é excepção. Gostava de ser viva e vêr o Vaticano desmoronar-se e dar lugar a uma verdadeira ajuda humanitária mundial.
bj
mmoura
De Helder Pereira a 17 de Maio de 2010 às 16:24
Olá Luis. Só te queria pedir que visses o email que te enviei sobre um encontro de eléctricos.

Agradecia uma resposta tua.

Obrigado.
De Ana Mendes a 17 de Maio de 2010 às 17:47
Na verdade, eu não tinha uma imagem muito positiva do papa Bento XVI. No entanto, e apesar de não ter mudado completamente, confesso que me surpreendeu pela positiva.
Vi uma pessoa mais comunicativa, a falar para os jovens e preocupado com assuntos importantes para a sociedade.
Achei, ainda, importante o facto de Bento XVI ter comentado os "escândalos" que abalem a Igreja e ter assumido, posteriormente, que existem "ervas daninhas" dentro da Igreja.
Parabéns pelo trabalho desenvolvido na cobertura da visita do papa a Portugal.

Beijinho, Ana

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds