Terça-feira, 14 de Setembro de 2010

"Antes pelo contrário"

Artigo do Daniel Oliveira, no "Expresso".

 

«Silvio Berlusconi explicou a quem o queria ouvir os segredos da sua popularidade entre as mulheres. Entre gracejos sobre o seu desempenho sexual e a sua fortuna, deixou claro que não era gay. Disse outras coisas, mas foi por isto que a comunicação social portuguesa puxou. A França está agitada por causa de uma biografia de Carla Bruni, a primeira dama sensação da Europa. Diz que ela é fria e pouco interessada pelas suas obras de caridade.

(…)

Bem vistas as coisas, o Mundo não mudou assim tanto.

(…)

O que mudou é a absoluta irrelevância da política. Poucos querem saber o que pensam e andam a fazer estes dois líderes, por sinal os mais perigosos da Europa, no seu desbragado populismo. A maioria dos cidadãos abomina a política e os políticos mas entusiasma-se com os seus segredos de alcova e os seus pecados privados. Vibra ou indigna-se com a sua boçalidade ou as suas hipócritas encenações.

Mesmo a popularidade de Obama, que varreu o Mundo há dois anos, deveu-se mais à sua simpatia e oratória, à sua raça e à sua juventude, do que ao corte político e ideológico que, apesar de tudo, a sua eleição significaria.

(…)

O espectáculo da futilidade. A comunicação social, que deveria ser o palco do confronto político, transformou-se no palco da banalidade.

Berlusconi vive disto. Não é só um excelente actor. Realiza e distribui, através de um quase monopólio dos canais de televisão, o filme em que ele é sempre personagem principal. Sem o mesmo poder, Sarkozy também se move bem no "showbiz" da política pimba. E, enquanto os cidadãos se distraem com as suas vidas, os seus escândalos, os seus divórcios, os seus casamentos, eles expulsam imigrantes, perseguem minorias e alimentam o ambiente de intolerância que a crise económica propicia.

(…)

 Julgávamos que com uma comunicação social livre teríamos os cidadãos mais informados e conscientes que a história da democracia alguma vez conhecera. Pode alguém confirmar esta ingénua esperança? A verdade é que milhões de cidadãos com um telecomando na mão não fazem uma democracia. Fazem uma mediocracia. Não é a mesma coisa. Arrisco-me a dizer que são coisas opostas. »

 

 

publicado por Luís Castro às 17:01
link do post | comentar
8 comentários:
De J R a 14 de Setembro de 2010 às 22:32
Boa noite Luís
Depois das férias a reentré anda á volta de futilidades porque os meios de comunicação social precisam dos leitores /espectadores/ouvintes como tal têm de "vender"as noticias que interessam ás audiências.Na origem da mediocridade está uma sociedade cada vez mais sem sentido critico sem opinião sem vontade na mudança que não afronta os políticos que nos desgovernam para não perder umas migalhas que vão caindo da mesa do poder.Os partidos da oposição também não estão interessados em ser poder em tempos de crise por razões óbvias.Resumindo vivemos num marasmo os bobos fazem a festa o povo bate palmas gosta do espectáculo e não exige mais como tal em última análise o povo é o responsável por este circo.

Abraço
JR
De Luís Castro a 15 de Setembro de 2010 às 20:08
Mais espetáculo e menos notícias!
É isso que nos mostram as audiências, infelizmente.
Ab
De Virgínia a 15 de Setembro de 2010 às 08:22
Bom dia Luís
Estas verdades do Daniel Oliveira são o espelho fiel da nossa sociedade.
Já Salazar dizia: "Não se acabe com o futebol, as festas e romarias; enquanto o povo anda entretido não pensa na guerra, na fome e na carestia da vida".
Mudam-se os tempos mas as mentalidades continuam iguais.
Um beijo
De Luís Castro a 15 de Setembro de 2010 às 20:08
E nós, jornalistas, somos dos mais culpados!!!
Bj
De Kok a 16 de Setembro de 2010 às 00:54
A mediocridade é assim uma espécie de erva daninha que se vai instalando sorrateiramente e quando finalmente damos por ela já é maior do que a seara.
Já não tenho a certeza se começa ou se acaba nos políticos.
O que se vê é que atinge cada vez mais tudo e todos.
Quem quer vender jornais e revistas, ter boas audiências na Tv e Rádio, relata o insólito e a desgraça que é o mais fácil de consumir.
E quem consome isso não quer saber de outras notícias que não essas.
É a tal "pescadinha de cauda nos lábios".
Certamente e felizmente que ainda há quem se distingue por entre a multidão.
1 Abraço.
De Luís Castro a 16 de Setembro de 2010 às 19:37
O problema é que as audiências ditam as escolhas.
Por cá, tentamos resistir.
De Maria Araújo a 20 de Setembro de 2010 às 21:58
A sociedade só mudou na aparência.
Continua-se a comprar o que é banal e fútil, o que dá mais nas vistas.
Pena que estas sejam transmitidas aos mais jovens.
Há-de, ou antes, as mentalidades têm de mudar, pouco a pouco, em cada dia que passa.

Bj

De Luís Castro a 21 de Setembro de 2010 às 21:02
O problema é que não tem mudado.
Bem pelo contrário!
bjs

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds