Sexta-feira, 11 de Março de 2011

A RTP nunca pára!

A entrevista ao Correio da Manhã

 

“A RTP é um porta-aviões enorme que nunca pára”

A segurar o ‘barco’ desde a saída de José A. Carvalho, o editor executivo de Informação já recusou vários convites da concorrência, um deles de Nuno Santos, o seu novo director

 

O que vai mudar com a saída de José Alberto Carvalho?

Esperemos que não mude muita coisa. A RTP é um porta-aviões enorme, que está em andamento, que nunca parou e nunca parará. Obviamente que todos ficamos mais pobres quando vemos pessoas como o Zé Alberto e a Judite de Sousa partirem. Mas este porta-aviões não pode parar.

 

O que disse ao José Alberto Carvalho quando me despediu dele?

Vou fazer-te a vida negra! Sou muito amigo do Zé Alberto, já nos conhecemos há mais de 20 anos. Começámos juntos na Rádio Nova, no Porto. Entretanto ele foi para a SIC e eu continuei na RTP. Ele não nos abandonou, continua aqui connosco e deixou aqui mais amigos do que julga. Contudo, não é por sermos amigos que lhe vamos facilitar a vida. Desejo-lhe toda a felicidade e toda a sorte.

 

O que acha da escolha de Nuno Santos para director de informação?

Acho que ele percebe mais de programação do que de informação. Mas temos um bom relacionamento e cá estaremos para o ajudar.

 

Como está o ambiente na redacção?

As pessoas estão tranquilas. Não vejo motivos para apreensão, muito pelo contrário. Estou nesta casa há 20 anos e já vi chegar e parti muita gente.

 

Mas mantém-se fiel à RTP...

Recusei dois convites da TVI, um da SIC Notícias (o Nuno Santos abordou-me), ser chefe de gabinete de um ministro e um grande salário no estrangeiro. E porquê? Porque tenho um amor enorme a esta casa. Tudo o que sou devo-o à RTP e é aqui que me sinto bem. Se há coisa que eu não perdoo é ingratidão. 

 

Já agora que convite foi esse no estrangeiro?

Convidaram-me para negociar café no Zaire, em 1998. Na altura pagavam-me 15 mil euros por mês. Mas não aceitei. Gosto muito do que faço e faço o que gosto.

 

É repórter de guerra, mas agora tem estado mais fechado na redacção.

Gosto é de andar no terreno, em cenários de guerra. Agora vejo a guerra na régie, pois se não fosse estas mudanças na RTP eu estaria na Líbia. Foi uma das decisões mais difíceis da minha vida nos últimos anos.

 

Trocar a guerra na Líbia pela guerra na RTP?

Emocionalmente queria estar lá, mas ao mesmo tempo sabia que deveria estar aqui, neste período sensível para a estação. Contra tudo o que me impulsionava decidi ficar.

 

Chegou a ser convidado para director de informação?

Não. O meu nome vem à baila pela terceira vez. Já é quase um hábito.

 

A nomeação de um director-geral seria uma boa opção?

Julgo que sim. Esta casa precisa de um rosto. Precisamos de aproximar rádio e televisão, informação e produção. Temos de aproveitar as sinergias e todas as valências que temos.

 

Fica preocupado quando se fala em privatizar a RTP?

É uma decisão política. Nunca me preocupei muito com isso. A minha preocupação e por todos os dias esta máquina a andar, desde o ‘Telejornal’ ao ‘Hoje’. Desenganem-se os que julgam que a RTP tem o fim. Poderá, um dia, ter outro destino. Mas um fim, como serviço público, nunca. Temos de ter uma grande responsabilidade pois os dinheiros são públicos e a nossa tarefa é pública. Somos uma marca de confiança e estamos aqui para lutar até à última gota para defender aquilo que nos move: colocar no ar um produto cada vez melhor. Tudo o resto é política. Não nos diz respeito. Não tenho nada essa visão fatalista. Sou muito optimista e vivo cada dia como se fosse o último.

 

Quando é que regressa à guerra?

Já fiz 21 cenários de guerra. A minha vida tem sido essa. Isso mudou-me muito como homem. Tornou-me numa pessoa muito prática e pragmática e relativo muito as coisas. Daí o facto de isto não me incomodar muito. Problemas? Problemas é ter um bebé a morrer-me nos braços e eu não poder fazer nada. Problemas é embarcar num avião rumo a um cenário de guerra sem saber se vou voltar e voltar a ver a minha mulher e os meus filhos. E quando volto, volto diferente. Estou-me nas tintas se tenho um telemóvel de última geração ou se me ultrapassam pela esquerda. O meu ranking de prioridades inverteu-se radicalmente. Só não há solução para a morte. Havia uma amiga minha que quando passava por mim dizia: estás a precisar de um bafo de pólvora. Já a Margarida Rebelo Pinto escreveu, num artigo, que eu precisava de ir à guerra à procura da minha paz. É um pouco isso que acontece.

 

E é disso que precisa neste momento?

Já me sinto um pouco irrequieto. Preciso de ir aos locais, tocar cheirar, para relatar. Criei um blogue chamado ‘Cheiro a Pólvora’ exactamente para explicar isso. É preciso ir onde se mata e onde se morrer para se compreender a essência do conflito.

 

Nunca lhe perguntam porque o faz?

Muitas vezes. Porque sou casado e tenho dois filhos. Mas a guerra não só me deu uma dimensão humana muito grande como também, e acima de tudo, me dá a possibilidade a estar onde se faz história, de poder testemunhar esses momentos e de poder relatá-los. Isso é a grande essência, não só do jornalismo mas das reportagens de guerra. Não há dinheiro que pague isso. Aliás, não dá dinheiro, nem fama nem glória. Quem me conhece sabe que sou uma pessoa muito discreta.

 

É fácil conciliar o trabalho de repórter com o de editor executivo?

Sinto-me numa encruzilhada. Será que me devo afastar daquilo que gosto de fazer – as reportagens de guerra – para me embrenhar mais na estrutura da direcção de informação, entendendo que esta é uma evolução natural na minha carreira profissional? Cada vez menos consigo ter um pé para cada lado. Não sei onde isso me vai levar.

 

Muitas vezes as imagens de guerra e de fome são banalizadas nos noticiários, remetidas para o final do alinhamento...

A proximidade é muito importante. É normal que estejamos mais sensíveis ao que acontece na Líbia, onde há portugueses, do que no Sudão, onde não há portugueses. Mas concordo que os noticiários dão pouco espaço ao que passa para lá do nosso burgo. Isto também pode ser um pouco a imagem do País. Por vezes o destaque que se dá ao que se passa no mundo quase se limita aos fait divers. De uma forma genérica, os espaços informativos têm cada vez mais histórias e cada vez menos notícias. Sou mais adepto do ‘hardnews’ e acho que os públicos só têms a lucrar com isso. É esse o nosso papel como serviço público.

 

Qual foi o seu primeiro conflito?

Zaire em 1998. Fui preso duas vezes, não foi bonito. Também fui preso na Guiné e interrogado com uma arma apontada à cabeça. A última vez que fui preso foi no Iraque, pelas tropas norte-americanas. Estive três dias desaparecido. Também não foi agradável. No final pediram-me desculpas mas ficaram com todo o material e com o jipe. Mas como sou muito teimoso, quando me libertaram voltei a entrar no Iraque, aluguei tudo novamente à revelia dos norte-americanos. Essa foi a grande experiência no Iraque: conhecer a guerra do lado do povo do exército mais fraco. E se entrei no Iraque com uma visão, sai de lá a pensar completamente o contrário. O que me tinham vendido não era a realidade. Viver com aquela gente, comer com eles, dormir com eles, sentir o perigo de aparecer um avião e sermos bombardeados, leva-nos a compreender as coisas de outra forma, pois entramos na nossa necessidade de sobrevivência. É o que aquelas pessoas fazem: sobreviver. E quando nos dizem que o que elas precisam é de liberdade e democracia estão redondamento enganados. O que aquele povo precisa é de segurança. Só depois podemos pensar em liberdade e democracia.

 

Recorde alguns dos episódios mais marcantes vividos nos cenários de guerra?

O primeiro que mais me chocou foi ver alguém a ser apredejado até à morte, em Kinshasa, 1998. O segundo foi terem trazido um prisioneiro até mim para filmar o momento em que lhe iam cortar a cabeça com uma catana. Acabei por trocar a sua vida por cigarros. Estava na guerra de Angola e era o único branco no meio de cinco mil homens. Troxeram-me aquele prisioneiro para o interrogar e filmar a sua morte. Nesse momento colocou-se uma dúvida terrível na minha cabeça: o que é que eu faço? Filmo e tenho uma grande imagem, capaz de dar a volta ao mundo e tornar-se famoso ou interfiro na acção e tento salvá-lo? É uma fracção de segundos em que imperam os nossos valores enquanto pessoa.

 

E decidiu intervir?

Sim, porque também senti que podia evitar a morte daquele homem. Já em Kinshasa, por exemplo, se inteferisse acabaria por ser morto também. Num outro momento, em Bagdad, convidaram-me para filmar um grupo da Al-Qaeda a preparar e armadilhar um carro para um atentado e o próprio atentado. Se na situação de Angola sei que agi bem, nesta ainda tenho as minhas dúvidas. Recusei e a revista ‘Time’ fez a reportagem. Seja como for, fiquei com a consciência tranquila e isso para mim é o mais importante.

 

Mas uma das regras do jornalismo é, precisamente, não intervir...

Não cumpro essa regra. Não sou adepto do jornalismo a preto e branco. Não temos de esconder as emoções, mas também não devemos explorá-las. O consenso é a melhor regra para tudo. Ninguém nos prepara para estes momentos, nem a universidade nem o nosso dia a dia. De qualquer forma, quando chegamos ao momento temos de tomar uma decisão. E essa decisão é tomada de acordo com os nossos valores.

 

Como é que a sua família reage quando parte para um local em guerra?

O meu filho tem 15 anos e ficou em pânico quando pensou que eu ia para a Líbia. Houve uma altura em que não tinham consciência, pois eram muito pequenos, mas agora já têm noção do risco e do perigo. Mas tenho a sorte de ter uma mulher que compreende e que me dá todo o suporte de estabilidade familiar. Sem ela nunca conseguiria fazer isto.

 

E como é o regresso a casa, ao trabalho, a outra realidade?

Volto uma pessoa diferente. Sinto necessidade de me isolar. Em Portugal não há uma sensibilização para o stress a que os jornalistas são submetidos neste tipo de cenários. Por isso arranjei os meus próprios mecanismos. Vou para a aldeia dos meus pais, Cabeceiras de Basto, ouvir os passarinhos, dar uns mergulhos no rio, passear no monte durante uma semana ou dez dias, para me devolver à sanidade mental. E depois de me reposicionar volto ao meu dia a dia.

 

Quando escreveu o livro ‘Repórter de Guerra’ teve de reviver todas essas memórias?

A minha mulher dizia-me que eu andava muito inconstante, muito irritadiço, pois estava a desenterrar todo essas memórias. Mas eu sinto-me uma pessoa muito bem resolvida e arrumada interiormente e isso ajuda muito a ser uma pessoa tranquila.

 

Ainda acredita que as suas reportagens podem mudar o mundo?

Vivi uma experiência muito interessante. O embaixador angolano em Israel disse-me que foram as minhas reportagens que impediram que Angola enviasse soldados para Bissau quando rebentou a guerra na Guiné, pois deram uma perspectiva real do que estava a acontecer. Senti claramente que tinha interferido, involuntariamente. Aliás, julgo que essa é a missão de um jornalista. Estamos sempre a influenciar alguém. Informar cria sempre consequências.

 

Numa guerra é difícil agradar a ambas as partes...

Geralmente o jornalista é o alvo a abater. É o incómodo, que geralmente transmite aquilo que alguém não quer. No Iraque, estive três dias no deserto, a minha família julgava que estava morto, fui espancado, humilhado e outras coisas que vou levar para a cova. Não passei o que passaram os prisioneiros de Abu Ghraib, mas bebi do cálice. Eles perceberam que eu estava a informar sem filtro. Qualquer imagem podia ser perigosa para os Estados Unidos, como mostrar uma criança vítima de um bombardeamento descontrolado. Por isso, há sempre alguém que beneficia com o que o jornalista divulga, mas também há sempre outra parte que não.

 

Alguma vez pensou que ia morrer?

Já. E é assim que vou começar o meu próximo livro. Uma criança soldado, que não tinha mais de 12 anos, um miúdo a tentar ser homem, de kalashnikov na mão, em Kinshasa, 1999, consegue isolar-me do grupo e percebi claramente que me ia matar. Fecho os olhos. Oiço um tiro, sinto-me vivo, oiço um segundo, abro os olhos. Era o Carlos Pinota (repórter de imagem)que começou a distribuir tabaco e criou uma enorme confusão. Eles começaram a lutar entre eles e nós conseguimos fugir. O Pinota salvou-me a vida sem saber o que estava a fazer. E, sim, é como se costuma dizer que a vida passa à frente dos nossos olhos. A única coisa que pensei foi: acerta-me no meio dos olhos para não sentir.

 

Como lida com a morte?

Ver alguém morrer não me choca, banalizei esse sentimento, mas em contrapartida apurei outros. Sou incapaz de não reagir ao sofrimento de uma criança, por exemplo. Por isso fundei uma Organização Não Governamental, a ‘Missão Infinito’, através da qual faço algumas iniciativas de intervenção social. É que há uma coisa que me incomoda muito: nós somos jornalistas e relatamos diariamente os males da sociedade, os problemas do meio onde nos inserimos. Mas depois acabamos o nosso trabalho e desligamos. Afinal qual é o nosso papel? Acho que também temos o dever de intervir socialmente, cada um à sua maneira. Não devemos ser meros informadores. Devemos ser mais interventivos, não esquecendo, obviamente, os parâmetros da nossa profissão.

 

Fale da ‘Missão Infinita’?

Existe há três anos e estamos a tentar criar um calendário de actgividades. Queria voltar a esse papel de intervenção social se possível ainda este ano, com algumas iniciativas na área da saúde.

 

Em Portugal ou no estrangeiro?

Acho que não nos devemos esquecer que existem dificuldades em Portugal. A tendência é sempre para ajudar os pretinhos. Existem urgências e necessidades muito urgentes em Portugal.

 

Foi condecorado pelo Estado Maior do Exército...

Um momento muito importante na minha vida. É o reconhecimento pelo trabalho que fazemos e todos gostamos de ser reconhecidos. Andamos neste mundo à procura de três coisas: sobreviver, sermos reconhecidos e sermos felizes. Eu já consegui essas três coisas.

 

PERFIL

Luís Castro nasceu em Matosinhos há 44 anos. Trabalhou oito anos em rádio, até entrar para a RTP. Foi editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto, coordenador do ‘Bom-dia Portugal’ e do ‘Telejornal’. Actualmente é editor executivo de Informação. Já esteve em 21 conflitos internacionais, memórias que retrata no livro ‘Repórter de Guerra’. Há três anos criou a organização não governamental Missão Infinito. Em 2010 foi condecorado pelo Estado-Maior do Exército com a medalha de D. Afonso Henriques

 

Categorias:
publicado por Luís Castro às 18:31
link do post | comentar
19 comentários:
De Joana Isabel Santos a 11 de Março de 2011 às 18:45
Estou a adorar ler a entrevista...relembra-me a entrevista que lhe fiz quando fez o lançamento do "Repórter de Guerra" ;)

Inicialmente formatei o texto em forma de entrevista mas acabei por ter de "resumir" e fazer em forma de notícia!

Adorei conhecê-lo e as histórias que contou! Adorei ler os seus livros..como também adorei esta entrevista!!
De Diogo Rodrigues a 11 de Março de 2011 às 19:51
Excelente entrevista Luís. Ultimamente quando tenho visto reportagens sobre a Líbia tinha-me perguntado porque não estavas lá.. já percebi porque não foste
De facto este blogue tem uma história riquíssima, lembro-me perfeitamente de quando na guerra no Iraque contavas os episódios porque passavas e eram histórias fascinantes e que davam sempre vontade de ler e ler mais. Era seguramente o cheiro a pólvora o primeiro site que abria mal ligava o pc.
Tenho alguma pena que o blogue já não esteja como dantes, mais activo e com mais posts, mas compreendo que nem sempre é possível.

Um abraço

Diogo Rodrigues
De Rui Germano a 12 de Março de 2011 às 00:15

Parabéns Luís...
Só ainda não percebo como é que no dia de Portugal vejo pessoas que não fizeram nada por Portugal a receberem uma medalha...

Pergunto, será que depois de correres meio mundo a informar no meio de conflitos... de teres salvo uma vida no IC2 no inicio de uma tarde... será que ninguém te convida para receberes a Cruz mais importante deste País?

Um abraço, Amigo...
... apesar de não estar a escrever aqui com frequência, não quer dizer que não esteja a acompanhar o teu blog...

Mais uma vez Parabéns.
De PCCVG a 12 de Março de 2011 às 18:39
Gostei da entrevista!
Agora percebo porque é que andas desaparecido dos telejornais; ainda pensei que andasses por mais alguma guerra a preparar a próxima reportagem, mas afinal é trabalho de secretária!!
Muito mais chato, bastante mais seguro, mas não menos importante.
É engraçado que só agora me apercebi que somos conterraneos e da mesma idade - eu nasci na Senhora da Hora em 1966 e estudei no antigo liceu nacional do 7º ao 12º.

Abraço

Mama Sumae
De Paulo Morgado a 13 de Março de 2011 às 14:44
Parabéns Luís pela entrevista e pelo seu interessante conteudo. Nesta altura conturbada pela Geração Rasca (ou á Rasca...) é bom saber que ainda existem exemplos onde os principios prevalecem aos ganhos económicos do curto prazo. Continua assim.
Paulo Morgado
De Kok a 13 de Março de 2011 às 16:32
O tempo que passamos neste planeta é tão curto e ao mesmo tempo andamos tão absortos nas nossas lutas diárias que poucas vezes temos possibilidades de encontrar (e ver) alguém com quem, verdadeiramente, nos sentimos ligados.
Esta sua entrevista confirma a sua elevada e conscienciosa postura neste mundo!
A integridade não ganha salários; ou se é, ou não...

Não por ser quem é mas por ser como é deixo-lhe um enorme abraço agradecido!
E um sorriso...
De Daniela Polónia a 15 de Março de 2011 às 17:50
Grande, grande entrevista : )

É muito bom ter alguém que já é jornalista e que nos inspira desta maneira.

O Luís tem, e passo a expressão, 'amor à camisola'.







Estou a tentar contactá-lo mas o e-mail é devolvido. Já não usa o cheiroapolvora@sapo.pt ?




Cumprimentos,
Daniela Polónia
Escola Superior de Comunicação Social
De Sónia Pessoa a 18 de Março de 2011 às 23:58
Muito bom... como sempre. Sei que ando desaparecida e devo parecer imensamente ingrata, mas (maus) motivos muito fortes me levam a isso. Motivos que têm muito a ver com a tua frase: "sobreviver, sermos reconhecidos e sermos felizes". Prometo que vou tentar reunir forças para um dia destes te mandar um amil a explicar tudo. Apesar da ausência, não te esqueço nunca, nem o que um dia fizeste por mim. Beijo grande, Sónia
De Sónia Pessoa a 18 de Março de 2011 às 23:59
em "amil", ler mail.
De mariali a 21 de Março de 2011 às 22:45
Parabéns pela força e vontade de ser alguém que age como humano, que é essa a nossa verdadeira missão, mas que nós, tantas vezes, esquecemos ou fazemos de conta...
Quando precisar de um lugar bem recatado, com montanha e rio eu sei onde fica... :)
Saúde e felicidades!
De Miguel Venâncio a 22 de Março de 2011 às 22:14
Luís,

Gostei da tua entrevista.

Grande abraço.

Miguel Venâncio.

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds