Sexta-feira, 20 de Junho de 2008

De volta ao nosso mundo

Repórter da CBS critica cobertura jornalística da guerra no Iraque

Fonte: Público

 

A correspondente da CBS Lara Logan, uma repórter de 36 anos de idade que trabalha em cenários de guerra há sete anos, afirmou em directo no programa «Daily Show» que se tivesse de ver as notícias sobre o Iraque que são publicadas nos Estados Unidos «daria um tiro na cabeça». As reportagens de Lara Logan chegaram a motivar a censura pública de George W. Bush e do seu vice-presidente, Dick Cheney, mas também lhe valeram um Emmy no ano passado.

 

http://www.publico.clix.pt/videos/?v=20080620162148&z=1

 

publicado por Luís Castro às 22:40
link do post | comentar
19 comentários:
De Aleph a 21 de Junho de 2008 às 01:10
http://josemariamartins.blogspot.com/2008/06/psp-no-controlada-democraticamente-o.html
De Luís Castro a 21 de Junho de 2008 às 18:27
Visto.
LC
De ricardo nunes a 21 de Junho de 2008 às 04:49
boas,

felizmente que ainda existem profissionais assim, mas infelizmente são muitooooo poucos, especialmente nos EUA, e quando existem geralmente são mandados calar, ou nem seuer emos conhecimento deles porque simplesmente não têm "tribuna" para nos mostrar o que realmente se passa por esse mundo fora e que não é nada de bom.

a verdade é que nos EUA e também por cá, os meios de comunicação são controlados ou pelo governo ou por multinacionais da comunicação, grandes grupos que nos EUA especialmente, pertencem ainda a grupos maiores, mas do armamento.

É óbvio que os interesses desses grupos de media é fomentarem as guerras e não mostrar o que realmente se passa nestas ou como se lá chegou, como no caso do Iraque e do Afeganistão e proximamente do Irão, através de mentiras descaradas dos supostos governantes.

Por exemplo, ainda há não muito tempo nos EUA preparava-se para ser aprovada nova lei sobre a aquisição de meios de comunicação, onde mais uma vez os grandes grupos iriam se tornar ainda maiores, menos concorrência, mais facilidade de mascarar a realidade, de criar uma realidade alternativa, quem estava por trás dessa lei era nada menos que o filho do general Collin Powell.

como sempre digo a Oeste nada de novo.

Felizmente ainda existem grandes jornalistas como o Australiano, John Pilger.

Tne following is a transcript of John Pilger's address - 'War by Media':

"During the Cold War, a group of Russian journalists toured the United States. On the final day of their visit, they were asked by their hosts for their impressions. “I have to tell you,” said their spokesman, “that we were astonished to find, after reading all the newspapers and watching TV, that all the opinions on all the vital issues were, by and large, the same. To get that result in our country, we imprison people, we tear out their fingernails. Here, you don't have that. What's the secret? How do you do it?”

What is the secret? It's a question now urgently asked of those whose job is to keep the record straight: who in this country have extraordinary constitutional freedom. I refer to journalists, of course, a small group who hold privileged sway over the way we think, even the way we use language.

I have been a journalist for more than 40 years. Although I am based in London, I have worked all over the world, including the United States, and I have reported America's wars. My experience is that what the Russian journalists were referring to is censorship by omission, the product of a parallel world of unspoken truth and public myths and lies: in other words, censorship by journalism, which today has become war by journalism.

For me, this is the most virulent and powerful form of censorship, fuelling an indoctrination that runs deep in western societies, deeper than many journalists themselves understand or will admit to. Its power is such that it can mean the difference between life and death for untold numbers of people in faraway countries, like Iraq.

During the 1970s, I filmed secretly in Czechoslovakia, then a Stalinist dictatorship. I interviewed members of the dissident group, Charter 77. One of them, the novelist Zdener Urbanek, told me, “We are more fortunate than you in the West, in one respect. We believe nothing of what we read in the newspapers and watch on television, nothing of the official truth. unlike you, we have learned to read between the lines of the media. unlike you, we know that that real truth is always subversive.” By subversive, he meant that truth comes from the ground up, almost never from the top down. (Vandana Shiva has called this 'subjugated knowledge').

podem ler o resto em http://www.johnpilger.com/page.asp?partid=267 é uma leitura que abre os olhos para a realidade, esta palestra tb existe no video.google.

abs,

rjnunes
De Luís Castro a 21 de Junho de 2008 às 18:48
Ricardo,
sei muito bem do que ela fala.
Já o senti na pele.
Não sei se sabes, mas estive preso no Iraque pelos americanos em 2003.
Fui agredido e humilhado pelos mesmo que se diziam libertadores.
Tudo porque eu estava à solta e informava sem que eles tivessem qualquer controlo sobre o que eu escrevia.
Ab.
LC
De Luís Castro a 21 de Junho de 2008 às 18:50
Escrevia e mostrava, não só para a RTP como pela Eurovisão para todo o mundo, uma vez que todos os outros jornalistas que se encontravam dentro do Iraque estavam controlados.
As minhas reportagens eram difundidas para todo o mundo.
Conto isso no livro "Repórter de Guerra".
LC
De ricardo nunes a 23 de Junho de 2008 às 04:48
boas,

ainda bem que assim agiu, LC, é um dever de qq jornalista apresentar os factos como eles são.

neste momento tenho imenso que ler, mas quando puder darei uma olhada ao seu livro.

cumprimentos,

rjnunes
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 16:52
Ricardo,
espero que goste.
Ab e boas leituras.
LC
De Antonio Sarmento a 21 de Junho de 2008 às 16:09
Boa tarde Luís,
De facto, pareceu-me ser uma jornalista bastante objectiva e sem qualquer receio das censuras do presidente americano. Não sei se sabe alguma coisa do trabalho dela, mas tem alguma ideia se costuma deslocar-se sozinha pelo Iraque ou anda normalmente "embeded" com as forças americanas?
Abraço
A.S.
De Luís Castro a 21 de Junho de 2008 às 19:09
Pois...
ninguém anda à solta no Iraque, excepto um maluco: eu!
Têm sempre protecção de seguranças armados, carros blindados ou então andam com o exército ou de heli americano.
LC
De Filipa V. Jardim a 21 de Junho de 2008 às 21:32
Mas depois, o facto de andar mais solto no Iraque dá frutos Luís. As suas reportgens de rua, de gente comum, de opinião repentina são ímpares.
Consigo conseguimos perceber como está a cultura, como vivem as pessoas...como sobrevivem as pessoas, os sonhos, os anseios, os sentimentos. Os Bassim deste mundo...
A maioria dos seus colegas, os tais que se fazem acompanhar por muita tropa e muita segurança, limitam-se a contar espingardas e mortos, são reportagens sem rostos e por isso com pouco conteúdo e sem nenhuma imaginação.E, quanto a mim com uma consequência perniciosa, a banalização do que não pode nem deve nunca ser banalizado: o sofrimento.
Nem que a guerra dure para sempre, aos repórteres de guerra cabe essa missão maior, a de tentar que cada ser humano em sofrimento continue a ser único.E que ,cada um de nós deste lado feliz do mundo, continue a achar que mais um ser humano em sofrimento é sempre demais.
Conseguiu fazer esse trabalho de uma forma muito especial, agora no Iraque, como o tem conseguido fazer nos outros conflitos por onde tem passado.
Este blogue também é um bocadinho o espelho dessa diferença, porque uma reportagem de guerra não é igual a outra reportagem de guerra.


Bjs


Filipa V. Jardim





De Luís Castro a 22 de Junho de 2008 às 14:13
Filipa,
as guerras nunca são iguais. Só o sofrimento.
Cada pessoa, cada soldado tem uma história para contar. E são essas pessoas caladas que nós procuramos para ouvir e dar voz.
São também essas reportagens que mais me tocam e comovem.
Sim, porque eu também tenho emoções, embora algumas pessoas julguem e defendam que não.
A linha da frente não é só onde há tiros.
Bjs
LC
De brunomiguel a 21 de Junho de 2008 às 23:59
Infelizmente, está em flash e o Gnash não consegue apresentar o vídeo. :( Por acaso alguém tem o vídeo em Ogg, Avi ou até mesmo em WMV?
De Luís Castro a 22 de Junho de 2008 às 14:17
Visto.
LC
De filha do administrador a 23 de Junho de 2008 às 20:51
pois, é que isto de ser país de oportunidades, país livre e blá blá blá também tem muita hipocrisia à mistura e as noticias só interessam quando nos interessam ou melhor quando interessam a quem está à frente de qualquer coisa.
também é verdade que no meio de tantos jornalistas há muitos que não são dignos de crédito, mas isso acontece em todas as profissões.
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 23:48
É como em tudo na vida.
LC
De Manuel Guedes a 24 de Junho de 2008 às 18:03
(In)felizmente esta repórter é uma excepção nos média americanos. George Orwell disse "Em tempos de fraude universal, dizer a verdade torna-se um ato revolucionário".

Entrevista da CNN:
http://www.youtube.com/watch?v=6I420_fPM2E

Discurso nos Emmys:
http://www.youtube.com/watch?v=OPyQOy9M6fg

Entrevista no Daily Show:
http://www.thedailyshow.com/full-episodes/index.jhtml?episodeId=173861
De Luís Castro a 25 de Junho de 2008 às 00:25
Manuel,
o país que nos revolucionou ( enquanto imprensa) é o mesmo que agora admite a censura.
Ainda bem que nem todos o aceitam.
Ab.
LC
De paranoiasnfm a 26 de Junho de 2008 às 08:26
Bem... esta é, ao que se pode chamar, uma mulher da guerra.

Que ataques fortíssimos.. e claro, tem toda a razão.

Abraço
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 13:08
Nuno,
uma verdadeira mulher de armas!
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds