Domingo, 22 de Junho de 2008

A vida não acaba no Telejornal

                                    Sempre defendi que o jornalista deve ser mais interventivo socialmente.

Não é honesto denunciar os males da sociedade e depois virar-lhes as costas como se nada estivesse a acontecer.

Não podemos esquecer o problema/tema depois da peça ir para o ar e pensar que amanhã será outro dia e outro assunto nos cairá no colo.

Ninguém pode carregar às costas os males do mundo, é certo, mas todos os dias escrutinamos dezenas de profissões durante o Telejornal. Então, e nós?

Que tal olharmos sobre nós, jornalistas, e questionarmo-nos sobre o papel que desempenhamos no meio em que vivemos e trabalhamos?

Eu já o fiz.

Somos jornalistas 24 horas por dia.

 

Esta manhã, vários jornalistas do Telejornal participaram na “Lisboa Bike Tour”.

A prova foi organizada em parceria com o Instituto da Droga e da Toxicodependência e teve o apoio e a cobertura integral da RTP.

 

Luís Castro

Coordenador do Telejornal da RTP

 

publicado por Luís Castro às 16:18
link do post | comentar
87 comentários:
De Diogo Rodrigues a 22 de Junho de 2008 às 20:16
Os corações não pararam?


Luís o Só Visto não é a mesma coisa com a nova apresentadora
De Luís Castro a 22 de Junho de 2008 às 20:46
Diogo,
os corações não pararam mas algumas pernas sim.
Foi impressionante: 8.500 pessoas a pedalar na ponte!
Já `tinhamos cortado a meta e ainda havia quem não tivesse arrancado.
Ab.
LC
De Raquel Silva a 22 de Junho de 2008 às 21:01
"Somos jornalistas 24 horas por dia."
Gosto dessa ideia do jornalismo.
Por vezes é preciso intervir, de modo a influenciar um pouco o 'modo de ver as coisas' dos cidadãos.
Bjs
Raquel
De Luís Castro a 22 de Junho de 2008 às 21:05
Pois.
Não podemos ir para casa e esquecer que o mundo existe e os problemas subsistem.
Bjs
LC
De Raquel Silva a 23 de Junho de 2008 às 13:09
Mais: o auricular bluetooth confirma essa concepção de "jornalista 24 horas por dia" :D
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 16:54
Bem observado, Raquel.
O telemóvel, o auricular e o computador portátil acompanham-me para todo o lado e dormem ao meu lado.
Já não os consigo deixar.
Bjs
LC
De Daniel Marques a 22 de Junho de 2008 às 22:56
Parabéns pela atitude. Mostra bem a pessoa que és.
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 16:36
Abraço.
Obrigado.
LC
De Ana Cristina Brizida a 22 de Junho de 2008 às 22:57
Olá Luís,

uauuuuuuu, o Luís parece um verdadeiro pro, todo equipado... Agora percebo quando falou em se andar de bike nas cidades num post anterior. Sei que falaram de si no telejornal mas eu não vi a reportagem da Bike Tour, estava noutro canal.
O Luís tem de se manter em forma pois um destes dias vai para o paraíso dos trogloditas e a bike é um desporto muito completo hehehe

Bjs

Cris


De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 16:24
Ana,
BTT é a minha modalidade preferida.
estrada é quando não há montes por perto.
Bjs
LC
De João Calviño a 22 de Junho de 2008 às 23:39
Eu confesso que sempre tive aquela pontinha de desejo de um dia poder dizer que tb ja fiz parte da RTP.

Ha um ano comecei a fazer um trabalho para uma produtora para a qual trabalho, para o sóvisto. Lembro-me de ter olhado para o cubo do microfone e ter pensado "Tb já faço parte, mm sem constar da ficha técnica"

e isto para dizer... o que é que eu tneho de fazer para arranjar um jersey desses azul com o simbolo da rtp?!

:P eheheheh
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 16:26
João,
o que fazes actualmente?
LC
De João Calviño a 23 de Junho de 2008 às 21:25
Sou assistente de câmara freelancer desde à um ano...
Trabalho sobretudo para a duvideo e para o canal panda :D
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 23:54
João,
e já nos conhecemos por aí?
LC
De João Calviño a 24 de Junho de 2008 às 00:25
Não. Infelizmente acho que nunca nos cruzámos...
Mas acredito que oportunidades não faltarão =)

JC
De Luís Castro a 24 de Junho de 2008 às 02:16
João,
se um dia nos encotramos por aí ou se vieres à RTP, identifica-te, pf.
Ab e tudo de bom.
LC
De Vanda a 27 de Junho de 2008 às 19:02
Já.
De PM a 23 de Junho de 2008 às 00:31
Eu já me contentava que fossem jornalistas durante as horas de trabalho, ou até mesmo no minuto e meio que dura a peça de cada um: isso é que era obra.
Agora 24 horas por dia, não me faças rir. O jornalista não é um ser acéfalo que reporta simplesmente de um lado e do outro como agora se ensina: o jornalista não é um ser anacrónico para quem o passado não lhe passa pela cabeça e o presente é apenas um instrumento de mobilidade ascendente futura; o jornalista, meu caro, não vende jornais diariamente, o jornalista, isso sim, questiona a realidade permanentemente (e se ela é suja chafurda até impor a limpeza), não se afasta dela... o jornalista não se encastela.

Hei-de continuar...
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 16:36
PM,
em poucas palavras mostras grande incoerência.
Primeiro dizes que o jornalista não o é durante 24 horas, talvez tenhas razão, não o é mas devia ser.
Eu sou!
Depois dizes que o jornalista questiona a realidade permanente. Pois é, meu amigo, se questiona permanentemente então é porque o faz sempre que está acordado, pelo menos.
E, já agora, não queres escerever os teus comentários com o teu nome verdadeiro?
Ab.
LC
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 19:58
Cá te espero!
Ab.
LC
De Filipa V.Jardim a 23 de Junho de 2008 às 21:02
Para PM (Primeiro Ministro? Policia Militar?)

Ora cá temos, o "velho do restelo". Há sempre um...
E porque não continua em termos construtivos?Pois se não está bem, então que sugere para que se mude?Para que se melhore?
Neste momento deve estar toda uma redacção ansiosa por saber "como ser jornalista em pelo menos, o minuto e meio que dura cada peça" .Além de mim, claro .E, imagino que mais alguns, dos que por aqui andamos a apoiar o trabalho do Luís, a tentar colaborar de forma construtiva e positiva...
Já viu a coluna aí à sua direita para poder fazer a "sua própria peça", muito melhor,obviamente do que qualquer outra...
Original não é?
Aguardo então ansiosamente, uma vez que o blog é público, e se expressou de forma pública, o seu contributo, que imagino, vai ser uma verdadeira aula de jornalismo on line, pelo menos!
E o que será que vamos aprender? O Bota abaixo?...parece demasiado simples...demasiado elementar...vá, carissimo MP...noticias não faltam...vamos a elas!
É sempre bom aprender com quem sabe!
Uma honra e um prvilégio!


o meu nome é:

Filipa V. Jardim

De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 23:51
Visto.
LC
De Patti a 23 de Junho de 2008 às 00:40
Olá Luís,

Contribuir em prol da sociedade é cada vez mais urgente. E quando fala de que os jornalistas podem desempenhar muito bem esse papel é de facto verdade.

Os jornalistas conhecem muitas realidades devido à diversidade da sua profissão, que os coloca em cenários bem diferentes da maioria dos comuns.
E aí podem, claro, fazer alguma diferença; dar a conhecer mas também intervir.

Parabéns e espero que tenha sido uma boa corrida, o tempo pelo menos estava para isso.
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 16:38
Patti,
é fácil denunciar, mas dá trabalho intervir para ajudar.
E também nós temos a nossa dose de preguicite...
Bjs
LC
De js. a 23 de Junho de 2008 às 14:49
Luís, a primeira foto está demais com o pormenor do auricular!
Sempre comunicável, num misto de sport vs. atleta citadino.

"(...) Somos jornalistas 24 horas por dia. (...)"
Tenho muita pena que nem todos pensem assim. Provavelmente não teríamos de aturar certas "barbaridades" que por vezes se vê e lê.

Continuação de boas pedaladas.

Um grande abraço
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 16:56
José,
aquela fotografia foi uma pequena "maldade" do Paulo Martins, do desporto.
Apanhou-me a trabalhar... em cima da ponte, veja lá.
Ab.
LC
De pedro oliveira a 23 de Junho de 2008 às 16:37

Very Hi-tech my friend!
A bicla fica para vós? para o ano também quero ir,como nos inscrevemos?
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 17:00
Pedro,
Oito mil e quinhentos participantes.
Cada um pagou 50 euros de inscrição e no final levou a bicla para casa.
Não são muito resistentes, mas para andar a direiro e sem grandes subidas ainda aguentam uns quilómetros...
Terá que ver como será para o ano com as inscrições.
Nós fomos inscritos pela RTP.
Ab.
LC
De pedro oliveira a 23 de Junho de 2008 às 17:47
Vi e agradeço mais uma vez a sua visita e comentário ao meu cantinho, para dar a sua opinião sobre o anonimato e liberdades individuais no nosso dia a dia e principalmente na blogosfera, e como era de esperar após tão ilustre visita já há quem lhe coloque questões em Porto de Mós,via Vila Forte.

Mais uma vez Obrigado!

P.S. O que achou do Pinhal das Artes?
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 19:26
Vou lá tentar responder.
LC
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 19:53
Pedro,
não estou a conseguir escrever no seu blog.
Não se importa de levar para lá esta resposta a um comentário/pergunta que me foi feito no último post?
Sobre a feira, vou avisar o "Portugal em Directo", mas lá não mando...
Abraço

Caro anónimo/a,
sabe, por norma, não faço juizos de valor ou sobre atitudes de pessoas ou sobre realidades que desconheço.
Talvez o seu caso seja um desses que se justifica.
Como sou jornalista, estou habituado a um princípio sagrado na minha profissão: o sigilo das fontes. E sei que há pessoas que nos dão pistas para uma notícia, mas também nos pedem para nãos as identificar.
Assim, vou dar um exemplo: um funcionário de um hospital que presenciou um acto de negligência, e que o julga inaceitável,perante o corporativismo dos médicos decide que aquilo não pode ficar impune. Acontece que se alguém souber que foi ele o autor da "fuga", a sua vida ficará para sempre prejudicada, uma vez que terá que conviver diariamente e para sempre com essas pessoas. Aí eu aceito, caso perceba que é uma "fuga de informação" que tem outros objcetivos, então não a aceito.
Por tal, só aceito que o anonimato quando valores muito importantes estão em causa, como são os casos da vida, da integridade física ou de uma qualquer represália à qual a pessoa não tem capacidade de lutar e que lhe poderá, por exemplo ditar o despedimento.
Acontece que, em muitos casos - aqui na blogosfera-, os autores não se identificam para que não lhes sejam pedidas responsabilidades pela forma como escrevem sobre terceiros.
Para acabar, em muitos casos é complicado para mim escrever e assinar como coordenador do Telejornal, mas paciência... assumo todas as minhas responsabilidades, enquanto cidadão, jornalista ou responsável editorial pelo principal telejornal do país.
Nunca me divorciei da responsabilidade.
Luís Castro
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 20:00
Pedro,
ponha também este no resposta ao seu.
Ab.
LC

Pedro,
virei aqui sempre que me for possível.
Abraço
para si e para todos.
Luís Castro
De pedro oliveira a 23 de Junho de 2008 às 21:18
Meu caro luís,
somos tão especiais que até arranjámos uma plataforma que só nos atrapalha,ainda não mudámos para o sapo, porque ainda não é possivel mudar e garantir o histório.Enfim.

Demasiadas vezes, não é possivel comentar com o log in, por isso, eu incluido escrevo comentário no fim escrevo o meu nome, clico na opção anonimo e confirmo a chave alfanumérica que aparece. Assim é garantido que o comentário "entra" e está assinado.

Obrigado!
De Daniel Marques a 23 de Junho de 2008 às 23:49
Caro Pedro, tente entrar em contacto com a equipa do SAPO Blogs. Pode ser que eles tenham alguma solução.
Tente através do blog do serviço (http://blogs.blogs.sapo.pt/). Eles costumam responder a questões na caixa de comentários.
De Luís Castro a 24 de Junho de 2008 às 01:56
Visto.
LC
De pedro oliveira a 24 de Junho de 2008 às 08:38
Bom dia caro Daniel,

Já os contactámos, mas infelizmente e ao contrário do que acontece com outras plataformas, eles ainda não nos conseguem garantir o histórico caso mudemos para o sapo. Estamos a aguardar noticias deles.
Obrigado!
De Luís Castro a 24 de Junho de 2008 às 23:58
Visto.
LC
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 23:54
Pedro,
faça lá esse favor e leve os meus comentários para o seu blogue porque depois dos primeiros que lá deixei, já não consigo.
Abraço
.
LC
De pedro oliveira a 24 de Junho de 2008 às 08:44
Bom dia Caro Luís,

as respostas estão inseridas no comentário 11 ao texto do "anonimato".

Se pretender comentar novamente faça assim:

Escrever texto e colocar nome no fim do texto, clicar em "send" e na página seguinte escolhe a opção comentador anónimo(clicar na bolinha), vai aparecer de seguida uma chave alfanumerica para confirmar , clicar em "publish" e já está.

è a forma garantida que todos os comentários "entram".
Peço desculpa aos eventuais visitantes do vila forte, mas quando não há cão, vai lá o gato!

Obrigado a todos
De Luís Castro a 24 de Junho de 2008 às 23:59
Vou lá ver.
Ab.
LC
De Daniel Marques a 23 de Junho de 2008 às 19:42
Há uns bons anos, quando a Rádio Cidade era feita por brasileiros, ganhei uma bicicleta IBA a jogar flippers com um chocolate na boca a derreter-se ao sol. Óbvio que o intuito do chocolate era desconcentrar. Mas lá fiz a pontuação mais alta e levei a bicla para casa. Isto na berma de uma estrada, junto à carrinha da «patrulha da cidade».
De Luís Castro a 23 de Junho de 2008 às 19:57
Gostava de estar lá para ver...
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds