Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

Se a moda pega... Parte I

Televisões e rádios romenas terão de veicular 50 por cento de notícias

positivas nos seus telejornais e blocos noticiosos, devido a uma lei aprovada hoje, por unanimidade, no Senado.

 

"Os programas de actualidade nas televisões e nas rádios devem conter,

em igual proporção, informações positivas e negativas", prevê a nova legislação.

 

Para apoiar este diploma, os dois senadores proponentes invocaram o "extraordinário poder nocivo" das notícias negativas e os seus "efeitos irreversíveis na saúde e na vida das pessoas".  O objectivo da lei é "melhorar o clima geral e oferecer ao público a hipótese de uma percepção equilibrada da vida quotidiana". 

 

Diversos jornalistas, já se manifestaram contra a lei, que esperam

ver vetada pelo presidente romeno. "Uma notícia de actualidade não é positiva nem negativa, limitando-se a reflectir a realidade", afirmou o presidente do  Conselho Nacional do Audiovisual, Rasvan Popescu. 

Luís Castro

Fonte: Lusa

publicado por Luís Castro às 00:58
link do post | comentar
26 comentários:
De Afonso Reis Cabral a 26 de Junho de 2008 às 10:02
Se a moda pega, coitados dos romenos, vão ter 50% das notícias sobre nascimentos de Pandas na China!...
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 13:10
Afonso,
é nós, o que teríamos?
Ab.
LC
De Raquel Silva a 26 de Junho de 2008 às 13:12
Teríamos de voltar às notícias sobre a selecção nacional, mas acho quen isso nos safava... :D
De Raquel Silva a 26 de Junho de 2008 às 13:15
*que nem
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 13:31
Visto.
LC
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 13:32
Visto.
LC
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 13:29
Sim,
enquanto estivemos no Euro2008 foi quase 100% de notícias positivas...
Bjs
LC
De pedro oliveira a 26 de Junho de 2008 às 10:43
O que é uma noticia positiva?
Isto é um suponhamos...:
O governo baixou o défice para 1,5% do PIB ,mas congelou os ordenados em 5 anos nos Funcionários públicos.

A ERC, para além de contar os minutinhos de cada partido iria ter que jogar ao lenço para decidir se a noticia era positiva ou negativa. Estes Romenos andam loucos!
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 13:15
Pedro,
eu tenho outra leitura sobre o comportamento da Entidade Reguladora. Acho que devemos ler bem os relatórios que eles elaboram, porque, embora lá estejam dados e considerações que podem ser criticáveis, também há muitas outras coisas sobre as quais (nós jornalistas e decisores editoriais) devemos meditar.
Sou amigo do Presidente da Entidade Reguladora, não escondo, mas como sou uma pessoa muito aberta à crítica, admito reflectir sobre os meus comportamentos e não parto imediatamente para o ataque.
Já houve dados daquele relatório que me fizeram parar para pensar.
Ab.
LC
De pedro oliveira a 26 de Junho de 2008 às 14:50
Por isso é que sou fã do teu (posso não posso?) blog.
As nossas opiniões ,queiramos quer não, são formatadas pelo que lemos e ouvimos , e não temos a informação toda.Percebi a tua mensagem e fiquei contente por saber que os editores têm atenção aos relatórios e aos pontos que a população desconhece,porque não dá jeito a alguém.

abraço
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 16:43
Claro que podes tratar tu.
O Pedro e todos os outros que que por aqui andam.
Abraços.
LC
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 16:43
Faltou o "por" tu.
LC
De pedro oliveira a 26 de Junho de 2008 às 16:49
;)
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 20:52
Visto.
LC
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 20:51
Visto.
LC
De Raquel Silva a 26 de Junho de 2008 às 13:15
Luís,
Não tem lógica, porque o objectivo da comunicação social é divulgar um acontecimento, de acordo com a sua importância para a sociedade, independentemente de ser positivo ou negativo. Claro que países como Portugal têm um défice de notícias positivas, mas o que podemos fazer? É a realidade. E a informação perderia o interesse.
Bjs
Raquel
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 13:30
É isso, Raquel.
A realidade não é 50% positiva e 50% negativa.
Bjs
LC
De brunomiguel a 26 de Junho de 2008 às 18:51
Pessoalmente, acho que se devia era combater o sensacionalismo. Isso sim é grave! Apesar de estar contemplado no ponto 2 do código deontológico dos jornalistas, nalguns media não o vejo respeitado e tenho que gramar com histórias meio contadas e exacerbadas.
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 21:11
Tens toda a razão...
LC
De Filipa Vera Jardim a 26 de Junho de 2008 às 20:50
Além de que ainda há o problema de algumas noticias, que podem ser positivas ou negativas dependendo dos pontos de vista de quem as ouve...ex: a crise dos combustíveis e os aumentos sucessivos que são noticias negativas para quse toda a gentepara os detentores das gasolineiras serão ...positivas.
E também há as noticias assim assim,em jeito "nim" que deve ser o irão certamente fazer os jornalistas Romenos

Bjs,

Filipa.
De Luís Castro a 26 de Junho de 2008 às 21:12
Pois...
tudo depende de quem conta a história!
Bjs
LC
De Jose Lemos a 26 de Junho de 2008 às 23:47
olá Luís !
Eu até penso que os romenos têm um pouco de razão, senão vejamos : Nós não nos sentimos muito melhor quando ouvimos ou lemos algo de extraordinário sobre o que um cidadão português fez numa parte do mundo qualquer? Não aconteceu já contigo em algumas situações teres ficado com a auto-estima nos píncaros quando ouviste alguém dizer-te algo de fabuloso de alguém que conheces?
Só se consegue motivar com palavras e acções construtivas, pois só assim a mente vai prestar atenção ao que é positivo. Eu não concordo é que tenha de ser através de decreto-lei, pois o homem tem capacidade para fazer isso e muito mais pela humanidade desde que queira. Mas mais importante que a aprovação do senado romeno é poder discutir-se este tema porque é uma boa via para se levantar a "moral" de um país.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

olá Luís ! <BR>Eu até penso que os romenos têm um pouco de razão, senão vejamos : Nós não nos sentimos muito melhor quando ouvimos ou lemos algo de extraordinário sobre o que um cidadão português fez numa parte do mundo qualquer? Não aconteceu já contigo em algumas situações teres ficado com a auto-estima nos píncaros quando ouviste alguém dizer-te algo de fabuloso de alguém que conheces? <BR>Só se consegue motivar com palavras e acções construtivas, pois só assim a mente vai prestar atenção ao que é positivo. Eu não concordo é que tenha de ser através de decreto-lei, pois o homem tem capacidade para fazer isso e muito mais pela humanidade desde que queira. Mas mais importante que a aprovação do senado romeno é poder discutir-se este tema porque é uma boa via para se levantar a "moral" de um país. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>ab</A> <BR class=incorrect name="incorrect" <a>jl</A>
De Luís Castro a 27 de Junho de 2008 às 03:28
José,
percebo do que falas.
Sabes, quando estou lá fora, "carrego" sempre comigo a nossa bandeira.
Por vezes alguns colegas meus dizem que eu sou "Muito Portugal".
Pois sou, e tenho muito orgulho!
Tento sempre ter peças de jornalismo positivo no alinhamento, mas nem sempre é possível.
Ab.
LC
De Raquel a 27 de Junho de 2008 às 15:34
Tenho uma opinião muito contraditória em relação a este aspecto.
Houve uma situação que me fez pensar bastante. A minha avó, já bastante idosa, adora ver os noticiários. Só que ela sempre se impressionou muito com o que vê e não são raras as vezes que a apanho com uma lágrima no canto do olho por causa de uma ou outra notícia. Devido a isto a nossa médica "proibiu-a" de ver noticiários, principalmente as primeiras notícias, pois tornavam-na depressiva.
Esta situação fez-me pensar. Se por um lado os noticiários mostram muito sangue e desgraça, por outro revelam a realidade que temos (tanto em Portugal como no resto do mundo). Acho também que temos de ser bem "abanados" com notícias verdadeiras e sem "retoques floridos" para ver se se começam a alterar algumas atitudes.

Como podes* verificar a minha opinião não está muito formada. Penso que, tal como fizemos aqui em casa, é necessário dosear melhor as notícias que são vistas pelas pessoas mais sensíveis. Cabe a cada um decidir se vê ou não.

bjs
Raquel

*como disse que podíamos tratar por tu. Espero que não se importe!
De Luís Castro a 27 de Junho de 2008 às 19:27
Raquel,
tentamos que o Telejornal seja o espelho da realidade, mas, como sabe, há sempre uma inclinação pelo que é "mau". É o caso do cão que morde o homem e não é notícia, se for o homem a morder o cão, então já é notícia.
Tento, lá pelo meio, ter jornalismo positivo, sem alterar a realidade, claro.
Há que valorizar quem se destaca pela positiva na sociedade e não apenas aqueles que nos andam aqui a "lixar".
Bjs
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds