Terça-feira, 8 de Julho de 2008

Reféns um ano na selva (1)

“Nunca deveriam ser sequestrados civis, nem mantidos prisioneiros os militares nas condições da selva. São actos cruéis. Nenhum propósito revolucionário pode justificar essas acções.”

Fidel Castro 

 

A libertação de Ingrid Betancourt trouxe-me à memória o que aconteceu em Cabinda, em 2001.  

Foram os últimos portugueses raptados no enclave angolano. Um ano de cativeiro na selva e quase esquecidos pelo seu país.

Estive na floresta do Maiombe, aprendi a linguagem do mato, andei com as duas guerrilhas e fui expulso de Angola.

Durante os próximos dias vou relatar o que lá vivi e que ficou registado no livro “Repórter de Guerra”, por mim lançado em Julho do ano passado.

  

*** CABINDA - PARTE 1***

“Você é da Inteligência!”   

 

Depois de passar por Luanda, sigo de avião para aquele pedaço de terra cravado entre os dois Congos, Aqui jorra o petróleo que financia mais de dois terços do orçamento do governo e que suporta a guerra com a UNITA. Instalados no único hotel que julgo existir na cidade, apenas sei que é pela Igreja que terei de começar. De resto, estou completamente às escuras. Não tenho um único contacto e os do passado perderam-se.

O taxista que nos levou do aeroporto para o Hotel Maiombe é o mesmo que agora me mostra a cidade. Vou fazendo perguntas.

   - Que casarão é este?

   - É o Seminário. É tipicamente colonial. Vem do tempo dos portugueses. Mora lá um tal Congo que dizem pertencer à FLEC.

   - Pára, pára. Como é que disseste que ele se chama?

   - Congo. Padre Congo.

   - Volta para trás! Vamos lá.

O espaço está cuidadosamente tratado e somos recebidos por um jovem de simpatia contagiante. Chama-se Puati e é o ajudante do Director do Seminário. Convida-nos a entrar e a esperar pelo padre, que foi rezar missa a uma aldeia do interior. Uma hora depois chega um Mercedes branco, velhinho, conduzido por um homem de pele bem escura, alto e com cara de poucos amigos. Começada a conversa, rapidamente percebemos que há um passado em comum: fomos os dois seminaristas na cidade do Porto e estudámos na mesma altura, embora em seminários diferentes: eu, nos Missionários da Consolata, ele, nos Salesianos. Fico com a certeza de que bati à porta certa e de que este será o contacto em que deverei investir daqui em diante. Quando nos despedimos, o padre Congo aconselha-nos a mudar para o Hotel Costa do Sol que fica a duzentos metros daqui. “É novo, é de um amigo meu e sempre estamos mais perto para ir falando.” Percebo a mensagem e ele promete ajudar no que puder.

  

Saímos do Maiombe para o Costa do Sol na manhã seguinte e o taxista que continua a acompanhar-nos garante-me que no outro estaremos bem mais seguros. Pergunto-lhe por quê e ele diz-me que há rumores de que haverá dois quartos que estarão sob escuta. Gelo quando me diz os números e dou conta de que são os dois onde acabáramos de passar a noite. Puxo a memória atrás para recordar os telefonemas e as conversas que tivera com o Artur Pacífico. Só fiz uma chamada e foi para a minha mulher, agora, quanto às conversas com o repórter de imagem que me acompanha, até fico arrepiado só de pensar que alguém as possa ter ouvido.

 

Na verdade, o Costa do Sol nada tem a ver com o Maiombe. Tem empregados muito simpáticos, o cozinheiro é português e o dono acaba por nos alugar um dos seus carros. Chamam-lhe o “Polaco” e, contrariamente ao que imaginava, não é polaco de nacionalidade. É preto e natural daqui. Há só um pequeno grande problema: o hotel é sociedade deste tal "Polaco" e do governador. Nesse mesmo dia confirmam-se os meus receios: o governador não gostou de nos ver por cá e recusa-se a receber-nos ou a dar qualquer entrevista. Não vamos ter vida fácil.

 

O segundo dia em Cabinda é passado com alguns portugueses que vivem ou trabalham nesta província angolana. O José Morgadinho é um deles e, para além dos negócios de venda de carros, é também o cônsul português. Insiste em alertar-me para os perigos que vou correr. Seja como for, diz que estará por perto para o que for necessário.

 

A amizade com o padre Congo vai-se aprofundando e passamos a conhecer o outro lado daquele que é considerado “A Voz da FLEC”. É no escritório dele que montamos a nossa redacção. O telefone fica pousado no braço do sofá e o fio da antena estende-se até uma cadeira onde está a parabólica, cuidadosamente apontada desde a varanda do seminário até um dos satélites disponíveis. Este será o nosso instrumento de trabalho mais importante, por isso o melhor será que ele não fique muito exposto aos olhares indiscretos de quem passa na rua. Se o confiscam, ficamos reduzidos a quase nada. Montada que está a logística, planifico a nossa missão em três frentes: primeiro, conhecer os representantes da resistência na cidade, que, de resto, já sabem da nossa presença; segundo, tentar a ligação para um número de satélite utilizado pelos guerrilheiros que estão no interior da mata; e, por último, contactar Paris, que é onde se encontra Nzita Tiago, chefe máximo da FLEC/FAC. Iniciados os passos para as duas primeiras, e ao fim de várias tentativas, acabo por chegar à fala com o líder histórico da resistência.

   - O que é que você está a fazer em Cabinda?

   - Vim para cobrir a situação dos três reféns portugueses por vocês raptados há dez meses e dos quais pouco ou nada se sabe.

   - Continuo a não perceber como é que chegou aí!

   - Fácil. Vim por Luanda.

   - Mas como é que chegou aí sem que ninguém soubesse?

   - Senhor presidente, aquando do rapto anterior tentei vir cá e não correu nada bem porque “alguém” soube. Desta vez, vim por mim, ou seja, em segredo total.

   - É isso que me deixa desconfiado. Sabe que tenho mais de vinte pedidos de autorização de colegas seus portugueses? Qualquer ida à mata tem que ser autorizada por mim. E você não fez qualquer pedido!

   - Estou a fazê-lo agora…

   - Isso não é assim!

   - Senhor presidente, insisto para…

   - Não vale a pena insistir. Eu sei que você está aí, não como jornalista, mas como ponta de lança do embaixador português no Zaire, do governo português e das Forças Armadas Angolanas.

   - Senhor Nzita, não sei se me ria ou se tome isso como um insulto!

   - Eu conheço-o como jornalista das guerras por onde tem andado, agora não sabia que também é da “inteligência”!

   - Desculpe lá, mas isso é um perfeito disparate. Fique sabendo que estou aqui de peito aberto, mas tal não significa que tenha vindo cá para vos fazer qualquer favor, o mesmo se passando em relação aos governos português e angolano. Vim para contar a verdade. Se quiserem assim, tudo bem, caso contrário volto para Portugal de mãos vazias e vocês perdem uma grande oportunidade de ouvir a vossa causa relembrada na imprensa portuguesa e, claro, por todo o mundo quando as imagens forem distribuídas pela RTP.

   - Temos outros jornalistas portugueses que são nossos amigos.

   - Não digo que não. Agora tanto quanto sei, eles estão lá e eu estou cá! Alguém veio, arriscando o que eu arrisquei?

   - Continua a não me convencer!

   - Vou-lhe provar que está errado.

   - Então se me quer provar o contrário, comece por fazer reportagens sobre os crimes dos soldados angolanos, sobre a pobreza que se vive aí em Cabinda e sobre a vontade de independência. Se fizer isto, talvez se arranje qualquer coisa.

   - Senhor Nzita, qualquer reportagem desse tipo seria o suficiente para me expulsarem de imediato e o senhor sabe-o. Posso adiantar-lhe que já recolhemos muitas imagens e imensas entrevistas sobre esses assuntos, mas essas peças serão as últimas a serem emitidas.

   - É assim ou nada!

   - Pois então é nada! Até porque não é o senhor que determina o critério editorial das minhas reportagens!

   - Você é que sabe. Vou desligar.

   A conversa acabara comigo a gritar com a pessoa que tem o poder de determinar se a nossa vinda será bem sucedida ou se terei que regressar à redacção com um enorme fracasso às costas. O padre Congo sossega-me a angústia.

   - O Nzita é assim. É um homem desfasado da realidade de Cabinda. Não se preocupe, tentarei falar com os outros maninhos.

   - Com quem?

   - Com os da outra FLEC, os da Renovada. Quando os da FLEC/FAC virem que vocês foram às bases da Renovada, aí serão eles a chamar-vos. É uma questão de lhes provocarmos ciúmes. Vai resultar.

 

Amanhã continua...

Luís Castro

 

 

É a segunda tentativa que faço para ir a Cabinda. Dois anos antes, durante a última crise de reféns portugueses no enclave, esteve preparado um “rapto”, a mim e ao meu operador de câmara. Os guerrilheiros viriam à cidade para nos levar para a mata e assim podermos despistar o exército angolano. O plano acabou por abortar por motivos aos quais fui alheio e que são ainda demasiado recentes para serem revelados. Assim, desta vez, vou sem que ninguém saiba, nem a própria FLEC.

publicado por Luís Castro às 00:41
link do post | comentar
11 comentários:
De patti a 8 de Julho de 2008 às 01:28
Olá Luís, você é repórter de guerra na categoria de negociador-mor, não?
Fico à espera das outras novidades deste seu padre Congo.

Gosto de saber de todas as suas guerras. Mas principalmente das nossas antigas colónias.
De Luís Castro a 8 de Julho de 2008 às 12:52
Então durante os próximos dias vai saber a razão pela qual fui expulso de Cabinda.
Nunca mais lá voltei.
Bjs
LC
De JAlves a 8 de Julho de 2008 às 09:27
Esse teu livro mostra bem a realidade de Cabinda e a mentalidade actual de Angola (sem generalizar). Vale a pena reler... e para quem lá viveu....epá!
De Luís Castro a 8 de Julho de 2008 às 12:55
Amigo,
tu sabes o que foi aquilo. Não foi fácil.
Não fosse o nosso amigo Lanzinha e eu não tinha aguentado...
Ab para ti e para o Lanzinha.
LC
De Cristina a 9 de Julho de 2008 às 16:39
ainda dizem que a vida de jornalista é fácil :) ah! viajar e tal, conhecer o mundo!!!!
Afinal não é assim tão fácil.
De Luís Castro a 9 de Julho de 2008 às 18:03
Se for conhecer o mundo em hoteis de cinco estrelas,
será bem melhor do que dormir na selva.
Mas, acredite, não é nos quartos dos hoteis que se conhecem as realidades desses países ou se percebem os dramas.
Temos que estar onde cheira a pólvora!
Bjs
LC
De sergio fidalgo a 24 de Novembro de 2008 às 18:39
Olá luís obrigado por você existir ! Enquanto, quase todo mundo faziam tudo para silenciar o nosso sofrimento , você teve a coragem de entrar na escurid ão daquela selva para ir ao nosso encontro , mas se calhar foi melhor assim ! Velo partir, seria seria muito doloroso para nos ! aqui deixo um grande abraço para todos Cabinda , em especial p. o padre Congo E a você muito obrigado Sérgio fidalgo
De Luís Castro a 24 de Novembro de 2008 às 19:02
Amigo Sérgio, que surpresa!!!
Por onde anda?
Gostou do livro?
Mande notícias.
Vai passar o Natal a casa?
Grande abraço.
LC
De sergio fidalgo a 25 de Novembro de 2008 às 17:52
Claro que adorei o livro , já odeie ler a muitos colegas, mas já avisei que o vou levar p. Portugal e agora como vamos de férias que aproveitem p. comprar ! Agora estou em Moçambique , estamos a construir , a grande ponte sob. o rio Zambeze , a inauguração está prevista , p. Maio ou Junho , seria óptimo se fosse você a vir aqui ! eu vou dia 20 de Dezembro juntar-me aos meus , seria uma honra apareça um abraço S.F
De Luís Castro a 25 de Novembro de 2008 às 18:55
A sua mulher tem o meu contacto.
Apite quando estiver por Valongo.
Abraço e tudo de bom por aí.
Luís Castro
De Sérgio fidalgo a 4 de Agosto de 2010 às 19:23
Olá Luiz tudo bem? já acabei o meu livro, gostava de ter uma conversa consigo, Eu para semana vou de ferias, chego aí dia 13, um abraço S.F.

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds