Quarta-feira, 16 de Dezembro de 2009

Regionalização? Sim ou não?

José Sócrates reconhece que a ideia das cinco regiões "não é completamente unânime" no PS, mas garante que o Estado está preparado para a reforma "indispensável e urgente" da regionalização depois de obtidos "os consensos políticos indispensáveis".

 

 

O PM chama “desenvolvimento e maturidade democrática” à criação das regiões administrativas.

 

E vocês?

 

Começo eu:

Eu concordo!

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 19:05
link do post | comentar | ver comentários (30)
Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009

Berlusconi agredido

Vídeos do momento da agressão e da confusão que se seguiu.

 

 

 

 

Vídeo completo em:

http://video.corriere.it/?vxSiteId=404a0ad6-6216-4e10-abfe-f4f6959487fd&vxChannel=Dall Italia&vxClipId=2524_46283572-e82b-11de-8657-00144f02aabc&vxBitrate=300

 

 

publicado por Luís Castro às 10:02
link do post | comentar | ver comentários (26)
Domingo, 13 de Dezembro de 2009

Fosse como fosse...

… Saddam Hussein teria de ser derrubado.

 

Foi a “noção de que ele era uma ameaça para a região” que inclinou a favor da invasão do Iraque, em 2003, disse Tony Blair em entrevista à BBC.

 

 

Se não fossem as pretensas ameaças armas de destruição em massa, teria sido necessário “recorrer a outros argumentos”, disse candidamente o ex-primeiro-ministro.

 

Recordo que seis meses antes do início da guerra, o governo britânico publicou um dossier com as  "provas" – agora completamente desacreditadas – de que o Iraque possuía armas de destruição em massa, prontas a serem utilizadas por Saddam Hussein em apenas 45 minutos.

"De qualquer modo, teria pensado que era justo afastá-lo. Obviamente que teria sido necessário usar outros argumentos, quanto à natureza da ameaça. Não creio que estaríamos melhor com ele e os seus dois filhos no comando".

 



Campbell, antigo líder liberal democrata, já veio dizer que Blair nunca teria obtido apoio do Governo nem do Parlamento para fazer a guerra ao Iraque se nessa altura se tivesse sido tão sincero como o está a fazer agora.
 

Saber mais em:

http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/politics/8408918.stm

http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/politics/8409526.stm

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 18:09
link do post | comentar | ver comentários (26)
Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009

A "Nobel Guerra Justa"?

Durante o discurso, Obama usou 44 vezes a palavra “guerra”.

Disse que estas são guerras para garantir a paz.

Falou em “Guerra Justa”

e que “a guerra não será erradicada no nosso tempo de vida”

 

Mas também não esqueceu os direitos humanos, dizendo que não haverá uma “paz justa” enquanto homens e mulheres continuarem a ver negados os seus direitos, sejam eles as liberdades políticas e económicas, sejam os direitos económicos.

“A segurança não existirá enquanto os seres humanos não tiverem comida, água, trabalho”, concluiu.

 

O presidente dos EUA reconheceu que os seus méritos são diminutos comparando-os com os de outros Prémios da Paz.

 

Seja como for, temos de reconhecer que Obama é diferente.

Vejam este vídeo.

 

 

Luís Castro

 

publicado por Luís Castro às 00:59
link do post | comentar | ver comentários (37)
Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2009

O que dizer?

Nogueira Pinto chama "palhaço" a deputado do PS.

Ricardo Gonçalves acusa deputada do PSD de se "vender a qualquer preço".

 

 

Luís Castro

Categorias: ,
publicado por Luís Castro às 19:12
link do post | comentar | ver comentários (32)
Domingo, 6 de Dezembro de 2009

E porque não?!

Sabe tão bem fazer o bem!

Mesmo que não saibamos quem é esse alguém.

 

Não entendo porque razão as escolas continuam a incluir Religião e Moral e esquecem áreas tão importantes na formação cívica dos mais novos como ensiná-los a ser solidários e aprender primeiros socorros.

 

Luís Castro

 

Primeiros socorros na escola de Condeixa:

http://images.google.pt/imgres?imgurl=http://www.prof2000.pt/users/tsmf/eb23scondeixa/ImPSoc/image00.jpg&imgrefurl=http://www.prof2000.pt/users/tsmf/eb23scondeixa/manualpsoc.htm&usg=__RWtWfg_Hib_K5afB48H-KU0m5cY=&h=503&w=316&sz=38&hl=pt-PT&start=29&um=1&tbnid=pswSDy2dyjBSbM:&tbnh=130&tbnw=82&prev=/images%3Fq%3Dprimeiros%2Bsocorros%26ndsp%3D20%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DN%26start%3D20%26um%3D1

 

publicado por Luís Castro às 22:53
link do post | comentar | ver comentários (39)

Pode fazer a diferença

Conhecer Primeiros Socorros é saber o que fazer primeiro

- e o que fazer em seguida - para salvar a vida de alguém.
 

Como melhorar e não agravar o estado de um acidentado:

1. Mantenha a calma e pense! Não existe emergência que não permita gastar alguns (poucos) segundos para definir a melhor forma de agir.

2. Examine o acidentado cuidadosamente, na exacta posição em que foi encontrado – a menos que isso seja impossível. Não o mexa até que saiba exactamente qual é a seriedade do acidente.

3. Simultaneamente e imediatamente, verifique a pulsação e a respiração e se há perda exagerada de sangue. Veja como o coração está a bater nas artérias do braço ou do pescoço. Veja se a pessoa perdeu os sentidos. Estes casos exigem tratamento imediato, pois são situações que podem matar rapidamente!

4. Em seguida, examine ferimentos na cabeça, choques, fracturas, deslocamentos, lacerações etc.

5. Se houver fractura (pode ser exposta), imobilize a vítima, não se preocupando em colocar o osso no lugar. Faça um acolchoado em volta do membro e prenda uma tala acima e abaixo do local fracturado – nunca em cima. De tempos em tempos, verifique o pulso abaixo do local fracturado, para ter certeza de que sua tala não está a interferir na circulação.

 

6. Conforte o acidentado.

7. A pessoa responsável por tomar as decisões e coordenar o trabalho do grupo deve ser a que tem mais experiência em primeiros socorros. É sempre melhor ser ‘pessimista’ e programar para que o grupo evacue o acidentado.


8. Alguns factores logísticos devem ser levados em conta antes de tomar qualquer decisão sobre o que fazer com a pessoa machucada. Após considerá-los com calma e clareza, a possibilidade de tomar decisões sensatas aumentará. 


Mais dicas:

1 - ESTADO DE CHOQUE

Se a vitima apresentar pulso rápido, respiração acelerada e superficial, suores frios, frio e palidez é porque está em ESTADO DE CHOQUE.

 

O que se deve fazer:
Desapertar a roupa;
Acalmar a vítima, conversando com ela;
Levantar as pernas a cerca de 30 cm do chão;
Agasalhar a vítima, por exemplo tapando-a com uma manta.

 

O que não se deve fazer:
Dar de beber.


 

2 - INCONSCIENTE

Se a vítima não reage a estímulos verbais e não reage a estímulos fiscos, encontra-se INCONSCIENTE.

 

O que se deve fazer:
Transportar a vítima para um lugar arejado;
Desapertar a roupa;
Deita-la na posição lateral de segurança (vítima deitada de bruços com a cabeça virada para o lado direito; braço direito flectido, servindo de apoio à cabeça; perna direita flectida, apoiada na perna esquerda).

 

O que não se deve fazer:
Dar de beber à vítima.


 

3 - AMPUTAÇÃO

Se a vítima apresenta um membro ou parte dele totalmente separado do resto do resto do corpo, sofreu uma AMPUTAÇÃO.

 

O que se deve fazer:
Guardar o membro num saco de plástico limpo e fechá-lo;
Colocar esse saco dentro de outro com gelo e sal e fechá-lo também;
Transportar a vítima, rapidamente para o Hospital, juntamente com o saco que contém o membro.

 

O que não se deve fazer:
Desfazer-se do membro amputado
Não enviar o membro juntamente com a vitima para o Hospital.


 

4 - ENVENENAMENTO POR VIA ORAL

Se a vítima ingeriu produto venenoso, sofre um ENVENENAMENTO por via ORAL.

 

O que se deve fazer:
Se ingeriu um PRODUTO NÃO CORROSIVO, provocar-lhe o vómito - o que poderá ser feito dando a beber água morna com muito sal.
Se ingeriu um PRODUTO CORROSIVO OU DERIVADO DO PETRÓLEO, dar-lhe a beber leite frio.

 

O que não se deve fazer:
Se a vítima ingeriu um PRODUTO CORROSIVO OU DERIVADO DO PETRÓLEO, NUNCA provocar o vómito.


 

5 - ENVENENAMENTO POR VIA RESPIRATÓRIA

Se a vítima sente tonturas, está eufórica (intoxicação com Monóxido de Carbono), sente-se a desfalecer (intoxicação com Gás Butano), sofreu um ENVENENAMENTO POR VIA RESPIRATÓRIA.

 

O que se deve fazer:
Levar a vítima para um local arejado, tendo o cuidado de não respirar o ar contaminado;
Deixar a vítima em repouso;
Aguardar socorro profissional;
Se a vítima tiver uma paragem respiratória apenas um socorrista deverá aplicar respiração boca-a-boca.

 

O que não se deve fazer:
Entrar no local contaminado, sem protecção respiratória, tornando-se outra vítima.
Se o gás for inflamável, ligar interruptores.


 

6 - FRACTURA

Se a vítima apresenta dor localizada, mobilidade anormal, incapacidade de fazer alguns movimentos, hemorragia (no caso de fractura exposta), muito possivelmente tem uma FRACTURA.

 

O que se deve fazer:
O menor número possível de movimentos à vítima;
Instala-la confortavelmente;
Cortar a roupa, se necessário;
Imobilizar a articulação;
Se a fractura for exposta, colocar uma compressa.

 

 O que não se deve fazer:

Pegar na vítima.


 

7 - HEMORRAGIA

Se a vítima apresenta uma ferida de onde jorra sangue vivo, está com uma HEMORRAGIA.

 

O que se deve fazer:
Elevar a parte do corpo que sangra;
Estancar a hemorragia colocando um pano limpo e comprimindo sobre a ferida.
Se o pano ficar ensopado, colocar outro por cima.
Proteger a zona com uma ligadura, sem apertar.

 

O que não se deve fazer:
Garrote caso não seja socorrista, e só em caso extremo.
Aplicar ligaduras apertadas.


 

8- QUEIMADURA

Se a vítima apresenta pele vermelha, quente e seca (queimadura do 1º Grau) e ainda bolhas com liquido claro (queimaduras do 2º Grau); destruição profunda dos tecidos (queimadura do 3º Grau), sofreu uma QUEIMADURA.

 

O que se deve fazer:
No caso de Queimaduras do 1º e 2º Grau, imergir a zona afectada em água fria, até que a vítima não sinta dor e aplicar uma pomada hidratante, tendo o cuidado de não rebentar as bolhas.
Nos casos de Queimaduras do 3º Grau, aplicar uma compressa a cobrir a zona afectada e transportar imediatamente a vítima ao Hospital.


O que não se deve fazer:
Rebentar as bolhas.

publicado por Luís Castro às 22:31
link do post | comentar | ver comentários (14)
Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009

Não sou herói

Não, não sou.

Apenas alguém que ia a passar nesse momento e que mais não fez do que a sua obrigação: tentar salvar uma vida.

Heróis são os médicos, os bombeiros e os polícias. Esses sim.

Eles são os nossos “cuidadores”.

 

Quanto muito, um bom samaritano.

E aquilo que o director adjunto do jornal "24 Horas" diz:

“evitou que mais um homem se tornasse mais uma vítima das nossas estradas.”

 

 

No entanto, reconheço dois aspectos importantes:

1 – Ao contrário de todos os dias, na segunda fui trabalhar mais tarde.

      Só por isso passei naquele local àquela hora.

2 – É preciso ter algum “sangue-frio” para enfrentar o momento.

      É algo que ganhei pelas experiências a que tenho sido sujeito

      De resto, nada que bombeiros, médicos e enfermeiros não vivam quase diariamente.

 

 

Ontem fui visitar o António ao S. José.

Só me reconheceu pela voz. Recorda-se de me ouvir falar, mas não guarda imagens do momento. Estava em estado de choque.

 

Foi operado e saiu dos cuidados intensivos. Não fala, mas há-de recuperar a voz. Reconstituíram as vias danificadas e nos próximos tempos o organismo terá de regenerar, só então lhe retiram o tubo. Ficará internado mais dez a quinze dias.

 

Durante os trinta minutos que estive com ele, o António fez um desenho dos cortes que tinha no pescoço. Arrepiou-se enquanto riscava no papel.

Felizmente não guardará a imagem de como estava quando cheguei ao pé dele.

 

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 01:58
link do post | comentar | ver comentários (85)
Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

Entre a vida e a morte

Não sei se lhe salvei a vida. Talvez. Mas não é o mais importante.

Dele pouco sei, apenas que se chama António e que não é de Lisboa.

 

O acidente aconteceu à minha frente, pelo que fui o primeiro a sair do carro e a prestar os primeiros socorros. Quem ia parando no IC 2 tinha dificuldade em se aproximar. É das imagens que nunca mais esquecemos: alguém com a garganta aberta e a jorrar sangue.

 

Ao fim de 19 guerras, aquele momento não me impressionou. Encher as mãos de sangue para lhe estancar a hemorragia foi um impulso natural. Enquanto esperava pela chegada da ambulância, agarrei-o nos meus braços e temi perdê-lo antes da chegada do INEM. Dei por mim a reviver uma situação semelhante há dez anos, em Angola, durante os combates no planalto central. A sirene trouxe-me de volta.

 

Quando o António foi levado para o Hospital S. José, entrei no meu carro a pensar nas pessoas à minha volta que deviam passar por um momento destes. Sentir o que é estar na fronteira entre a vida e a morte.

Talvez se apercebessem de como são frágeis as suas vidas.

Talvez percebessem como está errado o ranking das suas prioridades.

Talvez perdessem muita da sua arrogância.

 

 

publicado por Luís Castro às 04:24
link do post | comentar | ver comentários (81)

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds