Domingo, 31 de Janeiro de 2010

Rocket attack! Rocket attack!

Cheguei a Kandahar, no Sul do Afeganistão.

 

Nem cinco minutos depois de ter entrado na base, já os Talibãs nos tinham recebido com um ataque de morteiro.

 

O alerta das sirenes, grito de "Rocket Attack! Rocket Attack!" Primeiro no chão... depois correr para o bunker. E ali ficámos mais de uma hora à espera do "All Clear! All Clear!"

 

Tem sido assim todas as noite, diz-me o Robert, o sargento americano que nos acompanha.

 

 

Nos próximos dias, eu e o repórter de imagem Paulo Oliveira, vamos ficar "embedded" nas patrulhas de combate da "Task Force" de Kandahar.

 

Ups ! Voltaram as sirenes. Lá terá de ser...

 

Virei ao blogue nos intervalos das operacões.

 

Até breve!

 

publicado por Luís Castro às 23:59
link do post | comentar | ver comentários (128)
Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010

Bisturi numa mão e microfone na outra

Artigo que escrevi para a TV Guia:

 

O "efeito Gupta"

 

O correspondente médico da CNN trata a cabeça de uma bebé com 15 dias;

o médico jornalista da ABC faz um parto prematuro;

a enviada médica da CBS ajuda no socorro a uma menina com braço amputado;

a repórter cirurgiã da NBC coloca talas em osso partidos.

 

Os mais famosos correspondentes televisivos americanos do momento não foram só contar a história do sismo no Haiti. Eles estão a participar activamente e de forma incomum nas histórias, prestando ajuda médica com as câmaras a filmar.

 

Defendo o jornalista quando ele faz parte da história. Ele não é a história, mas o fio condutor da “sua” história. O repórter no terreno não tem uma visão completa sobre o acontecimento, ele sabe e reporta apenas o que está no seu campo de acção, procurando a melhor forma de contar a história. E será também pelas suas histórias que esse momento ficará gravado na História.

 

No Haiti fez-se História também para o jornalismo. Todos quiseram ir atrás da CNN e do seu correspondente médico, o neurocirurgião Sanjay Gupta, no que em jornalismo se chama “pack journalism”. Ficou provado o que há muito venho dizendo: um médico pode ser jornalista, mas um jornalista não pode ser médico.

 

 

O papel duplo do “jornalista” - repórter e médico -, permitindo-lhe por a “mão na massa”, produziu um estilo dramático de jornalismo participativo. E é aqui que facilmente se passa do sublime ao ridículo. Não me parece que tenha acontecido, mas apenas se abriu a porta deste novo género jornalístico.

 

Não sou dos que entendem que o jornalista não se deve envolver no acontecimento que relata – é impossível nos casos de grande carga emocional – no entanto, essas narrativas podem deturpar e tornar-se manipuladoras.

 

Temo, porém, que os médicos jornalistas – e não jornalistas médicos! – enviados pelas televisões americanas para o Haiti, dêem novas e perigosas ideias a alguns decisores editoriais para quem tudo vale em troca de mais audiências.

 

Luís Castro

Editor executivo de informação da RTP

publicado por Luís Castro às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (32)
Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

Boa sorte!

Comandos portugueses vão regressar ao Afeganistão nos próximos dias.

Será que a opinião pública está preparada para o perigo desta missão?

 

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 03:21
link do post | comentar | ver comentários (42)
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2010

Repórteres em cenários difíceis

Testemunhos de:

Paulo Camacho, António Cancela e Luís Castro

 

publicado por Luís Castro às 16:33
link do post | comentar | ver comentários (59)
Terça-feira, 19 de Janeiro de 2010

Será? Acho que sim.

Para a Newsweek:

"A verdade é que a única entidade no planeta com capacidade para ajudar o Haiti à escala necessária é o Exército dos EUA. As Nações Unidas acharão politicamente incorrecto admiti-lo; os grandes grupos de auxílio internacional, orgulhosos do seu estatuto não combatente, tentarão não o reconhecer. Mas esta é a realidade."

 

 

Será que os americanos "invadiram" o Haiti?

Será que os haitianos se importam?

 

Será esta a mais nobre de todas as operações americanas fora dos EUA?

Será esta a mais nobre missão de um soldado?

 

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 22:33
link do post | comentar | ver comentários (68)
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

Cobertores eléctricos...

... com pernas!

Entram no quarto do hóspede minutos antes deste se deitar e vão rebolar na cama para aquecer os lençóis.

O director do Centro de Estudos do Sono, na Escócia, já aprovou a ideia porque, diz: "O novo serviço de aquecimento de cama do Holiday Inn (Inglaterra) vai ajudar as pessoas a conseguir uma boa noite de sono, especialmente quando demoram muito a aquecer".

 

"Cobertores eléctricos com pernas"

 

Os “Cobertores eléctricos com pernas” estarão vestidos dos pés à cabeça e terão um gorro para dormir.

 

O “processo de adormecimento” inicia quando a temperatura começa a descer. A baixa da temperatura começa quando os vasos sanguíneos das mãos e dos pés se relaxam e libertam calor. Para o especialista escocês, "uma cama aquecida, aproximadamente entre 20 e 24 graus, é uma boa forma de começar este processo, dado que uma cama fria pode inibir este processo".

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 16:47
link do post | comentar | ver comentários (40)
Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2010

Homilias de 7 minutos

Marcelo Rebelo de Sousa é especialista em “missas”.

E prepara-as bem, ao contrário do que fazem muitos padres.

 

 

Ontem, o professor lançou uma “fatwa” aos mais de 300 sacerdotes que tinha à sua frente, em Braga:

“A homilia deve ser curta e incisiva e com 2 ou 3 ideias fortes.

Tudo o que passe dos 7 minutos é estar a falar para as paredes.”

 

Nem mais, professor!

Eu já só vou à igreja quando ela está vazia e em silêncio.

É um excelente local para reflectir e pensar na vida.

 

Na verdade,

raramente trouxe novas mensagens de uma homilia.

Cansei-me dos sermões e das lições de moral.

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 14:00
link do post | comentar | ver comentários (48)
Quarta-feira, 13 de Janeiro de 2010

Cuspiu no chão? Ficou sem casa!

Atirou lixo para o chão?

Estaciona onde não deve?

Não paga a renda?

 

O governo da província de Guangzhou, uma das cidades mais prósperas da China, vai adoptar medidas mais duras para combater comportamentos anti sociais. Será criada uma “tabela de pontuação de ofensas”.

 

Cuspir na rua3 pontos

Urinar na rua3 pontos

Estacionamento proibido3 pontos

Secar roupa à janela 3 pontos

Deitar lixo para o chão 5 pontos

Lançar lixo da janela de casa 7 pontos

3 meses de renda por pagar 20 pontos

 

Quem chegar aos 20 pontos em dois anos,

fica sem casa se esta tiver sido oferecida pela autarquia.

 

A fotografia mostra o momento em que um homem é preso por ter cuspido para o chão, na província de Zhejiang.

 

 

Fotografias da cidade de Guangzhou, onde será a sede dos Jogos Asiáticos em Novembro

 

  

Já na Suiça,

um homem foi multado em quase 74 mil euros.

Circulava a 137 km/h num local onde o limite era de 80km/h.

 

O valor da multa foi calculado tendo em conta os seus rendimentos.

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 18:17
link do post | comentar | ver comentários (63)
Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2010

Repórteres mortos no Afeganistão

Quando vires alguém que corre para o local de onde todos os outros tentam fugir, é jornalista.

 

Rupert Hamer e Michelle Lang morreram no Afeganistão.

Não sei se algum dia me cruzei com eles nesta ou em outra guerra.

 

Rupert HamerReuters

 

Os dois repórteres estavam “embedded” no centro e sul do Afeganistão.

 

Rupert estava com os “marines” americanos quando o Hammer em que  seguiam passou por cima de uma bomba de fabrico artesanal. Ele teve morte imediata, o fotógrafo ficou ferido. Morreu também um soldados americano.

 

O jornalista britânco, de 39 anos, trabalhava no “Sunday Mirror” e esta era a sua quinta viagem de trabalho ao Afeganistão.

Deixa 3 filhos menores.

  

Michelle Lang, com 34 anos, jornalista canadiana ao serviço da “Canwest News Service”, morreu em circunstâncias semelhantes em Kandahar, no sul do Afeganistão.

 

A bomba estava enterrada na estrada e vitimou mais 4 soldados do Canadá.

 

Pelo menos 17 jornalistas de todo o mundo foram mortos no Afeganistão desde os atentados de 11 de Setembro de 2001.

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 18:09
link do post | comentar | ver comentários (40)
Sábado, 9 de Janeiro de 2010

Intolerável! Isto é terrorismo!

Ontem, num telefonema para Cabinda, um amigo que lá deixei dizia-me que é muito difícil acabar com uma guerrilha, mais ainda quando se trata da FLEC. Com grande tristeza, confidenciava-me a vergonha que sentia pela tragédia que acabara de acontecer.

 

 

Hoje, pelo que soube junto de fontes muito bem informadas, o grupo da FLEC-FAC que atacou a selecção do Togo é liderado por alguém jovem que pretendia chamar a atenção da comunidade internacional. O objectivo foi conseguido, mas as consequências serão desastrosas.

 

 

O triste acontecimento da fronteira com o Congo (onde estive há menos de meio ano), trouxe-me à memória uma longa conversa que mantive na floresta do Maiombe com os guerrilheiros da FLEC, no ano de 2001, quando se dedicavam a raptar portugueses que trabalhavam no enclave e que relato no meu livro “Repórter de Guerra”.

 

No final da entrevista, já de microfone desligado, alerto-os para as consequências dos raptos na opinião pública de um povo de quem eles se dizem amigos. Mais: nenhum governo poderá ceder à chantagem de um grupo armado que rapta cidadãos do seu país. «Os que fazem isso, agora chamam-se «terroristas» e já não há tolerância para eles.» Concordam com o que lhes digo, mas não garantem que não o voltem a fazer.

   - Só voltam a lembrar-se de nós quando raptamos mais alguém!

 

 

 

Ontem foram mais longe. Numa acção espectacular, feriram de morte o grande acontecimento desportivo africano, a Taça das Nações. O ataque ao autocarro que transportava a selecção do Togo deu-lhes o que queriam: ser falados em todo o mundo, mas esgotaram os já poucos apoios que mantinham fora do enclave de Cabinda.

 

Depois de ter andado com as duas FLEC (a FLEC-FAC e a FLEC-Renovada) na densa floresta do Maiombe, quando voltei a Portugal mantive contactos com os guerrilheiros por algum tempo, mas acabei por me afastar. Não tanto pelos homens que lutavam na mata, mas pelos políticos de Cabinda que teimavam em não perceber que estavam a levar os guerrilheiros para uma solução sem saída.

 

 

 

A luta pela independência é irrealista. Disse-lhes isso mesmo quando estive com eles. Rejeitaram por absoluto a hipótese de lutarem politicamente por uma autonomia. Ontem traçaram o seu destino. Acredito que as Forças Armadas Angolanas não vão descansar enquanto não eliminarem de vez a FLEC.

 

Saber mais sobre a FLEC e sobre as reportagens que fiz com eles:

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/rep%C3%B3rter+de+guerra+-+cabinda

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 20:04
link do post | comentar | ver comentários (63)

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds