Sexta-feira, 22 de Agosto de 2008

Em que ficamos?

Como estou de férias, tenho mais tempo para ver a concorrência.

E em boa hora escolhi a TVI para saber as notícias de ontem, pois fiquei a saber da boca do director adjunto da Polícia Judiciária que não há uma onda crescente de criminalidade em Portugal.

Ufa!

Mas logo a seguir fiquei confuso, pois no mesmo dia o Procurador Geral da República anunciou para Segunda-feira uma “comunicação ao país” sobre essa tal onda de criminalidade que a PJ diz não existir.

Em que ficamos, meus senhores?

 

  • Também gostava de escrever sobre esta notícia, mas deixo-a para que sejam vocês a comentá-la.

http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=360043&tema=27

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 14:07
link do post | comentar
21 comentários:
De Vera Baeta Lima a 22 de Agosto de 2008 às 16:36
A mim parece-me que há quem ande a ver filmes demais e queira brincar aos bandidos...o pior é que nos filmes os polícias apanham sempre os bandidos. na nossa realidade isso não anda a acontecer, sabe-se lá porquê...
Vou agora sair de carro com os meus quatro filhos...Não me sinto em segurança...mas não tem havido onda de criminalidade...não...é impressão que os telejornais nos passam...os jornalistas é que são alarmistas, certo?
De Luís Castro a 23 de Agosto de 2008 às 00:53
Sim.
Só falta dizerem que a culpa é dos jornalistas pelas notícias que dão.
Como diz, o problema é que nos filmes vencem os maus...
LC
De Luís Castro a 23 de Agosto de 2008 às 15:14
Visto.
LC
De C NARCISO a 22 de Agosto de 2008 às 17:29
Ninguém com três dedos de testa pode negar que o cime violento tem aumentado muito em Portugal. Resultado de erros legislativos e políticas erradas de sucessivos Governos e de outros factores importados do exterior. (vários)
Quanto às Policicias não agarrarem os bandidos, é falso!!! A maior parte dos meliantes que estão a praticar carjacking; multibancos e bancos já foram detidos/identificados, presentes a Juiz e libertados- resultado do Processo Casa Pia em que "decidiram" que se abusava da prisão preventiva. Muito há a dizer sobre este assunto mas deixo-o para outros comentadores, contudo, não resisto a deixar uma "previsão": a realidade criminal no nosso país vai piorar muito.
De Luís Castro a 23 de Agosto de 2008 às 00:57
CNarciso,
essa é uma verdade sobre a qual devemos - todos! - meditar.
A facilidade com que a nossa Justiça permite que quem fez um assalto com arma de fogo e a tenha disparado, seja presente a um juiz, seja libertado e volte a fazer mais uns assaltos como, de resto, aconteceu esta semana.
É uma vergonha que tal possa acontecer.
Ab.
LC
De Alberto Fernandes a 22 de Agosto de 2008 às 19:58
Será que o director adjunto da Polícia Judiciária se estava a referir a Portugal?? Francamente.....
De Luís Castro a 23 de Agosto de 2008 às 00:59
Também eu fiquei pasmado...
Ab.
LC
De Vera Baeta Lima a 23 de Agosto de 2008 às 12:34
CNarciso, eu não digo que a Polícia não apanhe "os ladrões"...o que eu digo é que alguma coisa está errada. Não é normal que de repente aconteçam sequestros em dependências bancárias, assaltos a bombas de gasolina, mortes em assaltos. Eu acredito no meu país e não o trocaria por outro. Gosto de viver aqui!
De Luís Castro a 23 de Agosto de 2008 às 15:19
Visto.
LC
De C Narciso a 23 de Agosto de 2008 às 15:23
Este assunto é muito complexo e dá "pano para mangas".
Não sou psicólogo ou sociólogo ainda assim interepreto os acontecimentos dos últimos anos da seguinte forma: factores sociais (dinheiro); políticas erradas e total sentimento de impunidade por parte dos prevaricadores, entenda-se- CRIMINOSOS. Muitas actuações vistas hoje em Portugal são copiadas de outros países- EUA, Brasil, etc.. onde estes fenómenos já têm décadas.
O ideia que gostaria de deixar neste comentário é a seguinte: Não temos que pagar qualquer preço pela nossa liberdade! (como por vezes se afirma) Ela é um direito nosso!
É preciso ter coragem e dizer - BASTA! ao crime que vemos todos os dias.
No país do eterno dez milhões de habitantes, não se pode aceitar que a maioria esteja refém de uma minoria de alguns milhares; nem que sejam um milhão ou dois- ainda estão em minoria.
Para viver em sociedade é fundamental seguir determinadas regras e condutas, de forma a não colidir com a liberdade dos outros. Ponto.
Quem, dolosamente, decide enveredar por outros caminhos e atropelar a liberdade e vida alheias, tem que ser "parado". Se as leis escritas e condutas morais não são respeitadas de livre vontade, que o sejam pela força. Essas pessoas não podem continuar a gozar dos direitos e liberdades da nossa sociedade.
É preciso ter coragem para enfrentar este problema nacional!
Portugal não pode querer equiparar-se aos números de presos e afins em relação aos países do resto da Europa do Norte porque as realidades são diferentes. Lá as pessoas (quase todas) são civilizadas e cumpridoras. Veja-se que há países que colocam nas ruas cartazes de cartão com a foto de um polícia- e ninguém os destrói!!! Se a nossa realidade é bastante diferente, temos que ter procedimentos diferentes. Se for preciso prender centenas de pessoas, temos que o fazer. Se isto significa um elevado custo para o erário público, criem-se formas destas pessoas pagarem as despesas que causam.
Não pode ser o justo e honesto a sair lesado por causa dos crimes praticados por outros.
Os criminosos só o conseguem ser porque os outros respeitam as regras. Se ninguém as respeitasse, o criminoso matava e logo a seguir seria morto; roubava e logo a seguir alguém o roubava a ele. etc...
Pode ser impopular mas tem que ser dito.
É muito triste ver pessoas a defenderem os criminosos e tratá-los de coitadinhos. Para mim, além de triste é inadmissível. Em Portugal as pessoas não têm razões para enveredar pelo crime. Só o fazem porque querem. Há pessoas que passam fome e ainda assim não se tornam criminosas. etc.............
Desculpe o LC mas, este tema.... mexe muito comigo e revolta-me imenso.
De Luís Castro a 23 de Agosto de 2008 às 15:37
CNarciso,
NÃO TEM DE QUE PEDIR DESCULPA!
Este blog é de todos.
E concordo totalmente com o que escreveu.
Se eu vou a sua casa e o Carlos não tem o costume de pr os pés em cima da mesa, eu não terei o direito de o fazer, certo?
Ab.
LC
De Luís Castro a 23 de Agosto de 2008 às 15:38
Bem, não sei se C. é de Carlos...
LC
De Luís Castro a 23 de Agosto de 2008 às 20:00
Visto.
LC
De J.C. a 26 de Agosto de 2008 às 12:20
Só há criminalidade em Portugal quando nos calha a nós ou a alguém perto de nós, até lá a criminalidade é apenas no telejornal ...

quanto tempo mais é que irão demorar a tomar medidas ... bem ... li algures que o orçamento para a ciência vai ser aumentado em 39,99%, quem sabe não se descobre a formula para acabar com isto. Pois eu nem cientista sou e consigo pensar em várias medidas que podiam ser tomadas se houvesse coragem politica para o fazer.

abraço

jmack
De Luís Castro a 26 de Agosto de 2008 às 22:04
O PGR vai dar "sugestões".
Aguardemos.
Ab.
LC
De Paula a 27 de Agosto de 2008 às 16:14
Como acha que se sentem os profissionais de polícia, os que andam na rua, não os que comandam, com toda esta «onda» de (in)segurança....
Seria interessante saber esse sentimento, desafio difícil, uma vez que os seus sentimentos não poderão ser do domínio público.... Bem haja pela sua escrita e informação.
De Luís Castro a 27 de Agosto de 2008 às 23:35
Paula,
já tentámos, mas infelizmente eles não falam...
Bjs
LC
De Paula a 28 de Agosto de 2008 às 08:48
Por isso eu escrevi que os seus sentimentos não podem ser do domínio público...
Houve alguém que disse um dia que cada país tem a Polícia que merece. Será que o País estaria preparado para outro tipo de polícia? ou assim é muito mais fácil por as culpas nos outros enquanto não mudam, políticas, economias, mentalidades?
Bom trabalho.
De Luís Castro a 28 de Agosto de 2008 às 17:56
Pois...
Obrigado.
LC
De anarobalo a 28 de Agosto de 2008 às 13:41
De facto a criminalidade não deve estar a aumentar, a julgar pelas não detenções que se têm verificado no país.
As pessoas saem à rua com medo, não usam ouro nem grandes quantias de dinheiro, mas isso é porque estamos na era do cartão de plástico e os adornos estão fora de moda, quanto ao medo... todos o têm.
O facto de haver contradições nas declarações, não é nada de especial, quem não comete erros?

Todas estas notícias e diz que disse são uma vergonha, para quem as profere mas também para os cidadãos que, se pensassem pelas suas cabeças, exigiam explicações ao nosso desgoverno.

De facto a imagem é elucidativa do que acontece no país, pois se o polícia só pode disparar depois de dispararem contra ele, tem de pedir aos marginais da sociedade, que coitadinhos são ou migrantes ou toxicoindependentes ", os marginalizados pela sociedade, para que não lhes façam mal.

Deixo aqui uma pequena reflexão: é admissível ver habitantes do nosso país que só têm direitos, deveres como IRS e etc. não, é admissível vê-los junto de uma junta com armas em punho? Se fosse eu que fosse protestar desarmada para a porta de uma junta ia o corpo de intervenção tirar-me de lá, mas os senhores coitadinhos que andam aos tiros num bairro mas não tem nada que ver com crime, que empunham armas na via pública que ameaçam a sociedade, mas no fundo são uns parasitas , esses coitadinhos, mas a polícia não podia fazer nada, porque só poderia fazer se um deles disparasse primeiro, como consequência matando o polícia. Mas já viram algum morto disparar uma arma? Vivo numa sociedade cada vez mais podre.
De Luís Castro a 28 de Agosto de 2008 às 18:06
Ana Robalo,
um dia o nosso país vai ter de parar e fazer uma reflexão profunda.
E em muitos aspectos...
Bjs
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds