Terça-feira, 21 de Outubro de 2008

O corpo era uma prisão

 

A polícia britânica está a investigar a morte de um jovem jogador de râguebi que optou pelo suicídio assistido numa clínica especializada, na Suíça, há cerca de um mês.

 

A decisão de Daniel James, de 23 anos, que ficou paraplégico depois de sofrer um acidente durante um treino, gerou grande polémica e atraiu a atenção dos principais meios de comunicação do país. O acto, que é considerado ilegal na Grã-Bretanha e na maioria dos países da União Europeia, é permitido pelas leis suíças, mas apenas em determinadas circunstâncias.

 

Segundo os investigadores, James é o mais jovem britânico a viajar para o exterior para cometer suicídio. Para os pais do jogador, a decisão trouxe "alívio" a James. "Nas actuais circunstâncias, o corpo representava uma prisão para ele", confessaram Julie e Mark.

 

James já havia tentado o suicídio várias vezes desde o acidente que o paralisou do tronco para baixo.

 

Luís Castro

 

*Reportagem está a ser preparada para o "Telejornal" que hoje começa às 19h.

 Pode também ser vista à noite, no "À Noite, as Notícias", na RTPN.

 

* Mais logo respondo aos comentários do post anterior. 

publicado por Luís Castro às 15:59
link do post | comentar
31 comentários:
De patti a 21 de Outubro de 2008 às 17:34
Acho que ninguém poderá comentar tal atitude e decisão. É daquelas vezes que me calo.
De Luís Castro a 21 de Outubro de 2008 às 21:02
Eu imagino-me naquela situação e compreendo!
Eu também não queria viver assim nem obrigar que todos os que me rodeiam condicionassem as suas vidas poir minha causa.
Bjs
LC
De Pedro Oliveira a 21 de Outubro de 2008 às 17:44
Com muito respeito,eu idem
De Luís Castro a 21 de Outubro de 2008 às 21:02
Visto.
LC
De Sónia Pessoa a 21 de Outubro de 2008 às 17:55
Não compete a ninguém, para além do mesmo, avaliar a opção de (não) vida que fez.
De Luís Castro a 21 de Outubro de 2008 às 21:03
Visto.
LC
De Fatima a 21 de Outubro de 2008 às 19:30
Esta é uma atitude que se percebe, mas que é muito difícil de compreender......
De Luís Castro a 21 de Outubro de 2008 às 21:06
Visto.
LC
De Vânia Antunes a 21 de Outubro de 2008 às 20:08
É sem duvida uma questão muito delicada... Por muito bom que seja viver, existem situações em que não se vive, sobrevive-se!
De Luís Castro a 21 de Outubro de 2008 às 21:06
Visto.
LC
De Alberto Fernandes a 21 de Outubro de 2008 às 21:27
Há 11 anos atrás um tumor na medula atirou-me também para uma cadeira de rodas. Na altura também pensei nisso mas felizmente optei por viver. Com limitações, angustias, descriminação, mas estou vivo! Compreendo totalmente a decisão que tomou esse jovem. Só quem passa por esta situação é que sabe do que falo. Abraço Luis.
De Luís Castro a 21 de Outubro de 2008 às 21:31
Fernandes,
é isso!
Só quem passa por elas.
Grande abraço.
LC
De José Fernandes a 21 de Outubro de 2008 às 22:02
É uma atitude de enorme coragem.
Não consigo dizer mais nada.

Abraço
De Luís Castro a 22 de Outubro de 2008 às 16:15
Visto.
LC
De Diogo Rodrigues a 21 de Outubro de 2008 às 23:35
Jogo Rugby e em alguns casos é um desporto bem violento, mas de forte união.

Não me consigo imaginar nesta situação estar agarrado a uma cadeira de rodas para sempre, acho que não conseguia querer fazer as coisas mais simples e simplesmente não dar.

Ou então ser invisual acho que não conseguia viver assim, desde este ano que que tenho uma professora de português que é invisual e vai para as aulas com o cão guia, passei a admirar muito mais estas pessoas pois ela é de Lisboa e foi destacada em Coimbra e está cá sozinha com o cão e é preciso ter uma enorme coragem para lidar com turmas grandes (29 alunos a minha) etc

E vir para uma cidade que não se conhece nada é preciso muita coragem

abraço

Diogo Rodrigues
De Luís Castro a 22 de Outubro de 2008 às 16:32
Ajudem-no!
Ele benm merece, certamente!
E as aulas, estão a correr bem?
Ab
LC
De Diogo Rodrigues a 22 de Outubro de 2008 às 16:37
É um bocado estranho ter uma professora cega, mas é uma questão de habito, claro que se nota diferenças mas é praticamente a mesma coisa e cabe-nós a nós alunos saber estar com uma prof cega


abraço []
De Sílvia Castro a 23 de Outubro de 2008 às 00:58
Que o ano te corra bem.
Ab.
LC
De Luís Castro a 23 de Outubro de 2008 às 01:42
Peço desculpa.
Entrei com pelo blog da minha mulher.
Luís Castro
De Filipa Jardim a 21 de Outubro de 2008 às 23:55
É daquelas situações que nos sentimos impotentes sequer para comentar.
A minha simpatia vai para as pessoas com o Alberto Fernandes que são capazes de se sentar nas nuvens e voar apesar de tudo.
Fica a dúvida se de facto este jovem teve o acompanhamento necessário, que lhe poderia ter permitido fazer uma outra escolha.Isso penso que é importante, tentar dar a estas pessoas respostas e caminhos de alguma esperança.Independentemente depois das escolhas que são de cada um.

Bjs


Filipa



De Luís Castro a 22 de Outubro de 2008 às 16:33
Bjs.
LC
De Ana Cristina Brizida a 22 de Outubro de 2008 às 10:06
Luís,

Este é um assunto extremamente delicado porque mexe com muitos sentimentos, valores, religião, leis...

Existem pessoas que por doença ou acidente se vêem atiradas para uma cadeira de rodas ou para uma cama.
Umas escolhem viver e dar a volta por cima e conseguem de uma forma extraordinária e merecem toda a minha admiração e respeito pela coragem. Um beijinho muito grande para o Alberto Fernandes e muita força.
Outras gostariam de morrer, mas por motivos religiosos, por falta de coragem ou de oportunidade esperam pacientemente a morte e muitas vezes num enorme sofrimento.

A vida é feita de opções e se o Daniel James tomou a decisão de uma forma lúcida, escolheu morrer de uma forma digna e tranquila, há que respeitar. Felizmente contou com o apoio dos pais que num acto de amor proporcionaram-lhe essa última vontade.
Ao ver esta notícia no Telejornal lembrei-me do filme "Mar adentro" com o Javier Barden, onde chorei baba e ranho, e da polémica então gerada acerca do direito de escolhermos se querermos continuar a viver ou não.
Acho que os pais do Daniel não deveriam ser penalizados, pois eles não infringiram nenhuma lei em Inglaterra e tomando esta decisão

Para mim a VIDA é para ser vivida intensamente, com saúde e se assim não for... não vale a pena! Desde adolescente que penso desta maneira. Todos os meus familiares e amigos sabem que penso acerca deste assunto e se de repente eu me visse numa situação semelhante ... escolhia partir... não tenho dúvidas absolutamente nenhumas.

Bjs
Cris
De Alberto Fernandes a 22 de Outubro de 2008 às 10:27
Não vou comentar a atitude do Daniel.

Transportando esse problema para a minha vida, também eu “preso” a uma cadeira desde há mais de 11 anos, é verdade que o mundo cai sobre a nossa cabeça. Questionamos tudo e todos mas não encontramos respostas às nossas dúvidas.
De vital importância é o apoio e acompanhamento da família, amigos e profissionais de saúde para que nos mostrem que existem sempre alternativas.

Rapidamente e apesar do sofrimento inerente à condição de limitação de acabára de adquirir percebi que mais importante do que o facto de andar a pé é o ser feliz, seja que de forma for. Sem dúvida que prefiro ser feliz como sou, sentado na minha cadeira do que um ser andante infeliz e sem objectivos na vida.
Tudo depende das atitudes perante a vida e sobre as coisas que realmente importam.

Sou feliz assim, claro que gostaria de poder correr lado a lado com a minha filha, não o faço a correr mas faço-o a deslizar pelo asfalto. Se a sociedade não descriminasse as pessoas portadoras de deficiência como o faz em inúmeras situações, o fardo a transportar seria concerteza mais leve.

Cumprimentos a todos.
De Ana Cristina Brizida a 22 de Outubro de 2008 às 10:46
Caro Alberto,

Como eu escrevi, são opções de vida. O Alberto optou por continuar a viver e a lutar.
Ainda bem que é feliz ao lado da sua família, tem a minha produnda admiração.
Os primeiros a discriminar pessoas portadoras de deficiência são os sucessivos governos.
Bjs
Cris
De Luís Castro a 22 de Outubro de 2008 às 16:54
Visto.
LC
De Luís Castro a 22 de Outubro de 2008 às 16:53
É bem verdade!
Grande abraço, amigo!
Luís castro
De Luís Castro a 22 de Outubro de 2008 às 16:51
Cris,
também penso o mesmo.
Bjs
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds