Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

Afinal o que se passa?

 

Confesso que uma das primeiras chamadas do dia foi para o general Loureiro dos Santos.

Fiquei surpreendido com as declarações à TSF sobre o desespero de alguns militares, alertando para a possibilidade de algumas atitudes poderem pôr em causa a democracia portuguesa.

Sargentos e oficiais das Forças Armadas vieram a público confirmar estes alertas.

 

http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25

 

Gostava de saber a vossa opinião, até porque o general Loureiro dos Santos também é leitor deste blogue e há muitos militares que passam por aqui.

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 20:01
link do post | comentar
82 comentários:
De JAlves a 30 de Outubro de 2008 às 20:53
O Sr. General Loureiro dos Santos tem toda a razão em lançar este aviso... A instituição militar tem de ser devidamente honrada pelo Estado, e os militares e famílias devidamente apoiados.
De Luís Castro a 30 de Outubro de 2008 às 23:09
Visto.
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 01:36
Sabia que este post te iria merecer um comentário...
Ab.
LC
De JAlves a 31 de Outubro de 2008 às 08:19
Tinha que ser! Podia dizer muito mais, mas... fico por aqui. Por enquanto...
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 11:04
Zé,
diz o que te vai na alma!
De resto, se reparares, não estou a responder aos comentários, mas sim a ouvir (lendo) o que voc~es acham sobre o assunto.
estou a absorver...
Ab.
LC
De CN a 1 de Novembro de 2008 às 12:07
OLá.
Creio que se esqueceu de terminar a sua frase/raciocínio.
Acho que queria dizer que o Estado tem que honrar todos os portugueses e suas famílias. (Não se esqueça que o Estados somos todos nós!)
Concordo plenamente que as Forças Armadas fazem falta a um país. Infelizmente! MAS, não vamos fazer destas pessoas (militares) as mais importantes do país!
Outra coisa: os militares são voluntários, como tal, estão lá porque querem; podem sempre procurar outro emprego.
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:24
Visto.
LC
De MP a 30 de Outubro de 2008 às 21:35
Diria que este é o último aviso dos militares.

O facto de o Sr. General Loureiro dos Santos e do Sr. General Garcia Leandro assumirem e darem voz ao descontentamento que impera é o último aviso à classe política reinante e ao (d) Governo que está.

Não esquecer os passeios, passeatas e outros «ajuntamentos» de militares dos 3 ramos das Forças Armadas.
Algo está "terrívelmente podre no Reino de Portugal".

Para além da consecutiva perda de compra (inclusive no que se refere à parte de assistência médica aos próprios e aos familiares - a assistência aos familiares decorria da baixa remuneração que auferiam ...), falta de reconhecimento na progressão de carreira, acresce a situação ultrajante para com os ex-combatentes do Ultramar, que será um paradigma para com eles próprios: "Será que nos vai acontecer o mesmo?".

São um conjunto de questão que têm que ser devidamente ponderadas e que não podem ser, de forma alguma, negligenciadas pelo OGE 2009!! Mas, na realidade o que sucede é que OGE 2009 sofreu um corte substancial na Defesa ...!!
Ora, o Ministério da Defesa não pode "fazer milagres" se a verba não for disponibilizada!
É uma situação de "dead end".

As nossas Forças Armadas actuais, são constituídas por voluntários, ou seja, só aqueles que realmente pretendem seguir a carreira militar se alistam, e por tal, devem ter as condições necessárias ao desempenho das suas funções com qualidade e dinamismo, e devem ser acima de tudo respeitados, pois são eles os garantes da nossa legítima defesa enquanto Estado/Nação. A eles cumpre garantir a nossa integridade territorial.

O meu reconhecimento e saudações ao Sr. General Loureiro dos Santos e ao Sr. General Garcia Leandro pela hombridade e intregridade com que assumiram uma questão tão difícil e, porque não dizê-lo abertamente, politicamente incorrecta!
De Luís Castro a 30 de Outubro de 2008 às 23:09
Visto.
LC
De JAlves a 31 de Outubro de 2008 às 08:23
Concordo com tudo o que disse! E deixe-me acrescentar que, para além dos militares no activo, temos o dever de olhar para os que se reformam e tb para os ex-combatentes...
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 11:06
Visto.
LC
De MP a 31 de Outubro de 2008 às 14:40
Agradeço as suas palavras
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 17:36
Visto.
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 10:55
Visto.
LC
De Diana Castro, a 30 de Outubro de 2008 às 22:13
Boa noite,
desculpe a invasão mas precisava de lhe perguntar uma coisa e n quis ligar, optei pelo mail ou neste caso, blog.
Vi na net que a rtp é responsavel pela imagem do ruca, n me poderá dizer a quem me poderei dirigir, responsavel pela produção da imagem do ruca? Com o objectivo de promoção e prevençao da saude oral junto de crianças carenciadas.
obrigada,
Diana Castro (não sei se estará a ver quem sou, estagiária médica dentista)

De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 01:06
Que surpresa!
Liga para o meu telemóvel, até porque tenho uma explicação a dar por ainda não ter aparecido para a consulta.
Bjs
LC
De Paulo Viana a 31 de Outubro de 2008 às 11:12
Acho este aviso do Sr. General um exagero , as coisas não estão boas, mas ainda não chegaram ao ponto de se pensar em alguma revolução, até porque 75% das forças que integram as nossas forças armadas são "profissionais" e têm como principal objectivo apenas fazer o seu trabalho e receber o seu ordenado ao final do mês. Dito as coisas assim até parece que são mercenários, mas neste tempo de crise o espírito de missão foi para as ortigas... e ou contrario do que se pode pensar as regalias não são assim tantas, pois á parte da assistência á saúde , que cada vez é menor, os militares não têm mais nenhuma regalia.
Abraços
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Acho este aviso do Sr. General um exagero , as coisas não estão boas, mas ainda não chegaram ao ponto de se pensar em alguma revolução, até porque 75% das forças que integram as nossas forças armadas são "profissionais" e têm como principal objectivo apenas fazer o seu trabalho e receber o seu ordenado ao final do mês. Dito as coisas assim até parece que são mercenários, mas neste tempo de crise o espírito de missão foi para as ortigas... e ou contrario do que se pode pensar as regalias não são assim tantas, pois á parte da assistência á saúde , que cada vez é menor, os militares não têm mais nenhuma regalia. <BR>Abraços <BR class=incorrect name="incorrect" <a>P.V</A> .
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 17:34
Visto.
LC
De GorgeousMind a 31 de Outubro de 2008 às 11:58
Bom Dia Luís!

Sou filha de militar, a minha Mãe trabalhou como assitente social no EMGFA - IASFA e, eu só não fui parar ao Instituto de Odivelas por um triz. Hoje, sou o reflexo de toda a influência que a instituição militar me proporcionou (umas vezes boa, outras má). Fico, FRANCAMENTE DECEPCIONADA quando vejo que se tenta terminar com certas coisas na sociedade portuguesa.

Bjs
GorgeousMind
De GorgeousMind a 31 de Outubro de 2008 às 12:12
Luís,

O link está errado!

Bjs
GorgeousMind
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 17:35
Mesmo assim não dá.
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 17:35
Bjs.

*Desta vez não estou a comentar.
Apenas a absorver as vossas opiniões...
LC
De CN a 1 de Novembro de 2008 às 12:49
Olá.
Disse: "FRANCAMENTE DECEPCIONADA quando vejo que se tenta terminar com certas coisas na sociedade portuguesa."
Veja isto:
Um Estado a quem ninguém quer "dar" também ele não o poderá fazer!
Não concordo que um "pai" sustente um filho toda a vida. O filho tem que fazer por ele próprio.
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:26
Visto.
LC
De GorgeousMind a 3 de Novembro de 2008 às 10:44
Olá CN!

Disse: "... Um Estado a quem ninguém quer "dar" também ele não o poderá fazer!"

Sabe o que representam as Forças Armadas de um país? Servem o país! Sempre! E se for preciso com a sua própria vida!

Olhe, sabe uma coisa... não discuta o que desconhece!
De CN a 3 de Novembro de 2008 às 12:16
Olá.
Quem disse que não conheço?
De mim, da minha vida e do que conheço, sei eu.
Quanto a dar a vida- onde está o cenário de guerra em Portugal? Quem não dá a vida na sua profissão?????
O bombeiro, morre nos incêndios, etc; o médico, enfermeiro correm o risco de contaminação; os polícias arriscam a vida todos os dia e morrem no CUMPRIMENTO DO DEVER; o electricista morre, etc...............
Já disse e repito: não vamos dar demasiada importância a quem não a tem. Os militares não são mais nem menos do que qualquer outro cidadão. E digo mais, as altas patentes das Forças Armadas são um prejuízo ao país; absorvem demasiadas verbas e não servem para nada. Faça-se uma reestruturação das Forças Armadas de forma a ficarmos com militares para uma eventual guerra. Há demasiada gente a viver à custa do Estado por terem, um dia, feito alguma coisa pelo país. Acabem-se com as mordomias! Acabe-se com os soldados a tratarem dos cavalos dos "Coronéis" e das respectivas filhas!
Não há nenhuma pessoa ou profissão num país mais importante que as demais! todos fazem falta! todos são importantes! os soldados vão para a guerra calçados e vestidos com o que alguém fez; comem o que alguém produziu!! Certo?
Há demasiada prepotência e arrogância neste pequeno país.
Entenda-se que não tenho nada contra os militares; mas não posso "engolir" determinadas coisas. É à custa de certas mentalidades que o país está como se vê.
(...)
De GorgeousMind a 3 de Novembro de 2008 às 16:35
Creio que está a deturpar aquilo que aqui se está a discutir. Como tal para mim é end of discussion.
De GorgeousMind a 3 de Novembro de 2008 às 16:40
Só uma coisa...

Não me lembro de ter tido nenhum cavalo... rs...rs...rs...

Pronto agora é que é end of dicussion
De Luís Castro a 3 de Novembro de 2008 às 16:56
Estou a assistir...
Bjs e abraços para os dois.
LC
De CN a 3 de Novembro de 2008 às 18:02
Permita-me.....
Desculpe só mais estas palavras.
Expressei-me de maneira mt "forte" pq é daqueles assuntos q mexe mt comigo. Quando faço comentários tenho o hábito de falar para o geral. Não a conheço, logo, não sei o q se passa ou passou consigo, se teve ou não cavalo. Falei no geral e certamente sabe q estas coisas e outras existem e MUITO. Coloque-se de "fora" e olhe p dentro das Forças Armadas como espectadora, verá q há coisas q não fazem sentido; ainda mais num país POBREEEEEEEEE e mal gerido. Nem a sra nem nenhum português quer melhor para o país q eu. Lei-a com calma tudo o q escrevi e veja se não há "alguma verdade".
De Luís Castro a 3 de Novembro de 2008 às 21:31
Visto.
LC
De Luís Castro a 3 de Novembro de 2008 às 16:55
Visto.
LC
De Luís Castro a 3 de Novembro de 2008 às 16:51
Visto.
LC
De Luís Castro a 3 de Novembro de 2008 às 16:49
Visto.
LC
De Sónia Pessoa a 31 de Outubro de 2008 às 17:01
Sem querer retirar quaquer direito à reivindicação, desânimo e luta de direitos por parte dos militares... não estamos nós, a grande maioria dos portugueses, numa situação igual?... estagnados, insatisfeitos, sem perspectivas?...
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 17:37
Pois...
Bjs
LC
De MP a 31 de Outubro de 2008 às 19:09
Desculpe "meter a colher"!

Tem toda a razão ao dizer que os restantes portugueses estão na mesma situação, ou até pior, mas uma coisa é certa, quem tem "os canudinhos" são eles!!
De Sónia Pessoa a 31 de Outubro de 2008 às 20:12
e isso significa o quê?... para que eu não faça falsas interpretações...
De MP a 31 de Outubro de 2008 às 20:23
Isso, significa que quem tem as armas são os militares.

O descontentamento militar quando pressionado durante muito tempo, e de forma inconsequente, acaba invariavelmente por trazer grandes dissabores.

Luís Salgado de Matos lançou ontem um livro muito interessante, dado o contexto actual:
http://2.bp.blogspot.com/_IDQKk7xQ6m4/SQo2Nd9cgbI/AAAAAAAADL8/D5dc38SYHoI/s400/2008-10-08-golpes-militares.jpg

A classe política dominante devia lê-lo.
De Sónia Pessoa a 31 de Outubro de 2008 às 21:00
Não tenho emprego estável desde há cinco anos, estou desempregada desde há dois, não tenho canudinhos iguais aos dos militares, apena um curso superior que não me vale de grande coisa... ou seja, também eu estou revoltada, estagnada, ainda por cima sem remuneração, e isso não me dá o direito de proporcionar a quem quer que seja algum dissabor a propósito da injustiça que é estudar tantos anos para não ter emprego... posso sempre usar da minha liberdade de expressão e mostrar o meu descontentamento, mas não posso, não devo, fazê-lo através de actos extremos ou menos próprios. Nenhum militar de canudinhos ~na mão tem mais contas para pagar ao fim do mês do que eu... é certo que ele defendem o país, são os que estão na linha da frente, mas essa foi uma opção pessoal de cada um deles e esse não deve ser o motivo principal das suas reivindicações. E que fique bem claro que não tenho nada contra os militares, as suas queixas e reivindicações, apenas quero mostrar que não são só os militares que estão descontentes, estamos quase (sublinho quase) todos nós.
Abraço
De JAlves a 31 de Outubro de 2008 às 21:36
Tem toda a razão para estar descontente com a sua situação e, diz muito bem, pode usar a liberdade de expressão para mostrar o seu descontentamento! Não se esqueça que os militares não podem fazer manifestações, e enquanto no activo não podem exprimir-se livremente...Portanto...existem diferenças.
De Sónia Pessoa a 31 de Outubro de 2008 às 21:48
nesse ponto, dou a mão à palmatória...
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 22:21
Visto.
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 22:21
Visto.
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 22:14
Visto.
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 22:18
Visto.
LC
De MP a 31 de Outubro de 2008 às 22:24
Sónia,

Bem sei como isso é.
Quem não é a favor, invariavelmente é "contra", daí ao resto, vai um micro passo.
Este país está a cair de maduro.
Não muda.
Não arreda pé daquilo que está.
Parece-me que a única alternativa é sair daqui e ir para outro país. Eu pelo menos, estou a pensar nisso.

Parece-me que aquilo que refere, e aquilo que os militares referem, vão no mesmo sentido.

Antes de responder-lhe li o comentário de JAlves, e também ele tem razão.
Os militares não podem fazer manifestações, o que significa que apenas podem promovem umas tertúlias simpáticas para tomar um cafézinho na Suiça.
Já as outras profissões podem manifestar-se "abertamente", a designada 'liberdade de expressão'

Ora, ao invés de cada um estar descontente para seu lado, porque é que não se juntam os descontentes todos, e apresentam um descontentamento conjunto?
Os chineses têm um ditado muito sábio: a união faz a força.

Enfim, posso resumir tudo aquilo que se passa no país àquilo que Ramalho Ortigão disse há 135 anos atrás, nas Farpas!!

"O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os carácteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido. Não há instituição que não seja escarnecida.

Ninguém se respeita. Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Ninguém crê na honestidade dos homens públicos. Alguns agiotas felizes exploram. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.

O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo. A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências. Diz-se por toda a parte: o país está perdido!"


Bjs

Margarida
De Sónia Pessoa a 31 de Outubro de 2008 às 22:36
Margarida, apesar de tudo eu ainda sonho com um mundo melhor! E muito embora não tenha nada a ver com os assuntos de que aqui falamos, deixo isso bem expresso nos livros que escrevo para crianças... estou só à espera da confirmação da data do lançamento do meu primeiro livro infantil e faço questão de que todos vós apareçam por lá... por um instante que seja, podemos sempre sonhar com um mundo melhor! Beijinhos
De Sónia Pessoa a 31 de Outubro de 2008 às 22:37
desculpa Luis, deste pequenino uso abusivo do teu espaço. Beijinhos
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:03
De nada.
Bem antes pelo contrário.
É sempre enriquecedor!!
Bjs
LC
De MP a 31 de Outubro de 2008 às 23:28
É assim mesmo! :)
Parabéns, que tudo corra bem é o que desejo

Bjinhos
------------------
Ao Luís,

Desculpa

Isto é que vai um debate animado :))

Bjs
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:11
Bem pelo contrário.
Desta vez estou na plateia a assistir.
Bjs
LC
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:02
Visto.
LC
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:00
Visto.
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 22:07
Visto.
LC
De Jorge Soares a 1 de Novembro de 2008 às 00:02
Agora sou eu que peço desculpa por meter a colher, talvez eles tenham as armas, mas duvido que tenham munições para as utilizar.

Eu vi a reportagem na televisão, e para ser sincero fiquei com vontade de rir, na sociedade actual até os camionistas tem maior capacidade de parar o país do que os militares.

Não percebo onde alguém quer chegar com esta conversa, mas se alguém levar esta conversa a sério... é porque essa pessoa vive noutro mundo,..que deve ser onde vive o General Loureiro dos santos.

Como se percebe do que diz a Sónia, o país tem muitos problemas reais, há muitos portugueses com problemas sérios.

E sim, eu acho que o dinheiro que utilizamos nas forças armadas seria muito melhor empregue em resolver problemas reais.

Jorge Soares
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:13
Visto.
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 22:05
Porque sou amigo do general; porque tenho muitos amigos militares e porque sei coisas sujeitas ao sigilo profissional - mas nada de substancial, não te assustes!!!
Bjs
LC
De Luís Castro a 31 de Outubro de 2008 às 20:43
Visto.
Lc
De Filipe Domingos a 31 de Outubro de 2008 às 23:12
São umas declarações lamentáveis, vindas de uma pessoa que me habituei a considerar e me parece séria.
Então os militares com todas as mordomias que têm ainda se queixam? Bons salários, boas regalias, boa saúde, salários garantidos a tempo e horas, etc.etc...
Quem tem razões para estar descontente são aqueles que auferindo o salário mínimo nunca sabem se no fim do mês vão receber. Esses , ou outros que podem ganhar mais alguma coisa ou aqules que já nem emprego têm. Ou não será meus senhores? Acham que não estão bem , paciência, todos nos queixamos do mesmo. Não pode haver cidadãos de primeira e de segunda.
Há crise, todos estão a apertar o cinto e os senhores queriam estar fora do baralho. Não pode ser, tenham pelo menos um bocadinho de respeito por aqueles que infelizmente estão muito pior .
É de lamentar que o senhor Presidente da República, enquanto chefe supremo das Forças Armadas, ainda não tenha vindo a terreiro dizer que o PREC já lá vai, que no século XXI não é legitimo os militares virem com ameaças, dizendo que podem tomar atitudes irrefletidas. Isto é caso para o RDM.
Haja decoro meus senhores!!!!
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:05
Visto.
LC
De CN a 1 de Novembro de 2008 às 11:47
Olá Luís!
Não era para comentar este post mas como diz que passam por aqui militares...
Não faço ideia do que se passa no seio das Forças Armadas mas, vejo que Portugal está numa grande crise, logo, é natural algumas coisas não "estejam bem".
Nesta Democracia com mais de trinta anos, vários governos têm passado pelo poder e muitos erros de gestão se têm cometido e continuam a cometer.
Quanto às Forças Armadas: vivemos num país que, felizmente, para sair da crise, não entra em guerras (como os EUA, por ex.), assim, num contexto de "paz", o papel das Forças Armadas fica um pouco para segundo plano, visto que não faz muita falta. Se olharmos bem para as nossas Forças Armadas, vemos que grande parte das verbas vão para pagar as "altas patentes"; inúmeros veteranos de guerra que auferem vencimentos altíssimos e demasiadas mordomias. Há "Generais" a mais! O que é certo é que são pessoas "muito importantes" e os Governos não têm coragem de se meter com eles!
Quanto às atitudes que podem "pôr em causa a democracia portuguesa"- vão fazer o quê? outro golpe de Estado? para entregarem o poder a quem? Acho que devem acalmar-se e só pelo facto de se verem com muitas armas na mão não se devem achar os donos do país!
É certo que o país precisa de muitas mudanças; precisamos de uma classe política mais "capaz" e menos presa a "lobis", se isso for possível. Precisamos de adaptar as Forças Armadas; Forças de Segurança; Justiça; Educação; Saúde, etc. às novas realidades do país e do mundo.
As Forças Armadas, como estão, são um poço sem fundo em verbas e não temos militares para uma Guerra, se for preciso.
Mais uma coisa: não são só os militares que estão a perder poder de compra e que estão a sentir esta crise; na função pública há mais pessoas que se sentem enganadas, defraudas, sem apoios, etccc.............
Até uma próxima.
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:23
Abraço.
Visto.
LC
De bluewater68 a 1 de Novembro de 2008 às 16:20
Boa tarde Luis Castro,
peço desculpa se vou repetir uma referência a um texto que fiz sobre a PSP (não me lembro se já aqui o tinha referido). Mas há dias, escrevia assim:
«Imagine que estava a trabalhar longe de casa, alojado num local onde você desejaria estar o menor tempo possível.

Imagine que tinha de pagar por uma farda que teria de usar todos os dias para poder trabalhar.

E Imagine que pagava reparações do seu bolso na viatura de serviço atribuída, apenas para evitar um processo disciplinar.

Por fim, imagine o seu estado de espírito quando fosse trabalhar e qual o empenho que estaria disposto aplicar no exercício das funções.»
(http://sol.sapo.pt/blogs/bluewater68/archive/2008/10/15/PSP_2C00_-Imagine_2620_.aspx)
Aqui leio «alertando para a possibilidade de algumas atitudes poderem pôr em causa a democracia portuguesa»
Mas o que é isto? Senhores das Forças Armadas a fazerem ameças? Sim, isso para mim é uma ameaça. Podendo ameaçar porque possuem armas? Mas o que é isto?
E todos os da PSP, GNR e afins, que têm inúmeros problemas e sofrem bastantes injustiças? E todos os Juízes que trabalham em condições deploráveis? E todos os Funcionários Públicos que acabam por ser mal vistos e que acabam por também trabalhar em condições que aqueles que os criticam nunca gostariam de ter? E todos os desempregados, vítimas do fecho de fábricas?
Possibilidade de algumas atitudes poderem pôr em causa a democracia portuguesa?
Quem disse isso não é gente honrada, e não merece estar a representar as nossas Forças Militares. Tenham vergonha! Sobretudo, olhem à sua volta e tentem ver os problemas dos outros. Não julguem que são o centro das atenções. Esse tempo já lá vai.
Cumprimentos
De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:45
Visto.
LC
De bluewater68 a 1 de Novembro de 2008 às 21:05
Luis Castro,
mais um pedido de desculpas por poder estar a exagerar na ocupação do seu blogue, mas ainda queria acrescentar um ponto.
Em tempo escrevi sobre um tradeoff clássico, desigando por 'Armas ou Manteiga'. Quanto mais se gasta em armas (Defesa Nacional), menos se pode gastar em manteiga (bens de consumo), mas há a necessidade de se gastar em armas para proteger a produção de manteiga.
Isto a propósito da aquisição dos famosos submarinos.
Segundo uma notícia de Janeiro deste ano, o registo contabilístico da despesa com a compra dos dois submarinos vai ‘rebentar’ com o défice orçamental em 2010. Como estes navios são entregues a Portugal em 2010, o Governo é obrigado, segundo o Eurostast, a registar nesse ano os 973 milhões de euros, com juros incluídos, gastos na sua aquisição. Como o custo dos submarinos representa 0,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), em 2010 o défice das contas públicas aumentará de 0,4 por cento, previsto no Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC), para 0,9 por cento.
Além disso, segundo várias fontes conhecedoras do meio militar, os custos de manutenção serão elevados ao longo dos 32 anos de período de vida útil daqueles navios. Mas neste momento, o Ministério da Defesa não celebrou nenhum contrato de manutenção para os submarinos e desconhece a despesa que tal implicará nos próximos anos.
973 milhões de euros é muito dinheiro. Se uma pequena parte desse dinheiro fosse aplicada na melhoria das condições dos militares, e a grande parte na melhoria de muitas condições sociais, não seria uma decisão sensata?
Armas ou Manteiga?


De Luís Castro a 1 de Novembro de 2008 às 21:57
As duas coisas, sem dúvida.

E escrevam sobre tudo e sobre nada.
O blog é de todos!!!
Eu é que agradeço e o espaço fica mais rico.
Abraço
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds