Terça-feira, 4 de Novembro de 2008

Vai continuar preso

O Tribunal Criminal de Chester confirmou a detenção até 13 de Janeiro do camionista português. Paulo Silva, de 46 anos, está acusado de "homicídio provocado por condução perigosa".

  

 Foto AP

 

Na noite de 20 de Outubro, o português esteve envolvido num aparatoso acidente naquela que é uma das mais perigosas auto-estradas inglesas, a M6.

Do embate com um monovolume resultou a morte imediata de uma família inglesa de seis pessoas.

 

Na audiência de hoje, apenas foi pedido ao camionista português que confirmasse o nome e a morada. Para presidir ao julgamento – já marcado para 9 de Fevereiro – foi nomeado um magistrado de um tribunal superior, o que acontece em casos mais complicados ou graves.

 

Segundo a lei britânica, o "homicídio provocado por condução perigosa" é punido com multa, proibição de conduzir e pena de prisão até dez anos.

 

 Luís Castro

publicado por Luís Castro às 16:05
link do post | comentar
17 comentários:
De Ana Cristina Brizida a 4 de Novembro de 2008 às 21:45
Olá Luís,
Nestas situações as leis inglesas são muito mais rígidas do que as portuguesas, se fosse cá em Portugal o condutor do pesado seria mandado para casa com a inibição de conduzir.
O Sr. Paulo Silva vai ter de ficar detido até ao dia 13 de Janeiro de 2009 irá a uma audiência e aí ele dirá se se considera culpado ou não. Só a partir dessa data se iniciarão as investigações e apuramento dos factos, (estado da via, distância de segurança entre o veículo pesado e o monovolume, verificação do tacógrafo, audição de testemunhas, etc.).
Mas infelizmente o nosso compatriota já está a pagar a maior das penas… estar envolvido na morte de uma família inteira – 6 pessoas – e psicologicamente deverá estar arrasado. Estavam todos na hora errada no lugar errado.
Ele está a ser devidamente acompanhado pelo nosso representante em UK e por alguém da empresa para a qual trabalha?

Bjs
Cris
De Luís Castro a 4 de Novembro de 2008 às 23:39
Julgo que sim.
A empresa para a qual trabalha.
Sobre o resto, reconheço, custou-me ver aquela imagem do camionista curvado e algemado.
As leis são para cumprir, mas não digam que só a nossa justiça é lenta!
Bjs
LC
De Luís Castro a 5 de Novembro de 2008 às 19:59
Visto.
LC
De Pedro Oliveira a 5 de Novembro de 2008 às 08:47
Também concordo que as leis são para cumprir ,mas ver o homem a ser tratado como um criminoso da pior espécie, confesso que me custou muito.
De Andre Ramos a 5 de Novembro de 2008 às 09:35
De certa forma tenho confiança no sistema judicial britânico. E se for o caso de a condução ter sido mesmo perigosa, leia-se "criminosa", o ser tratado como tal é apenas ajustado.
O que não está certo é que antes das averiguações estarem completas já estar a ser tratado como culpado. Mas convenhamos que a nossa polícia ou outra qualquer não faria menos a um forte suspeito de um homicídio de 6 pessoas.
De Luís Castro a 5 de Novembro de 2008 às 20:05
Por cá não acontece o mesmo...

Pivô de uma reportagem hoje emitida na RTP:

"Faz hoje um ano que morreram 17 pessoas num acidente que envolveu um autocarro na A23. O Ministério Público considerou a condutora do veículo ligeiro culpada do acidente, mas o advogado da maioria dos familiares das vítimas já pediu a abertura da instrução. A fase de julgamento pode demorar anos..."

Está tudo dito.
LC
De Luís Castro a 5 de Novembro de 2008 às 20:02
Também a mim.
Ab.
LC
De José Fernandes a 5 de Novembro de 2008 às 09:58
Bom dia Luís,

Não vou comentar o facto de o camionista ser culpado ou não. Não tenho esse direito.
Comento apenas a diferença que existe entre Portugal e outros países em casos semelhantes a este ocorrido em Inglaterra.
Lembras-te do atropelamento feito por um taxista alcoolizado (e que não parou) a 4 meninas numa passadeira no Porto ? Sabes o que aconteceu ao taxista ? - Nada - no dia seguinte continuou a conduzir... e neste momento aguarda as consequências.
Não fico contente quando alguém é detido, mas fico triste quando vejo alguém morrer ou ficar ferido e marcado para o resto da vida.

Abraço
JF

De Luís Castro a 5 de Novembro de 2008 às 20:06
E o que aconteceu na A23 onde morreram 17 pessoas.
Ab.
LC
De José Fernandes a 6 de Novembro de 2008 às 10:02
Bom dia Luís,

Tens toda a razão.
Quando estava a comentar não me recordei, mas vi depois na RTP, que ontem fazia um ano que aconteceu o acidente na A23.
E um ano depois o que aconteceu ? Nada...
Como é normal neste país está em processo de inquérito ou segredo de justiça, que como quem diz na gíria "está a andar"

Abraço
JF
De Luís Castro a 6 de Novembro de 2008 às 17:44
Outro.
LC
De Alberto Fernandes a 5 de Novembro de 2008 às 12:14
Estimado Luís

Os carros são armas autênticas, ainda mais os camiões. Todos nós vimos nas estradas verdadeiros assassinos ao volante. Quem, até hoje, ainda não teve de FUGIR de um camião para não ser albarroado? Tenho pena do camionista pelo sucedido mas lamento profundamente as vidas que foram ceifadas prematuramente. Quantas crianças morrem vítimas de acidentes de viação ser ter sequer a possibilidade de viverem com as suas famílias? Temos de ser responsabilizados pelos nosso actos, sejam eles quais forem. Abraços Luís
De Luís Castro a 5 de Novembro de 2008 às 20:09
É verdade.
Mas fiquei tocado pela foto e pelo drama daquele homem.
Ab.
LC
De GorgeousMind a 6 de Novembro de 2008 às 10:22
Confesso que me é difícil ver alguém na situação deste homem. A sua vida nunca mais vai ser a mesma, e vai ser difícil viver...
Mas, quando penso nas outras 6 pessoas, caramba... o que lhe terá passado pela cabeça, ou o que o levou a fazer aquilo que fez para ceifar 6 vidas. Uma verdadeira tragédia!

Bjs
GorgeousMind
De Luís Castro a 6 de Novembro de 2008 às 17:45
certamente não o fez propositadamente.
E também tem família.
Bjs
LC
De Paulo Maia a 11 de Novembro de 2008 às 15:03
Olá Luís ,

Neste caso não posso concordar contigo, acredito que não tenha tido intenção de matar 6 pessoas, mas matou.
Vou a Inglaterra frequentemente, e não acho que se conduza melhor que em Portugal, pelo contrario, penso que são mais agressivos ainda, mas quando acontece algo semelhante a este caso, eles não olham se é português , chinês , turco, indiano ou inglês , vai logo dentro e espera o julgamento.
Vi vários casos nas noticias em Inglaterra, e o resultado foi sempre o mesmo.
Agora, Portugal, pais de brandos costumes, fica-se a aguardar julgamento cá fora, quem sabe a cometer as mesmas irresponsabilidades. Nunca me esquecerei de ter 10 ou 11 anos e ir ao funeral do irmão de um amigo meu que foi atropelado com apenas 9 anos, claro que ele não podia atravessar onde atravessou, mas a imagem ficou gravada para sempre.

Um abraço

Paulo Maia
De Luís Castro a 11 de Novembro de 2008 às 16:17
Paulo,
não faço opinião no texto do post.
É meramente factual e tem apenas os dados considerados como "valor-notícia".
Mas, pessoalmente, não discordo de ti. Nos comentários apenas digo que me deixou pena a foto do homem algemado.
O que estamos agora a discutir - e vamos ver se não haverá razão para tal - é que há dados que estão a ser revelados e que podem levar à conclusão de que houve uma atitude diferente por parte das autoridades inglesas face à nacionalidade do camionista.
vamos ver.
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds