Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2009

Isto faz-se?

“Primeiro defendo os da casa!”

 

 

 

Jardim cortou o acesso ao emprego a cidadãos de países não comunitários.

 

Apenas 20 trabalhadores extra-comunitários podem ser contratados na Madeira e só no caso de não aparecerem candidatos portugueses ou vindos da UE.

 

O Governo Regional terá limitado às empresas do arquipélago o número de contratações de trabalhadores extra-comunitários através do centro de emprego da Madeira.

 

Luís Castro

Categorias: ,
publicado por Luís Castro às 10:29
link do post | comentar
45 comentários:
De luisa marques a 17 de Fevereiro de 2009 às 15:06
luís... borrifando-me para o psd, ps e afins... não se esqueça...como jornalista independente que deve ser -... de noticiar as palavras do civilizado trabalhista gordon brown... e de estar atento ao que mais virá por aí... ok?VISTO?!
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 15:41
Luisa,
não entendi a do gordon brown nem a do visto.
Explique melhor, pf.
Obrigado e desculpe.
LC
De bluewater68 a 17 de Fevereiro de 2009 às 15:15
Luis Castro,
se os milhares de Madeirenses espalhados pelo mundo, fossem devolvidos à sua terra, por falta de trabalho devido existência de cotas - não confundir com xenofobia, claro está - talvez o Alberto tivesse outra opinião.
O que me chateia solenemente é dar tempo de antena a este Tirano.
Cumprimentos
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 15:42
O problema (ou não) é que isto não está a acontecer apenas na Madeira.
Espanha tb vai pelo mesmo caminho.
Por isso pergunto se isto se faz.
Bjs
LC
De bluewater68 a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:13
Luis Castro,
desconhecia que medida idêntica pudesse andar a ser implementada pelos nossos vizinhos.
Mas sendo assim, a minha resposta é: não se faz.
Ainda noutro contexto, queria dar os parabéns ao Luis por uma coisa muito simples: Por receber todos os visitantes de braços abertos (salvo seja) e por não ter problemas em receber todos os comentários. Ao contrário de outros, que colocam os comentários em modo de pré-aprovação ou que bloqueiam mesmo o seu registo, o Luis sempre autorizou que todos aqui escrevessem de forma livre. Espero que nunca mude essa atitude.
Quanto ao resto, quando se vai a um blogue alheio, é importante saber discutir ideias e opiniões. E quando se 'entra a matar' ou quando não se pretende discutir ideias, não se pode esperar outra coisa que não seja ser ignorado. É assim que eu faço no meu blogue. E em alguns casos, até recomendo um Rennie ou Kompensan, tal é a azia que eu sinto em algumas escritas.
Desculpe este comentário fora do tema.
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:27
Há dez meses que é assim: aceito todoas os comentários e a todos respondo.
Quando não tenho tempo, nem que seja dando um sinal de que os li.
Este espaço é de total liberdade, mesmo que seja para me criticar.
Não sou dos que peço críticas à espera de ser louvado.
Bjs
LC
De GorgeousMind a 17 de Fevereiro de 2009 às 17:59
É verdade. Eu, pessoalmente, gosto muito do "Visto. LC".
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 22:55
Pois,
quer dizer que o vi.
rs...rs...rs...
LC
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 22:55
mehor, que o li.
LC
De Escritos Dispersos a 18 de Fevereiro de 2009 às 09:38
O "Visto" parece um [solene] acto administrativo... e parece representar concordância ou acolhimento.

Fica bem "Visto"! :)
De GorgeousMind a 18 de Fevereiro de 2009 às 16:48
Para mim, não. É mais do que um acto administrativo. Vou-lhe contar uma história recente... A semana passada levei o meu carro ao mecânico para arranjar lá umas coisas, e ele emprestou-me um carrito que lá tinha na oficina para eu me orientar e não transtornar a minha vida. Está a ver. Ele não tinha de me emprestar o carro. Não fazia parte das suas atribuições. Mas ele preocupou-se com isso.
Beijinho e fique bem!
De Luís Castro a 18 de Fevereiro de 2009 às 22:44
E por certo que lá vai voltar.
Bjs
LC
De Luís Castro a 18 de Fevereiro de 2009 às 22:10
Não está mal visto, não senhor!
Ab.
LC
De luisa marques a 17 de Fevereiro de 2009 às 15:47
anda desatento às palavras de gordon brown "empregos britânicos para os britânicos"? VISTO?!
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 15:53
Senhora Luisa,
posso ter opinião ou tb é das que gostaria de ver a democracia suspensa por 6 meses?
Volte sempre.
LC
De luisa marques a 17 de Fevereiro de 2009 às 15:57
está VISTO ... que enviar comentários para o blog do senhor luís de castro é uma perda de tempo... deve ser influência do "clima" da tv pública... falta de crítica! e quando não concordamos com a propaganda somos apelidados de direita ou de esquerda radical! VISTO: É MAIS UMA CABALA!

p.s. o que queria dizer é que não é só o paranóico oficial da madeira mas também supostos líderes civilizados de países ditos civilizados que defendem políticas semelhantes! PERCEBEU AGORA? BOA TARDE. ESTE BLOG ... É UMA PERDA DE TEMPO! BOA TARDE, BOA SORTE... SENHOR LUÍS E AMIGOS
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:03
Obrigado e boa viagem!
LC
De luisa marques a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:03
"Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem, ideias, relatos de casos de sucesso, denúncias, curiosidades e outros assuntos que possam merecer o interesse jornalístico.Peço-vos, no entanto, que escrevam de forma sucinta e que façam acompanhar os vossos textos de um contacto telefónico ou de um endereço electrónico.
Desta forma, o Telejornal passará a ter um pouco mais de todos. Vocês serão os nossos “olheiros”.
Se entenderem fazer eco deste desafio nos vossos blogues e fóruns de discussão, tanto melhor.
Obrigado a todos."
JÁ AGORA: O QUE FAZ O SEU COMETÁRIO QUANDO DIZ QUE ESTE BLOG NADA O VINCULA À RTP???? é por estas e por outras ... que o jornalismo vai de mal a pior neste portugal pequenito!
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:04
Não tinha dito que ia embora?
LC
De luisa marques a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:08
resolvi ficar... para ver se o discurso se "eleva"! "cheguei a uma altura em que como qualquer atacado por uma surdez progressista, não ouço senão um som: o da língua e o do discurso misturados". (Roland Barthes...)
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:24
Conto com o seu contributo... para elevar o debate.
LC
De luisa marques a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:36
"Edgar Morin cita um trecho de Robert Musil, em O Homem sem Qualidades, quando o personagem Arnheim pergunta: "Você não notou que nossos jornalistas ficam sempre melhores e nossos poetas sempre piores?" E tira sua conclusão: "Efetivamente, os padrões se enchem de talento, mas sufocam o gênio. Um copy desk do Paris-Match escreve melhor que Henri Bordeaux, mas não saberia ser André Breton."

De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2009 às 18:57
ui! a mulher passou-se! mas que azia minha senhora! existem formas bem mais eficazes de despejar tanta azia e frustação. Olhe, experimente a natação, o tricot, sei lá...

(Luís Castro, perdoe este aparte, mas é mais forte que eu!)

Margarida Rebelo
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 22:58
Bastante ácida/o, é verdade.
Bjs
LC
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 22:50
E com isso quer dizer que...?
LC
De GorgeousMind a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:20
Olá Luís,
Nunca mais como bolo de mel. Com bastante pena minha, diga-se...
Beijinhos
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:27
Coma.
É tão bom que ser perdoa o mal que faz pelo bem que sabe... rs...rs...rs...
LC
De Paulo a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:56
Acho muito bem.
É de homem.
Tal como ele, também sou contra certos rumos da globalização, nomeadamente os movimentos migratórios que apenas vão desgraçar os povos das nações vítimas da invasão.
Não é que seja contra a concorrência, mas a verdade é que há países em que as realidades sociais e económicas são tão diferentes que facilmente essas pessoas são escravizadas por pessoas sem escrúpulos e acabam por levar à escravização da população local, pela falta de emprego digno que dê estabilidade financeira a uma família. Ou o interesse da globalização é mesmo esse?
E esta, heim?
De Luís Castro a 17 de Fevereiro de 2009 às 22:52
Lá isso decisões com ele não faltam.
Ab.
LC
De Escritos Dispersos a 18 de Fevereiro de 2009 às 09:53
Não gosto do estilo [nem mesmo do "charuto..."], mas aprecio o desprezo, o desdém, o menosprezo com que trata os "cobardes", "medrosos", sem coragem,[supostos ou hipotéticos responsáveis políticos] que, por conveniência [receio das consequências], nem ousam fazer-lhe frente!
De Luís Castro a 18 de Fevereiro de 2009 às 22:12
E, seja como for, o certo é que ele vai sendo sempre eleito.
E de forma esmagadora.
LC
De umcasoraro a 18 de Fevereiro de 2009 às 10:12
Caro Luis,
Em primeiro lugar dizer-lhe que este blog ao estar aberto ao mundo sujeita-se a ter de aturar gentinha como esse(a) senhor(a) que decidiu cair aqui de paraquedas. Ainda por cima escreve em maíusculas que é sinal de gritos, só justifica mais o que há muito tempo penso, cultura não é sinal de educação!
Quanto a esse senhor já não sei que diga, no mínimo repugna-me!
O meu irmão está em Inglaterra, Londres, e não tem o emprego em risco porque ele trabalha no que os ingleses não querem trabalhar, tal como os estrangeiros que moram em Portugal trabalham no que os portugueses não querem trabalhar. E não me venham com tretas que se paga pior aos estrangeiros que aos portugueses, porque muitas empresas têm muita necessidade de funcionários e os portugueses desempregados não querem os trabalhos.
Falo com conhecimento de causa.
Uma empresa de jardins faz 30 entrevistas no Centro de Emprego a pessoas que supostamente sabem alguma coisa porque têm aquela formação em jardinagem dada (paga) pelo Centro de Emprego, supostamente também estavam disponíveis para trabalhar. Não ficou nenhum! Porquê? Uns só podem começar a trabalhar às nove, outros tinham de sair às cinco, outros tinham de fazer 15 km para chegar ao local de trabalho e era muito longe, outros porque não tinham transporte, outro porque tinha 40 anos e já estava a ficar velho (??), outros porque pensam que trabalhar em jardins é só limpar ervas nos canteiros. Enfim, se me contassem eu não acreditava, mas eu estava lá. E fiquei muito revoltada. Nenhum se queixou do salário proposto, para começar 600€ limpos, todos pagos legalmente, na folha.
Se não fossem os estrangeiros o meu marido já há muito tinha fechado a empresa!!!

De Pedro Oliveira a 18 de Fevereiro de 2009 às 10:35
O que diz é mais pura das verdades e acontece em todas as áreas.Precisei de alguém com experiência na área da Qualidade no sector automóvel(nem tudo fecha) e apareceram-nos várias pessoas que estão no desemprego que não aceitaram nossa proposta porque ganhavam mais da segurança social.É este o nosso país.
Quanto à senhora comentadora que aqui apareceu , cad um na vida como na blogosfera faz o papel que quer, o dela está à vista de todos.
De umcasoraro a 18 de Fevereiro de 2009 às 12:16
Creio que um dos grandes problemas do nosso país é fazermos das pessoas coitadinhas e arranjarmos sucessivamente maneiras de as sustentarmos sem elas fazerem o mínimo esforço para merecer!
Por exemplo, porque se paga a pessoas de 18 anos para tirarem o 9º ano quando tiveram a possibilidade de o fazer alguns anos antes e não o fizeram por preguiça?
Porque se paga rendimento mínimo a quem rejeita sucessivas ofertas de trabalho e não faz o mínimo esforço por se integrar?
Porque é que o Planeamento Familiar não aconselha a que casais sem rendimentos já com 4 filhos a fazerem uma vasectomia ou laquiação de trompas? Claro, quantos mais filhos mais dinheiro da Segurança Social e mais justificações para estarem em casa sem fazer nada e a receber da SS!!
O nosso país está imerso num imenso comodismo, onde nada se faz para mudar mentalidades e atitudes.
A pior pobreza deste País é a pobreza de espírito!!!
De Luís Castro a 18 de Fevereiro de 2009 às 22:26
É verdade que andam por ai algumas pessoas de costas ao alto a viver à custa de quem trabalha.
Mas tb há quem sobreviva graças a esses subsídios.
Há de tudo.
Ab.
LC
De Luís Castro a 18 de Fevereiro de 2009 às 22:23
Visto.
LC
De Luís Castro a 18 de Fevereiro de 2009 às 22:15
Infelizmente há muitos casos desses que nos chegam ao conhecimento.
O problema é que para o denunciar temos de estar lá.
LC
De Escritos Dispersos a 19 de Fevereiro de 2009 às 08:58
Olá, bom dia,

Perdoe-me a intromissão...

Conheço caso muito semelhante! Em quinze entrevistas conseguimos que uma candidata aceitasse!

Informei rigorosamente o Centro de Emprego dos motivos inocados para as catorze recusas!
De Escritos Dispersos a 19 de Fevereiro de 2009 às 08:59
Olá, bom dia,

Perdoe-me a intromissão...

Conheço caso muito semelhante! Em quinze entrevistas conseguimos que uma candidata aceitasse!

Informei rigorosamente o Centro de Emprego dos motivos invocados, pelas/os supostas/os candidatas/os a emprego, para as catorze recusas!
De Luís Castro a 21 de Fevereiro de 2009 às 13:59
Visto.
LC
De Luís Castro a 21 de Fevereiro de 2009 às 13:59
Ainda bem que o fez!
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds