Sábado, 18 de Abril de 2009

Há mais carecas... (parte II)

Os portugueses estão outra vez a passar mais “cheques carecas”.

A média é de 3 mil euros cada um.

 

 

Em 2008, os bancos recusaram 900 mil “cheques carecas”, o que dá uma média de quase 2 mil por dia.

75% dos casos deveu-se a falta de fundo.

 

Os números divulgados pelo Banco de Portugal contrariam a descida verificada em 2007.

 

A legislação portuguesa só considera crime a emissão de um cheque sem provisão se o montante do mesmo superar os 150 euros, sendo que os bancos não podem recusar-se a pagar cheques com um montante inferior, embora nestes casos o detentor da conta seja obrigado a regularizar a situação.

 

Por mim, há muito que abandonei o hábito de pagar ou receber com cheques.

Trago um na carteira, apenas para qualquer emergência.

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 12:50
link do post | comentar
16 comentários:
De José Fernandes a 18 de Abril de 2009 às 14:28
Boa tarde,

Já não me lembro da ultima vez que usei um cheque, e os que tenho já estão fora de prazo.
Os cartões são uma óptima solução de pagamento e não há risco para ninguém.
Bom fim-de-semana

Abraço
De Luís Castro a 19 de Abril de 2009 às 11:46
Obrigado e igualmente.
Continuas por Braga?
Ab.
LC
De José Fernandes a 19 de Abril de 2009 às 12:48
Sim, continuo a morar em Braga e a ir constantemente ao Porto. Digamos que sou um gajo do Norte, com pronúncia e tudo.

Abraço
JF
De Luís Castro a 20 de Abril de 2009 às 15:20
Pois eu continuo a trabalhar em Lisboa e a ir constantemente ao Porto.
Ab.
LC
De José Fernandes a 20 de Abril de 2009 às 21:38
É sempre bom regressar ás origens.

Quem vem e atravessa o rio, junto à Serra do Pilar...

Abraço
JF
De Luís Castro a 21 de Abril de 2009 às 20:29
E eu regresso todos as semanas. Ou quase.
Ab.
LC
De ETC a 18 de Abril de 2009 às 15:07
Olá Luís.
Creio que os cheques só existem ainda para criar "problemas" ao país.
Sou da opinião que devem deixar de existir ou, arranjar uma forma de saber, em tempo real, se têm cobertura. O mais fácil e económico para o país é acabar com os cheques. Nos dias de hoje já não faz sentido existirem. Para os "velhos do Restelo"... têm que se habituar às novas tecnologias.
Abraço
De Luís Castro a 19 de Abril de 2009 às 11:48
Por mim já passaram à História!
Bjs e bom fds.
LC
De Fatima a 18 de Abril de 2009 às 22:00
Pois Luís, mas estes números não incluem os dados como extraviados (uma desculpa comum dada pelo emitente), os de endosso irregular (quantas vezes de propósito), os que têm validade passada, e os que dizem aquela bonita frase:
"falta ou vicio na formulação da vontade".
De Luís Castro a 19 de Abril de 2009 às 11:44
Há desculpas para tudo, não é?
Há algum tempo que não te pergunto: como estás e por onde andas?
Bjs e bom fds.
LC
De Maria Araújo a 18 de Abril de 2009 às 22:46
Olá, Luís. Ouvi esta notícia e lamento que haja tanta gente por aí a ter uma vida boa à custa de muitos que precisam do dinheiro para cumprirem com as suas obrigações.
Desde que a existe o Euro que nunca mais pedi cheques no banco onde é depositado o meu vencimento.
Faço transferência bancária para um outro banco onde tenho o empréstimo da minha casa e outras obrigações.
Pago tudo com cartão e/ou em dinheiro. Levanto 3 cheques por ano, para uma emergência.
Além de os cheques ficarem caros, gosto de me ver livre de compromissos quando necessito de pagar algum valor mais chorudo.
É lamentável o que se passa neste país.
De Luís Castro a 19 de Abril de 2009 às 11:54
Na verdade, os cheques carecas são passados mais por trafulhice do que por necessidade.
Bjs
LC
De Pedro Oliveira a 20 de Abril de 2009 às 11:17
Eu só uso qd não há as máquinas milagrosas,de resto népia.
Os tempos não estão faceis para receber, é preciso muito cuidado com o recebimento em cheque.
De Luís Castro a 20 de Abril de 2009 às 15:22
Agora pior ainda!
Ab.
LC
De Ana Paula Albuquerque Almeida a 20 de Abril de 2009 às 13:17
Olá Luís,

Compreendo a recusa na aceitação de cheques, sobretudo num periodo tão conturbado como o que estamos a atravessar mas considero que o que está mal é a legislação. Normalmente, também trago 2 ou 3 na carteira para, tal como tu, utilizar numa emergência mas também nunca trago muito dinheiro comigo, por razões óbvias.
No sábado passado fui almoçar fora e no restaurante tinha o aviso da existência de multibanco e visa. Quando chegou a hora de pagar, a máquina estava avariada e não aceitavam cheques, alegando que a dona do restaurante não estava. Tive de ir ao único multibanco que havia por perto, correndo o risco de o mesmo estar fora de serviço. De facto, não me parece mal a utilização de cheques. O que deveria existir era acesso imediato a uma espécie de lista negra, de forma a controlar a emissão de cheques, entre outras medidas que poderiam muito bem ser tomadas.

Bjs
De Luís Castro a 20 de Abril de 2009 às 15:23
Como acontece com os cartões multibanco, de resto.
Bj
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds