Sexta-feira, 24 de Abril de 2009

Eu, revolucionário!

Se eu pudesse fazer uma revolução:

 

Presos reincidentes cumpririam pena até ao fim.

Reclusos teriam de pagar diária e gerar receitas para os gastos que provocam.

Para os autores de crimes mais violentos, punha-os a partir pedra nas pedreiras com grilhetas nos pés ou a limpar as florestas.

 

Cadeia para quem enriquece ilicitamente.

Penas pesadíssimas para os corruptos.

Condenação para quem difama.

Despedimento para quem fura o segredo de justiça.

Julgamentos num máximo de duas semanas.

Prisão perpétua para quem repetidamente demonstra não saber viver em sociedade.

 

Fortíssimo investimento nas forças de segurança.

Redução drástica do número de efectivos nas Forças Armadas.

Cuidados de saúde gratuitos para idosos e desempregados.

Educação gratuita até ao 12º ano.

Grandes empresas teriam de apoiar escolas e universidades.

Taxava as grandes fortunas.

Doava terras do Estado para quem as quisesse cultivar ou explorar.

 

Nacionalizava os bancos enquanto durasse a crise.

Proibia despedimentos em empresas com lucros.

Mandava para a cadeia os empresários que se aproveitem ilicitamente da crise.

Forte apoio a quem gera emprego.

Maior apoio à internacionalização das empresas portuguesas.

 

Acabava com as regalias dos gestores públicos em tempos de crise.

Ordenados por objectivos para gestores públicos com uma base máxima de 5 mil euros.

 

Reduzia número de deputados para 100 e ficariam em absoluta exclusividade.

Pagava a deputados e governantes o dobro do que ganham actualmente.

Após desempenharem os cargos, 2 anos de rigoroso regime de incompatibilidades.

 

Candidatos a PM teriam de anunciar previamente os três principais ministros: Finanças, Educação e Justiça.

Eleições simultâneas para reduzir gastos.

Sujeitava a referendos decisões estruturantes.

Referendava a República e a Monarquia.

Alterava o actual sistema político e…

 

… é melhor ficar por aqui!

 

Assustaram-se?

Também eu.

Ultimamente sinto-me um bocadinho revolucionário!

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 14:26
link do post | comentar
73 comentários:
De José Fernandes a 24 de Abril de 2009 às 15:00
Fico com a ideia que o teu actual livro de cabeceira é o "Manifesto do Partido Comunista" de Karl Marx e Friedrich Engels.
Estás a atravessar uma fase de socialismo utópico, mas concordo contigo em quase tudo.

Abraço
JF
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 13:19
Não, chama-se "A Teoria Geral da Estupidez Humana".
É muito interessante.
Ab.
LC
De filha do administrador a 24 de Abril de 2009 às 15:39
ai isto é ser revolucionária?
então também sou
já agora se me puder inscrever nessa "revolução " estou às ordens
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 13:20
É só o princípio!
Haveria muito mais.
Bjs
LC
De Diogo a 24 de Abril de 2009 às 15:50
Na mouche !
no q toca a justiça esta certissimo. e igualava a gravidade dum crime de violaçao a dum homicidio. é bárbaro e é um valente murro no estomago ler noticias de violaçoes. entre outras coisas... "mitras" q roubam pq é rebelde ou pa imitar os seus idolos do rap tambem teriam umas ferias bem passadas!

pena sermos poucos a pensar assim nao é?! os direitos humanos dos que cometem crimes estao mais valorizados dos que os sofrem... é triste... é agradecer à Ana Drago, e Francisco Louça, esses grandes anarquistas que primam pla desordem.

abraço
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 13:23
Violação e pedofilia.
Estava tentado a castrá-los!
LC
De Jorge Soares a 24 de Abril de 2009 às 16:03
Luís . ... acabo de descobrir que sou um revolucionário . onde e' que nos inscrevemos mesmo para fazer parte dessa tua revolução?

Abraço e bom fim de semana

Jorge
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 13:25
"Nossa" Revolução!
Ab e igualmente.
Ab.
LC
De Si a 24 de Abril de 2009 às 16:21
Há coisas com que concordo, em absoluto, outras nem tanto, embora, relativamente à justiça, praticamente tudo mereça o meu aplauso ou até carregasse mais nas tintas.
Uma das que não concordo é a nacionalização dos bancos durante o período de crise.
Acha mesmo que o estado deveria suportar os prejuízos de alguns ou os menores lucros, devolvendo-os depois à mão dos privados quando a tormenta passasse? Ou melhor, não foi isso que este governo fez em relação ao BPN, sendo que os culpados por esta situação nem sequer poderão ser castigados com as penas que o Luís sugere?
Peço desculpa por colocar esta pergunta, já que economia não é o meu forte e provavelmente até estarei a dizer um grande disparate. Se assim for, por favor esclareça-me, sim?
Obrigado
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 13:28
Si,
sobre os bancos, nacionalizar os que deviam estar ao serviço da economia e ajudar à saída da crise e que não o fazem.
Continuam a ser verdadeiros escândalos as margens de lucro que os bancos conseguem em tempos de crise.
Quanto aos que dão prejuízo, simples: fechar e condenar os que delapidaram o património e as economias de quem passou uma vida a trabalhar.
Bjs
LC
De Mariana Ferreira a 24 de Abril de 2009 às 16:49
Olá Luis,
Concordo plenamente consigo, sinto-me revoltada por haver tanto para alterar e tâo pouca vontade em o fazerem. Estamos desgovernados, as noticias são dia após dia desmoralizadoras. Não há dignidade na nossa sociedade, que a meu ver entrou em decadência.
Bom fim de semana.
Cumprimentos,
Mariana
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 13:33
Mariana,
um dia o Mundo terá de caminhar para uma nova ordem com novos sistemas políticos.
Bjs e bom fds.
LC
De Sónia Pessoa a 24 de Abril de 2009 às 17:41
Eu voto em Ti!...
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 14:33
Ainda vais a secretária de estado!!!
LC
De Sónia Pessoa a 25 de Abril de 2009 às 14:38
ahahah!... fizeste-me rir agora. Acho que não tenho jeito para essas coisa (apesar de o meu marido dizer que eu cá em casa sou boa a dar ordens!!lol) prefiro estar no meio do povo... bem, mas se precisares de ajuda para pegar nos cravos e dar dois berros, conta comigo!.
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 15:00
Em casa também mando eu.
De resto, a última palavra é sempre minha:
"SIM QUERIDA!"
rs...
Bjs
LC
De Virgínia a 24 de Abril de 2009 às 19:14
Boa tarde Luis
Mãos à obra... a família e eu estamos consigo!
Comece a Revolução e pode contar connosco!
Só encontro um senão no seu post... mude o cravo vermelho... está mais que murcho... está podre!
Beijos
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 14:33
Gosto mais do azul.
rs...rs...rs...
Bjs
LC
De Sérgio Ramos a 24 de Abril de 2009 às 19:31
Luis...
Cuidado.
Se o PCP te lê vai já convidar-te para porta voz.....
Muitas dessas ideias eles defendem-nas...
Grande abraço.
Só mais uma coisa...
Seria sem dúvida um Portugal melhor, e isso é o que a maioria das pessoas quer....
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 14:35
E de Angola,
não tens saudades?
Ab.
LC
De Marco a 24 de Abril de 2009 às 19:41
só 2 anos, no minimo 10.
De Luís Castro a 25 de Abril de 2009 às 14:36
Também acho que dois´seria pouco.
Ab.
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds