Sábado, 19 de Abril de 2008

Post do Bassim

 
Olá Castro,
já sabes que fui novamente obrigado a mudar de casa.
Recebi uma ameaça de morte através de um bilhete que me foi deixado debaixo da porta. Saímos de casa para não sermos mortos.
 
“Eles” souberam que vocês estiveram aqui em minha casa e seguiram-nos. Depois viram-me contigo a entrar na “Green Zone”. Para a resistência eu estava ajudar os americanos. Tentei enviar-lhes uma mensagem, dizendo que não era verdade, que vocês são portugueses, mas não consegui.
Assim, achei por bem mudar-me para outra zona de Bagdade, antes que nos voltassem a atacar. Desta vez prometiam não falhar.
 
Agradece, por favor, a todas as pessoas que se têm mostrado preocupadas com o que me está acontecer.
 
Bassim Schuaip
 مرسلة بواسطة bassimفي
publicado por Luís Castro às 16:14
link do post | comentar
73 comentários:
De Daniel Marques a 19 de Abril de 2008 às 16:42
Luís, o Bassim, os filhos e sua mulher estão a pôr-se em risco por nós. Era bom arranjar uma solução para lhes ajudar. Sei que não é fácil, já disseste que tens tentado ajudar. Mas não podemos desistir, estamos em dívida para com o Bassim.
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 19:39
Daniel,
já houve guias que morreram por trabalhar para estrangeiros, outros foram raptados.
Em guerra é assim.
Normalmente são bem pagos, pois o risco que correm não se esgota no dia em que partimos. Eles ficam lá.
Já ajudei o primeiro guia que tive a conseguir o estatuto de refugiado político no Canadá. Está à espera que lhe aprovem a documentação. Alguns desses documentos estão assinados por mim.
Quanto ao Bassim, está a tentar sair e conseguir o mesmo estatuto, mas para o Norte da Europa.
Pediu-me se o ajudava a vir para Portugal, mas não seria o melhor local. Acontece que o Bassim tem emprego no Iraque e já tentou viver na Síria. Acabou o dinheiro, não conseguiu emprego e teve que voltar para Bagdade.
Lá sempre é a terra dele, apesar dos riscos que corre.
Tenho-os ajudado, a ele e ao cunhado (o primeiro guia que tive) da forma que posso.
No passado trouxe portugueses que estavam esquecidos em Angola e o regresso não foi bom. Não se derem por cá.
Abraço
LC
De jonasnuts a 19 de Abril de 2008 às 17:12
Hi Bassim, in case you can read this message, plese know that our hearts and our prayers are with you and with your familly.

If you can think of a way that we can help, just let us know. We will not let you down.

Be safe.

Luís: Há algo que possamos fazer para ajudar o Bassim?

Poderosa a força deste Blog, que põe nos nossos pensamentos alguém que não conhecemos senão pela palavras.
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 19:42
Jonas,
leia o comentário que fiz ao Daniel, pf
Vou enviar-lhe os vossos comentários por email.
Bjs
De Raquel Silva a 19 de Abril de 2008 às 18:04
"Poderosa a força deste Blog, que põe nos nossos pensamentos alguém que não conhecemos senão pela palavras."
Concordo plenamente...
Espero que o Bassim e a família fiquem bem. Mas será que há algo que possamos fazer, para além de darmos apoio através das palavras?
Bjs
Raquel
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 19:43
Raquel,
não há muito que possamos fazer.
Ele agora está bem. Espero que assim continue.
Já não é a primeira vez que ele tem que fugir.
Bjs
LC
De Helena Castro a 19 de Abril de 2008 às 18:14
Como deve ser terrível encontrar debaixo da porta, um bilhete com uma ameaça de morte... tentar dar
explicações e não conseguir e por isso ter de abandonar o local, levando a família!... Por muito que tente imaginar o sobressalto em que esta família e muitas outras vivem, nunca o conseguirei...
Que o Bassim e a família encontrem, se é que é possível, alguma paz...
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 19:45
Mana,
Todos os dias penso nele e na família.
Não consigo desligar, como tu sabes.
Vou ajudando como posso.
Bjs
LC
De Patti a 19 de Abril de 2008 às 18:46
Mas oh Luís, o facto de ele se mudar para outra zona de Bagdad, dá-lhe alguma segurança?

Ali não é desconfiar de toda a gente?
Nunca se sabe quem não é ou é informador, não é assim?

Não se pode confiar em ninguém quando se vivem situações como estas, em que o país está dividido e em guerra civil!

Por favor, vá-nos dando notícias deles sempre que tenha oportunidade.

Obrigada e as-salam-alaik para toda a família Bassim.
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 19:48
Patti,
em guerra não se pode confiar em ninguém, a não ser nos Bassim desta vida..
Na Bósnia foram conhecidos casos em que irmãos lutaram entre si, cada um em diferentes barricadas.
LC
De Patti a 19 de Abril de 2008 às 18:50
Seria bom, se nos uníssemos todos numa causa "Bassim"...
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 19:52
Patti,
a única solução será dar-lhe voz.
Tirá-lo de lá seria uma solução imediata, mas e depois?
Já lhe explkiquei isto tudo e ele reconheceu que será melhor não voltar a sair do país.
O cunhado está no Canadá, a mulher e os filhos na Jordânia e nem por isso se sentem mais felizes.
Estão vivos, é certo, mas infelizes por estarem separados e sem dinheiro para se reencontrarem.
LC
De Ricardo S. a 19 de Abril de 2008 às 20:27
Este blog é bastante estranho, não estou a duvidar do que até agora foi escrito, mas sim porque é estranho ler estes textos de guerra, momentos de guerra... Muito boa sorte para si e que regresse com toda a saude que levou.
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 23:19
Ratificado,
já estou cá. Apenas fisicamente, porque espiritualmente ainda estou lá.
Não consigo esquecer o Bassim e todos os Bassim que por lá ficaram.
A guerra é estranha.
Nós somos estranhos!!!
Procuramos a felicidade, mas deixamos constantemente a infelicidade à nossa volta.
Abraço
LC
De Patti a 19 de Abril de 2008 às 22:06
Compreendo isso perfeitamente, mas é tudo demasiado horrível.
Vamos vendo o que se passará entretanto.
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 23:25
Patti,
segundo o Bassim agora estão em segurança.
O problema é saber até quando...
A única solução seria arranjar.lhe o estatuto de exilado político, emprego para ele e para a mulher e escola para os filhos.
Naõ seria nada fácil.
Bjs
LC
De Zé Alves a 19 de Abril de 2008 às 20:09
E nós, neste cantinho, preocupados com coisas mesquinhas....
Que Bassim e Família encontrem a calma necessária para continuar a Viver!

abraço Luís
Zé Alves
De Luís Castro a 19 de Abril de 2008 às 23:15
Zé Alves,
na verdade, ele e a família é que têm problemas!
Nós é que criamos a grande maioria dos nosos problemas...
Abraço
LC
De Ana Cristina Brizida a 19 de Abril de 2008 às 23:32
Hi Bassim ,
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Hi Bassim , <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Thank</A> you so much for your words in Luís' post written in such dificult moments . <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Hope</A> things will get better for you and your family very soon . You are truly cared about here . YOU ARE GOOD PEOPLE ! <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Take</A> care . <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Cris</A> <BR><BR><BR>Luís, <BR><BR>Quanto a si... depois de ter lido a sua resposta ao comentário do Daniel Marques, fiquei sem palavras....portanto fui roubar estas: <BR><BR>May your generosity return to you in the same beautiful way it was offered . You make a difference " <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Bjs</A> <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Cris</A>
De Luís Castro a 20 de Abril de 2008 às 12:34
Ana,
vou fazer chegar as vossas mensagens por mail.
Obrigado e bjs grandes.
LC
De A Mona Lisa tinha Gases a 19 de Abril de 2008 às 23:35
Olá, Luís!
Entendo perfeitamente quando dizes que poderia não ser grande ideia trazê-los para Portugal. Afinal, o choque cultural poderia não ser muito mais confortável do que viver em guerra. É como dizes, vivem com medo, em fuga, mas estão no país que sempre conheceram, com a família.
Pode ser frustrante mas às vezes não há mesmo muito que se possa fazer. Para os ocidentais que contactam com estas realidades é uma questão de aceitar que o nosso campo de influências e poderes é infinitamente mais pequeno do que gostavamos que fosse, não deixando de ajudar no que está ao nosso alcance, claro.
Desejo que tudo corra bem com o Bassim e família.
Beijinhos
De Luís Castro a 20 de Abril de 2008 às 12:39
É isso, Mona.
Gostaria e gostaríamos todos de poder ajudar mais, mas experiências do passado ensinaram-me o que fazer nestas situações.
Devemos ajudar em tudo o que estiver ao nosso alcance, mas não os tornar agora momentaneamente felizes para depois lhes aprofundar a dor.
Em 1999 trouxe portugueses que encontrei perdidos no interior de Angola e depois acabaram por se arrepender. Já não era esta a realidade deles.
O mesmo poderá acontecer com o Bassim e família.
Lá tem emprego, aqui não teria e isso seria o suficiente para o tornar dependente da caridade. E o Bassim não é desses.
Bjs
LC
De Ana Cristina Brizida a 19 de Abril de 2008 às 23:40
Hi Bassim,

Thank you so much for your post written in such dificult moments.

Hope things will get better for you and your family very soon. You are truly cared about here in this blog. YOU ARE GOOD PEOPLE!!!!

Take care!.

Cris


Luís,

Quanto a sí, depois de ter lido a sua resposta ao comentário do Daniel Marques, fiquei sem palavras... portanto fui roubar estas:

"May your generosity return to you in the same beautiful way it was offered. You make a difference"

Bjs

Cris

PS: O "verificador ortográfico" é só rir... acho que alguém já escreveu o mesmo


De Luís Castro a 20 de Abril de 2008 às 12:40
Visto e já respondido.
Bjs
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds