Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Mais uma vergonha!!!

 

 

Mas quando é que a nossa Justiça passa a ter vergonha? 

Sim, vergonha!

Só sei uma parte dos factos, mas o que aconteceu hoje em Barcelos

É UMA VERGONHA!

Dois anos para chegar a isto?

Como é possível que a entrega da menina fosse feita na rua,

no meio de gritos e à frente de toda a gente?

 

Será que hoje vão todos dormir como se nada tivesse acontecido?

 

http://tv1.rtp.pt/noticias/?t=Decisao-judicial-sobre-crianca-russa-gera-revolta.rtp&headline=20&visual=9&tm=8&article=220511

 

http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=998648

 

*** Pensei várias vezes se devia publicar a fotografia da menina russa.

      Decidi fazê-lo.

      Ela merece que não nos esqueçamos do seu rosto

      e do sofrimento por que a fizemos passar.

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 21:55
link do post | comentar
76 comentários:
De José Fernandes a 18 de Maio de 2009 às 22:22
Desculpa a desabafo, mas este país é uma merda...
O que vi hoje à porta da Segurança Social (que para quem não sabe, fica em frente ao tribunal) de Braga, foi um atentado à dignidade de todas as crianças deste mundo. Vergonhoso !!!

Ab
JF
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 00:15
Senti uma revolta tremenda!
Até porque esta gente insiste em não aprender com os erros dos outros.
Ab.
LC
De Jorge Soares a 18 de Maio de 2009 às 23:25
Olá Luis

De facto é vergonhoso, como o foi todo o caso Esmeralda, como o é cada vez que uma família de acolhimento tem que devolver uma criança e invariavelmente monta toda a telenovela à volta....

Deviam colocar um tempo máximo para o acolhimento.... um ou dois anos no máximo, se passado esse tempo a criança não volta para a família, deveria ir para adopção.

Porque é que foi necessário passar dois anos com o caso em tribunal, se desde o primeiro dia aquela família de acolhimento sabia que era uma situação transitória? Porque é que se monta todo este espectáculo se todo o mundo sabe que as famílias de acolhimento mais tarde ou mais cedo vão ter que devolver essas crianças?

E será que choravam a criança ou os quase 600 Euros por mês que recebem do estado como família de acolhimento?

Lamento se pareço insensível, mas estou cansado de ouvir falar de casos destes e nunca ninguém explica o porquê destas situações...e acho que já está na altura.

E já me estendi..

Jorge Soares


De cagido a 18 de Maio de 2009 às 23:28
Pois é, mas há famílias de acolhimento que não recebem um chavo há meses, com crianças de acolhimento.
De Jorge Soares a 18 de Maio de 2009 às 23:35
Pois é..e eu tenho um filho biológico e outro adoptado e não recebi um chavo nunca...porquê?..porque eu não preciso que o estado me pague para ser pai.

Jorge Soares
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 00:27
Visto.
LC
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 00:26
Verdade?
Tem exemplos ou alguém que dê a cara?
Ab.
LC
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 00:24
Jorge,
tens toda a razão e sei que és sensível à matéria.
Quem tem razão? Não sei.
Sei apenas que a Justiça, mais uma vez ,falhou.
E o comportamento da Segurança Social foi a todos os títulos lamentável e inadmissível.
Como vai a tua ONG?
Ab.
LC
De Jorge Soares a 19 de Maio de 2009 às 11:36
Luis, podiamos estar horas a falar de comportamentos deploraveis da segurança social.. quase todos os dias me chegam casos piores que este, cada um mais triste que o outro, há muito que está na altura de que alguém,... nós, a sociedade, o governo, alguém, crie mecanismos de controlo, alguém que veja porque estas e muitas outras coisas acontecem, alguém que termine com a impunidade que parece imperar na Segurança Social.

A minha associação vai indo, devagarinho...

Abraço
Jorge
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 14:33
Devagarinho se vai longe.
Ab.
LC
De Carla Cruz a 19 de Maio de 2009 às 20:08
Jorge,
Não me parece que os gritos da menina fossem pelos 600 Euros mensais que a família de acolhimento recebia. Pelos vistos, cumpriu bem a sua função tendo e conta o afecto que conseguiu por parte da menina! Aqui a questão não são as famílias de acolhimento nem as famílias biológicas, mas sim as CRIANÇAS! Não percebo como um tribunal revoga o que outro tribunal diz, em menos de 2 meses, quando a causa da determinação anterior teve em conta a mãe biológica não ter condições para ficar com a menina e que por isso era melhor ela ficar em Portugal! O problema está aí! Esta menina nasceu em Portugal e Portugal não lhe está a dar a garantia de um futuro condigno. Se tinha de sair da família de acolhimento tivessem-no feito, mas isso não significa que a alternativa tenha de ser a entrega a uma mãe biológica que demonstrou por diversas vezes ser incapaz de assumir o compromisso vitalício que representa SER MÃE!
A minha revolta tem SÓ a ver com isso!
Cumprimentos,

Carla Cruz
De Jorge Soares a 19 de Maio de 2009 às 21:20
Carla, neste caso, como em muitos outros, há muitas coisas erradas.... mas eu não vou abusar a paciência do Luis e discutir o assunto consigo aqui, convido-a a ler um post que escrevi há uns tempos atrás a propósito de outro caso como este, é aqui: http://oqueeojantar.blogs.sapo.pt/102829.html

Convido-a a reflectir sobre o que digo no post e se depois entender que eu não tenho razão, deixe o seu comentário.

Jorge Soares
De Luís Castro a 20 de Maio de 2009 às 02:45
Discutam à vontade.
Estou a ouvir.
E o blogue é para isso mesmo.
Ab.
LC
De Carla Cruz a 20 de Maio de 2009 às 21:42
Jorge,
Li com atenção o seu blog sobre o assunto das famílias de acolhimento e sinto nas suas palavras alguma "revolta" por ver pessoas a terem acesso a crianças rapidamente. Eu percebo o desgaste que deve ser para uma família adoptante ter de esperar tanto tempo para adoptar. Mas penso que não se pode misturar tudo no mesmo saco! Muitas famílias de acolhimento - e julgo que a maioria - não enfrenta estes problemas. Aqui a questão é a forma! Não se desenraiza uma criança repentinamente para ser enviada com uma mulher que ninguém sabe se vai de facto cuidar da menina, para a Rússia, para ao pé de outros familiares de sangue que não conhece, sem falar a língua... Isto é que é condenável!
Por outro lado, se a norma relativa a famílias de acolhimento é transitória, porque se deixa prolongar por tantos anos essas relações?! Imagine-se no lugar de uma família de acolhimento que no início até tinha a consciência do carácter transitório da sua participação no processo. Mas, com a passagem do tempo os afectos crescem, desenvolvem-se e envolvem as pessoas. Depois de anos a cuidar dia e noite uma criança, a vê-la crescer, a acompanhá-la nas suas descobertas, aventuras e desventuras, não será natural as "coisas" mudarem?! Olhe comigo mudou e foi só com um cão!!! Acolhi um animal de rua só por um período pequeno, até a pessoa que mo trouxe arranjar um dono. So que passado dois meses - DOIS MESES!!! - eu disse que ficava com ele, pois já não era capaz de o deixar ir...
Os seres humanos são emocionais e têm afectos e ainda bem que os têm! A lei é que tem de ser revista! Ou se dá preferência à família de acolhimento no caso da criança passar para adopção, ou cumpre-se milimetricamente a norma dos prazos! Ou então, acabem de uma vez com as famílias de acolhimento, pois, para as crianças, passar por estas situações é bem pior do que ficarem institucionalizadas.
Isto tudo para lhe dizer que continuo a achar que estamos a falar de coisas diferentes a respeito do mesmo caso... Acho que estou mais em sintonia com o Luís!
Muito boa sorte para a nova adopção!
Carla Cruz
De Jorge Soares a 20 de Maio de 2009 às 22:09
Carla, eu percebo e aceito que se possa ver nas minhas palavras a revolta por ver pessoas a inventarem esquemas para ter crianças rapidamente, afinal eu sou candidato à adopção. Na verdade quando escrevi o primeiro post sobre o assunto ainda não era candidato.

Eu sou um legalista (isto existe?), acho que se existem leis estas devem ser cumpridas, e sou acima de tudo um defensor das crianças, sou presidente de uma associação que tem como objectivo a defesa das crianças institucionalizadas...as crianças entregues ao estado e esquecidas.

Como deve imaginar, quem legislou e decidiu que as famílias de acolhimento não podem adoptar não o fez de animo leve, existem motivos para isso, o principal é que as crianças que vão para acolhimento são crianças que os tribunais decidiram que não podem ser adoptadas, o segundo motivo é para evitar as negociatas entre instituições de acolhimento e famílias de acolhimento, se a adopção fosse permitida, rapidamente se montavam esquemas... Mas para mim o importante é que as famílias de acolhimento sabem isso, sabem que não podem adoptar, sabem que mais tarde ou mais cedo isto irá acontecer.

É claro que a culpa aqui é na sua grande maioria da segurança social, que deixou que uma situação temporária se arrasta-se por anos, e é dos juízes, que continuam a dar primazia às famílias biológicas mesmo quando na maior parte dos casos está à vista que não há recuperação possível.

Mas também é das famílias de acolhimento, que cada vez que há um caso em que uma criança tem que ser devolvida, fazem todo este show off, e é da comunicação social, que dá cobertura e transforma estes casos em telenovela.

Quem não se lembra da Esmeralda a chorar porque não queria ir para o pai.... por acaso estava lá algum meio de comunicação quando em Janeiro a Esmeralda decidiu que queria ficar com o pai e não queria voltar para o casal? Não, claro que não, essa noticia não fazia chorar ninguém na abertura dos telejornais.

Jorge Soares
De Carla Cruz a 21 de Maio de 2009 às 13:38
Bom dia, Jorge! Eu por acaso acho que o Caso Esmeralda não é comparável com nenhum dos outros dois conhecidos! Os pais afectivos da Esmeralda parece-me que não eram uma família de acolhimento! Muitas famílias antigamente entregavam os filhos a outras famílias que achassem que os podiam educar melhor - eram os chamados "padrinhos"! E se em Janeiro a Comunicação Social já não foi fazer reportem foi precisamente para não continuar a novela! Além do mais, eu sei que sabe isso, a Esmeralda foi uma aprendiz de tecnicas de manipulação de ambos os lados... Mas, não me quero estender com este caso, que considero muito diferente! Aqui a situação é até diferente da outra menina -ANA, se não me falha a memória... - pois aqui é a não salvaguarda dos direitos da Alexandra, o que devia estar mais que subjacente a uma decisão desta natureza! Ela não vai mudar para a uma família - biológica ou de adopção - que vai ser acompanhada por técnicos especializados de modo a fazer-se a verificação do seu bem-estar. Aqui há um mero "lavar de mãos" por parte da Justiça portuguesa! Ninguém me convence que não houve por trás manipulação política para se fazer esta entrega! Não se faz isto com uma criança! Eu também sou uma legalista, mas quando vejo que o espírito da lei (Montesquieu ) é enviesado, emito o meu desagrado! A lei deve estar enquadrada com as sociedades para que as sociedades se enquadrem com o sistema legal! Se a lei não serve os cidadãos - e aqui não serviu a pequena Alexandra - então, não pode ser chamada de "Lei", pois falta-lhe o senso de justiça que está na base de qualquer acto legislativo. A Lei não é inflexível nos Estados de Direito! A lei deve ser interpretada caso a caso ... acontece até com os homicidas, pedófilos e outros criminosos! Se uma lei é rígida é injusta! Eu sou legalista, mas não sou inflexível perante a Lei... Quando vejo injustiças provocadas pela lei que deveria defender-nos, precisamente, das injustiças, é mais que evidente que é necessário modificar a lei. As sociedades são dinâmicas, são corpos vivos... Logo, todos os sistemas sociais - o legal e judicial, inclusive - também o devem ser! Se não forem, tornam-se retrógrados e como tal ineficientes e, pior, ineficazes! A pequena Alexandra sentiu-o na pele!
E até agora, muito poucos casos de famílias de acolhimento vieram a público pela comunicação social. O que significa duas coisas: 1. que as famílias de acolhimento não andam de facto a ver se ficam rapidamente com um "filho" e 2. que a comunicação social cumpre a sua função de DENÚNCIA - o chamado wachdog journalism . E eu acho muito bem que o cumpram, porque senão é que estaríamos TODOS (até os legalistas!) entregues à bicharada!!! Desculpe Jorge este desabafo e desculpa-me Luís o abuso do uso do teu espaço, mas não consigo ficar indiferente ao drama da pequena Alexadra . Eu tenho um filho de 4 anos e sei o que ele sofreria se fosse arrancado da família que ele conhece que... por acaso e SORTE PARA ELE, é uma família biológica e funcional!
Felicidades!
Carla Cruz
De Jorge Soares a 22 de Maio de 2009 às 10:05
Bom dia

Tinha decidido não continuar esta troca de ideias, até porque ambos estamos a defender as memsas ideias.

Entretanto, acabo de ler uma noticia no ionline que me fez cá voltar.

Ao contrario do que diz, este é um caso em tudo idêntico ao caso Esmeralda, a criança foi entregue ao casal não pela segurança social e sim por um amigo da mãe, afinal, o casal não é uma família de acolhimento, é mais um casal que um dia recebeu uma criança e decidiu que ela era sua e é mais um caso em que as pessoas utilizam a lentidão da justiça para tentar eternizar situações.

Nem vou discutir como é que a criança é entregue ao casal e se foi a troco de algo ou de nada, quanto a mim, eles não tem absolutamente nenhum direito a ficar com a criança.

Jorge Soares

De Carla Cruz a 22 de Maio de 2009 às 17:50
Olá Jorge!
Por acaso também tinha considerado suficiente a nossa troca de opiniões, mas - ao contrário do que diz - por estarmos a falar de coisas diferentes... O Jorge continua a focar o DIREITO DAS FAMÍLIAS e eu mantenho-me na defesa do DIREITO DA CRIANÇA!!! No entanto, tenho a certeza que ambos estamos bem intencionados!
Força com a sua ONG!
Carla Cruz
De Luís Castro a 23 de Maio de 2009 às 01:36
Visto.
LC
De Luís Castro a 23 de Maio de 2009 às 01:20
Visto.
LC
De Luís Castro a 23 de Maio de 2009 às 01:10
Visto.
LC
De Luís Castro a 23 de Maio de 2009 às 01:02
Visto.
LC
De Luís Castro a 23 de Maio de 2009 às 01:00
Visto.
LC
De Luís Castro a 20 de Maio de 2009 às 02:41
Visto.
LC
De Jose Besteiro a 18 de Maio de 2009 às 23:42
Boa,Luís , mais uma vez sem medos.
Também não compreendo , mas pelo menos venho aqui dizer que estou indignado,mas do lado da verdade.

Um abraço, @joebest66
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 00:33
Sempre!!!
Ab.
LC
De whz a 18 de Maio de 2009 às 23:51
O leitor José Fernandes tirou-me as palavras da boca.
Que vergonha de país em que vivemos. Cada vez mais me envergonho de ter nascido português.
Autêntica república das bananas! Só que nós não somos os macacos, somos os burros.
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 00:38
Ninguém pode ficar indiferente aos gritos daquela menina...
Ab.
LC
De Elsa Silva a 18 de Maio de 2009 às 23:59
Eu também fiquei chocada!
Dita o bom senso que a criança deveria ser entregue num local calmo e privado.

Parece que os interesses das crianças ficam sempre para segundo plano… elas não têm estofo para aguentar isto…

Bjs e boa semana!
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 00:39
Gostava de conhecer a cara de quem promoveu aquela entrega.
E saber se a esta hora conseguem dormir.
Bj
LC
De Ana a 19 de Maio de 2009 às 07:15

Bom dia Luis!

A nossa justiça é o cancro desta sociedade,depois a segurança social é também o que se sabe, tirando algumas excepções, os senhores/as da Seg. Social,fazem nada, despacham da secretária, já é tempo de levantarem os cus das cadeiras e irem para o terreno, enquanto não for assim, todos ficam a perder. É uma triteza assistir a espectáculos como este .
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 14:24
Muito mau!
Uma vergonha.
Bj
LC
De GorgeousMind a 19 de Maio de 2009 às 10:14
Olá Luis,
Só para dizer que não consegui ver a peça até ao fim, desliguei a televisão.
O almoço comi-o sem gosto...
Continuo com o coração destroçado.
Um beijinho para si
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 14:25
A mim apeteceu-me agarrar alguém pelos colarinhos...
Bj
LC
De Pedro Oliveira a 19 de Maio de 2009 às 10:16
Não tinha visto esta reportagem, e sinto-me engergonhado e peço desculpa a esta criança por este país ser um país de gente sem carácter e que só sabe chutar para canto os problemas que tem em mãos.Para nós está resolvido vai para a Rússia com a mãe, lomge da vista longe do Coração.E como não provedor de Justiça,como não ordem advogados e como não há PGR e como não HÁ vergonha nesta merda de país assitimos impávidos e seremos a estas cenas que chocam.Porra para isto.Desculpa minha linda menina, que tenhas sorte na vida e que sejas a última a seres maltratada por nós.Estou demasiado emocionado.Desculpem
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 14:27
É verdade, amigo.
E ninguém será culpado!
Ab.
LC
De Ilda a 19 de Maio de 2009 às 10:52
Olá Luís!
Eu só pergunto uma coisa: o que é que as pessoas que tomaram esta decisão bárbara têm dentro do peito? Só pode ser uma pedra e das bem duras daquelas que não partem facilmente!
Até fazia doer a alma os gritos da menina! Revolta e mais revolta é o que sinto neste momento e também uma grande impotência.
Será que não há ninguém neste país que ponha termo a acções destas???
Será que aqueles que deviam tomar uma decisão e não permitir que situações destas se repitam continuam a assobiar e olhar para o lado? Se não tiverem mais nada ao menos que tenham vergonha.
Boa semana.
Bjs
Ilda
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 14:30
Não duvide.
Para algumas daquelas pessoas hoje já é outro dia.
Bj
LC
De patti a 19 de Maio de 2009 às 11:17
Nojento, revoltante!
Que país é este? Que leis são estas?



(enviei mail noutro dia)
De Luís Castro a 19 de Maio de 2009 às 14:31
Um país em cacos onde os valores andam espalhados pelo chão e são tratados à biqueirada!!!
Bj
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds