Terça-feira, 22 de Abril de 2008

Resposta do Bassim

Querido irmão Castro,

Agradece muito a todos as pessoas que se têm preocupado comigo e com a minha família.

Estou muito confuso. Não foi fácil mudar de casa em Bagdade e estou a tentar dar à minha família o conforto possível, como electricidade, por exemplo. A minha filha está a estudar para os exames. Quero minimizar-lhes o sofrimento.

 

Tenho meditado muito sobre o que fazer. Talvez arrisque sair novamente do Iraque e volte a tentar obter o estatuto de refugiado, mas, por agora, é melhor deixar que as crianças acabem o ano escolar. Sinto que estou a envelhecer rapidamente neste Iraque. Acredito em Deus e tenho a certeza de que Ele me irá indicar o caminho a seguir.

 

Li os comentários que os portugueses deixaram no teu blogue. São como que irmãos na Humanidade. É bom sentir que não estou sozinho e que há quem se preocupe comigo.

 

Agradeço-te, Castro, por tornares público o meu caso.

Dá um abraço a todos, por favor.

Voltarei a dar notícias logo que acabe de acomodar a minha família.

 

Bassim Shuaip

 

publicado por Luís Castro às 21:18
link do post | comentar
43 comentários:
De joão calviño a 22 de Abril de 2008 às 21:53
Confesso que me custou mto ler estas linhas...
Custa-me perceber o sofrimento que um humano pode provocar noutro.
Custa-me saber e nada csguir fazer...
Que sensação de impotência. de injustiça.

abraços a ti luis e ao Bassim.

obgdo por nos ligares a todos.
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:41
João,
e nós estamos à distância.
Abraço
LC
De pedro oliveira a 22 de Abril de 2008 às 22:13
Realmente, deu-me cá um nó na garganta.O Bassim quando fala na situação de refugiado, refere-se a que país?
Deve ser uma dor de alma querer dar o melhor aos filhos e não ser capaz.Nem imagino.
FORÇA BASSIM, que Deus o ajude e proteja!

um abraço de Porto de Mós(vilaforte)
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:45
Perdro,
ele gostaria de ir para o Norte da Europa, até porque tem por lá alguns familiares.
Depois, os países do Norte da Europa têm outra sensibilidade para este tipo de situações.
Ab.
LC
De Phil a 22 de Abril de 2008 às 22:18
Estou aqui a pensar num belíssimo país...

Compreendo que, apesar de tudo, o irmão Bassim queira resistir o mais possível para conseguir ajudar o seu país, a sua pátria a erguer-se novamente, mas há momentos em que é necessário parar e optar pelo caminho mais escuro ou longínquo...neste caso, outro país...outra pátria...para bem dos que lhe são mais próximos e queridos...

De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:47
Phil,
não é fácil tomar uma decisão destas.
Abraço
LC
De Diogo Rodrigues a 22 de Abril de 2008 às 22:19
O Bassim mesmo correndo perigo de vida prefere esperar e arrisca a vida até os filhos acabarem o ano lectivo, não são todos os pais que fazem isto. Sem duvida um Grande homem que tudo lhe corra bem e que nada lhe aconteça


abraço []
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:48
Diogo,
o Bassim é tudo isso e ainda mais.
Esperemos que sim, que tudo corra bem.
Ab.
LC
De Raquel Silva a 22 de Abril de 2008 às 22:28
O "tornar público o caso" pode parecer muito, mas não é suficiente... As dificuldades por que estão a passar são inimagináveis...
Reconstruir uma vida inteira sempre que têm de mudar de casa, de sítio... Nunca poderem viver descansados com o amanhã.
Só resta mesmo acreditar que tudo se vai resolver. Esperamos que sim. Boa sorte...
Bjs
Raquel
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:50
Raquel,
Bassim já tentou sair do país e não correu bem.
Não é fácil deixar o nosso país e partir para um desconhecido com a mulher e os filhos.
Bjs
LC
De Patti a 22 de Abril de 2008 às 23:21
Desde o primeiro momento que "estou" neste blog, mas agora nem sei o que dizer.
Acho que o Bassim já disse tudo.

Como o Luís me disse das primeiras vezes que aqui fiz um comentário "as suas palavras calaram-me fundo".

Lembra-se?
Hoje foi a minha vez.
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:52
Patti,
recordo-me, claro que sim.
É o sofrimento contado na primeira pessoa.
Bjs
LC
De David a 23 de Abril de 2008 às 00:06
Caro Luis Castro,apenas sigo o seu blog à pouco tempo,mas bastou-me ler as primeiras linhas para ficar "agarrado".

Admiro a sua vontade e coragem,mas principalmente a relação que estabeleceu com o Bassim e a admiração que tem por si.
Espero do fundo do coração que ele e a familia consigam superar isto em segurança!

Abraço e espero que nunca deixe este blog.
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:55
David,
não deixarei o blogue, embora me "roube" algumas horas de sono.
Quanto ao Bassim, é como um irmão para mim.
Por isso, é impossível não sofrer com ele.
Ab.
LC
De Alexandra Ribeiro a 23 de Abril de 2008 às 00:19
Ola Luis

Que não seja só o Bassim a agradecer por tornar o caso dele público, que também nós o façamos por nos dar a conhecer esta situação injustificável.
A fotografia alegre e feliz contradiz com um texto triste e sentido. Como dormir descansado sabendo que o perigo pode-lhe bater à porta.
O Bassim é um homem de personalidade muito forte. É preciso ter sangue muito frio para reagir a uma situação destas. Mas o que mais lhe deve atormentar deve ser a segurança da família.
Deve ser completamente frustrante ter conhecimento destas situações e estar de "braços atados"? Se nós sentimos necessidade de fazer alguma coisa perante o que nos conta imagino o Luis como se sente.
Anseio por melhores notícias do Bassim
Bjs
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:59
Alexandra,
esta fotografia já tem três anos. Escolhi-a precisamente pelo ar feliz dele e dos dois dos três filhos que tem.
Esperemos todos que a situação acalme e que não venham mais problemas para ele e para os seus.
Bjs
LC
De daisycastrofuentes a 23 de Abril de 2008 às 13:49
Caro Castro,
Respeito muito o seu trabalho mas, olhando uma foto de uma família com rostos felizes, bem tratados, uma casa que se nota bem decorada numa guerra que já havia 4 anos, afinal não me parece assim tão mal como alguns a pintam. Desculpe, mas não deixe de fora o lado bom dessa guerra, reporte o bom e o mau por favor.
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 17:30
Daisycastrofuentes,
ao longo das guerras por onde passei, aprendi que o mais importante é a segurança. Ter uma boa casa quando a qualquer momento se pode morrer ou perder a família, na verdade, isso não é o mais importante.
Depois, no sentido do que sugeriu, pode ir às "tags" que estão à esquerda no blogue e verá as famílias com os filhos num parque infantil, o Museu de Bagdade, etc.
LC
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 17:31
E já dei esta explicação anteriormente:
a fotografia já tem 3 anos.
Mas nessa altura, nem por isso a situação era mais fácil.
Obrigado
LC
De A Mona Lisa tinha Gases a 23 de Abril de 2008 às 00:20
Tocante!
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 01:56
Sem dúvida, Mona.
Bjs
LC
De Marco Ribeiro a 23 de Abril de 2008 às 04:01
Luís, já tive a oportunidade que me explicasses como o Bassim era importante para ti, um amigo com que falas regularmente, e tem sido ele que tem zelado pela tua vida durante todo este tempo no Iraque. Tudo isso que me disseste faz aumentar a pena que sinto da situação que ele vive. Certamente que merece descanso de tanta guerra... tal como tu; embora o caso seja diferente, porque quanto a ti já sei que é escusado, porque tu até gostas de estar lá, pelo menos foi com essa impressão que fiquei. Mas quanto a ele espero que ele consiga o estatuto de refugiado e tenha uma boa vida num dos países ricos da europa. :)
De Luís Castro a 23 de Abril de 2008 às 17:15
Marco,
quando vamos para estes cenários, depositamos a nossa vida nas mãos dos guias. Por isso é muito importante pagar-lhes bem para não lhes dar ideias...
Com o Bassim foi diferente, rapidamente nos tornámos como "irmãos".
Ab
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds