Terça-feira, 6 de Outubro de 2009

A TELEVISÃO MORREU?

Segundo o Público online, “esta foi a a primeira pergunta que veio à cabeça de Michael Rosenblum, especialista em jornalismo digital, quando leu a notícia de ontem do Guardian onde era anunciado que o jogo de sábado, de qualificação para o Mundial, entre a Inglaterra e Ucrânia ia ser transmitido, em exclusivo, na Internet.”

 

Rosenblum diz que é a primeira vez que isto acontece. «Acabei de ler um obituário da televisão esta manhã no jornal. A TV está morta, só que ainda ninguém a avisou», acrescenta o especialista.

 

Ver em o jogo em http://www.ukrainevengland.com/ custará 5,5 euros.

A cadeia de cinemas Odeon também vai transmitir o jogo.

Nada de televisão nem os tradicionais “pubs” com ecrãs gigantes.

publicado por Luís Castro às 17:27
link do post | comentar
24 comentários:
De RN a 6 de Outubro de 2009 às 18:20
Olá Luís,

Na minha opinião, isso é um facto inevitável. O futuro passará por cada um ver os programas que quer ver, seja a troco de publicidade, pelo pagamento de uma mensalidade, ou num qualquer modelo ao estilo "paga o que consumir".

A televisão que não respeita horários e impinge programas tem os dias contados. Com a tecnologia actualmente existente, nada justifica que cada pessoa não possa escolher o quê e quando quer ver, é apenas uma questão de tempo... ou os canais existentes se adaptam rapidamente a esta realidade ou serão, cada vez mais, relegados para um mercado que se tornará - a médio prazo - insignificante. Temo que a Internet faça à televisão o que já começou a fazer à imprensa escrita.

Um abraço,
RN
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 13:50
A tendência será de os públicos se libertarem da programação que lhes é imposta.
futuramente cada um decidirá o que quer ver e quando ver.
As televisões tardam em perceber que tudo está a mudar à sua volta.
Ab.
LC
De Si a 6 de Outubro de 2009 às 18:25
Há muito que a televisão está moribunda, mas não me parece que seja por causa da internet.
É sim, do meu ponto de vista, por causa do crescente nivelamento por baixo e pouca exigência na qualidade de grande parte dos produtos transmitidos.
Quando a Sic começou a emitir o 'Big Show', todos agoiraram e deitaram as mãos à cabeça, inundando o programa de insultos, mas logo correram a imitar a fórmula e hoje em dia os programas 'enlatados', sobretudo em novelas, formam os conteúdos do prime time.
De bom retirar-se-ia a produção nacional, que tirou muitos actores da reforma antecipada e anunciada, não fora a já abusiva transformação, sem nenhuma formação, de qualquer 'carinha laroca' em estrela da representação/apresentação, enquanto os teatros continuam às moscas. E nem mesmo o humor se salva quando se recorrem a modelos repetitivos que fizeram sucesso, mas não quer dizer que continuem a fazer.
A televisão não morreu, mas se não a inovarem, e aqui falo só da portuguesa, claro, não faltará muito para acusar sérios níveis de senilidade, não acha, Luís?
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 14:00
Olhe, eu já quase não vejo televisão.
Faço-o apenas pela necessidade profissional e apenas para ver informação.
Tenho outras coisas bem mais importantes e interessantes para fazer do que me plantar uma noite à frente da televisão.

De Jorge Soares a 6 de Outubro de 2009 às 21:45
Luis,houve uma época em que depois de passar um dia de liberdade e correrias pelas ruas, religiosamente me sentava por volta das 18 horas a olhar para a mira técnica do canal 1, à espera que finalmente começasse a emissão para ver os desenhos animados. Hoje em dia os meus filhos todos os fins de semana acordam bem cedo e vão sentar-se a ver um dos não sei quantos canais só de desenhos animados que temos, e não é todos os dias porque ainda resta algo de disciplina.

A mim não me parece que a televisão esteja a morrer, aliás, nunca tivemos tanta televisão e tanto por onde escolher, o ano passado estive uns dias imobilizado em casa, a dificuldade era escolher entre séries, documentários e noticias.

É verdade que pelo menos cá em casa cada vez se vê menos os canais generalistas, mas sem duvida nenhuma que agora o leque de escolha a qualquer hora do dia ou da noite é infindável,.. e eu nem tenho nenhum dos pacotes de pago.. só o básico do operador que me fornece o serviço.

Não, a televisão não está a morrer, eu diria que está cada vez mais viva... está é diferente... para melhor diria eu.. mas acredito que haja quem olhe para o fenómeno com outros olhos.

Por outro lado, a internet é só outro modo de ver televisão.

Abraço
Jorge
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 14:09
Concordo com a tua última frase, mas para mim a televisão já começou a perder importância há muito tempo - e trabalho eu em televisão!
Os meus filhos passam cada vez menos tempo à frente do televisor (14 e 11 anos) e acredito que as futuras gerações - à medida que forem crescendo - vão procurando outras fontes de informação.
Eu também vejo cada vez menos televisão.

É verdade, dizer que a a "Televisão está a morrer" é demasiado forte. A Televisão e quem a faz terá de se habituar e adaptar rapidamente aos novos tempos.

Os jornais não morreram com o aparecimento da rádio; a rádio não morreu com o aparecimento da televisão e a televisão não irá morrer com o aparecimento da internet.
Todos se adaptaram.
Espero que assim continue a acontecer.

Abraço
LC
De Anónimo a 7 de Outubro de 2009 às 00:33
Não acredito que seja este o meio da TV morrer...

acredito mais depressa que este modelo para este jogo não tenha qualquer sucesso..

embora não tenha claro.. se apenas os direitos do jogo para Inglaterra, estão sujeitos a esta compra online ou se foram todos os direitos do jogo...

não acredito nesta última hipótese... quase que aposto que o canal nacional da ucrânia transmita o jogo..

sendo assim, surgirão na internet, centenas de streams ilegais e de acesso gratuito.. ou até mesmo a retransmissão do conteúdo desse stream pago por alguém de forma a torná-lo gratuito... o que do ponto de vista técnico não será nenhum quebra cabeças...

o numero de streams ilegais online grátis aumentará exponencialmente em função do número de países que tenha acesso a esse jogo via transmissão de uma TV nacional (tipo sporttv ou isso), isto claro se a hipotese que coloquei inicialmente não se verificar ( a aquisição de todos os direitos por esse site da internet)

basta ver sites deste tipo...
http://www.extralive.tv/
http://is.gd/41ftH
http://is.gd/41fvp

para perceber que por mais pago que seja um conteúdo haverá sempre forma de o disponibilizar de forma gratuita.. quase sempre ilegal...
portanto não me parece que a lógica de conteúdos pagos online em TV e áudio tenha um futuro muito promissor...


julgo que neste aspecto a RTP tem feito umas gestão muito inteligente das transmissões/video on demand/audio on demand...
os meus parabéns!!

é claro que a TVI e SIC ainda têm muito medo de perder audiências para o online e daí as receitas de publicidade... mas julgo que não percebem que deixam de ter a fidelidade de publicos muito mais diversos (com horários não tradicionais, de países estranhos ou até tele espectadores pontuais e circunstanciais que se podem depois fidelizar e transferir para os meios "analogicos" tradicionais")


Cumprimentos,
http://twitter.com/rfam


---
Ricardo Martins
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 14:16
Ricardo,
as televisões têm evoluído muito timidamente.
Ora por medo, ora por andarem ainda às voltas com os seus umbigos.
Ab.
LC
De filha do administrador a 7 de Outubro de 2009 às 09:06
também já ouvi falar da morte dos jornais em papel, dos livros em papel e por ai fora
gosto sempre destas mortes anunciadas, ainda não percebi o objectivo, mas acho interessante quem não tem mais nada para fazer e inventa destas
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 14:17
Mas para que as mortes anunciadas não aconteçam mesmo, é bom que todos abram os olhos.
Bj
LC
De Pedro Oliveira a 7 de Outubro de 2009 às 09:51
Não caredito que a televisão esteja a morrer, temos é outras formas de ver televisão, o facto de podermos fazer o nosso telejornal é prova disso mesmo.
Com os jornais passa-se a mesma coisa.Como sempre vou a Coimbra ver a minha AAC, na sexta despedimos o treinador, soube via net, no dia seguinte fui comprar o jornal para ler o que se dizia sobre o assunto. O memso se passou com a noite eleitoral, televisão,net e jornal dia seguinte.Estamos é a ser muito esponjas quanto à informação que está disponivel.
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 14:21
Mas as futuras gerações já não terão os nossos comportamentos.
Os meus filhos não pegam num jornal e são tão ou mais esclarecidos do que os miúdos com as suas idades.
Ab.
LC
De Xaverde a 7 de Outubro de 2009 às 12:12
Não morre, muda. Com a fibra óptica, tanto importa ao teu interesse que o conteúdo que queres ver chegue por IP, via herziana, Cabo ou o que quer que seja. A essência mantém-se: se queres um conteúdo ligas o aparelho e escolhes perante a oferta. Continua a ser preciso que alguém o produza... independentemente da plataforma em que chega. E, para o futebol pago, sempre prefiro esta solução (cobrança á peça) ou uma intermédia como a espanhola, do que ter que assinar 3 canais de cabo com centenas de horas de conteúdos chatos para ver os 4 ou 5 jogos que me interessam. Com um chazinho na frente...
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 14:30
Para quem acabou de ler o comentário do "Xaverde", é só a continuação da nossa conversa de ontem aqui na redacção.
Ab.
LC
De Sónia Pessoa a 7 de Outubro de 2009 às 12:35
A minha preocupação vai noutro sentido... se até aqui a televisão ainda juntava a família à volta das notícias ou de um bom programa de entretenimento, um dia desses estará cada um de nós em frente ao écran do computador a ver "televisão"... eu sei que através da net podemos alcançar milhões e milhões de pessoas, falar com milhentas ao mesmo tempo, mas e o calor humano, o toque, aquele abraço no intervalo do filme, ou o abraço que festeja um golo?... é isto que me preocupa... beijinhos P.S. adoro abraços!!!
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 14:32
A minha preocupação e irritação de um destes dias lá em casa, foi observar à volta e ver que cada um estava a olhar para o ecrã do seu computador. Naquele momento faltava o ambiente familiar.
Bj
LC
De Ana Paula Albuquerque Almeida a 7 de Outubro de 2009 às 15:05
Acho que morta ainda não está nem estará tão cedo mas tenho dúvidas quanto ao tempo de vida das televisões se não apostarem na mudança.
Vejo pela geração do meu filho, agora com 12 anos, que a televisão já não tem muito para lhes oferecer. Onde é que eles encontram coisas novas, praticamente todos os dias, com a possibilidade de interagir? Na internet. Ora, para quê perder tempo com uma coisa que não tarda a ser considerada obsoleta?
Confesso que ainda vejo televisão mas porque tenho acesso a vários canais por cabo, sendo estes que maioritariamente procuro. São os que me proporcionam, sobre os mais variados temas, informação pormenorizada, reportagens de grande qualidade e excelentes documentários. Mas eu ainda tenho (alguma) paciência para esperar e respeitar a programação mas penso que as próximas gerações já não vão ter essa característica. Actualmente, vejo que as crianças mudam e têm necessidade de mudança constante. O que para elas hoje é muito bom amanhã já é assim-assim. Será que as televisões vão mudar ao ponto de conseguirem acompanhar este ritmo?

Bjs
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 18:06
Terão de mudar, embora estejam ainda resistentes.
Um espeicialista da universidade de Harvard dizia o ano passado que o Mundo irá mudar nos próximos 5 anos tanto como mudou nos últimos 30.
É verdade que a crise arrefeceu a mudança, mas o efeito já é visivel.
Bj
LC
De Filipa Jardim a 7 de Outubro de 2009 às 16:39
Olá Luís,

Falo por mim e pelo que se passa cá em casa...passam-se dias que não se abre a televisão. O computador tomou definitivamente esse lugar
Bj,

Filipa Jardim
De Luís Castro a 7 de Outubro de 2009 às 18:10
Isso é muito à frente!!!
Bj
LC

Comentar post

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds