Sábado, 5 de Abril de 2008

Adeus Bagdade

.

“Hillary e Obama vão desfazer-se um ao outro. E ainda bem, porque McCainn será o melhor presidente para a América!” Este oficial do exército (de quem oculto a identidade por razões óbvias) está convencido do que diz. Para ele, uma vitória dos Democratas seria um desastre para o Iraque: “tanto um como outro já anunciaram que retiram daqui, mais cedo ou mais tarde”. E pergunta-me o que acho dos três candidatos. Respondo-lhe que McCainn dificilmente será o vencedor, que Obama não me parece preparado para liderar os Estados Unidos e que gostaria de ver Hillary como Presidente, até porque assim a América ganharia dois Clinton: “Quem votar nela, leva-o a ele também. E mais: seria engraçado ver Bill como Primeira-Dama”. O tenente-coronel não pode estar mais em desacordo comigo e tem uma teoria para o facto de nós, europeus, gostarmos de Bill Clinton: “Como vocês têm muitos governos socialistas, é por isso que gostaram dele enquanto esteve na Casa Branca. Foi uma governação do tipo trabalhista. Escreva o que lhe digo: McCainn vai vencer!”, remata oficial americano.

.

A conversa aconteceu dois dias antes de eu sair do Iraque. E, na realidade, o tenente-coronel não deixa de ter alguma razão. O que acontecerá ao Iraque se os cento e cinquenta mil soldados regressarem a casa? De uma coisa tenho a certeza: poderá ser benéfico para o Ocidente mas será uma desgraça para esta gente. As palavras do oficial ecoam-me na cabeça enquanto faço as malas no hotel Palestina. Por cima de mim, lá no topo do décimo oitavo piso, ainda está o desejo de feliz 2004. O Iraque parou naquele ano de 2003.

.

O próprio hotel, outrora centro do mundo com centenas de jornalistas correndo dentro e fora; os corredores apinhados de gente e de cabos; os quartos repletos de computadores e de fumo de cigarros; as varandas com tripés e câmaras de filmar; os terraços tomados por geradores e antenas parabólicas; o hall com guias, tradutores e motoristas esperando pelos repórteres e as salas com conferências de imprensa dos novos senhores de Bagdade - daqui se mostrava ao mundo o que acontecia ao segundo -, agora, cinco anos depois, os empregados são os mesmos mas o Palestina parece um fantasma. Sinto uma tristeza enorme.

.

Bassim tem insistido para que contratemos uma empresa de segurança. Está desconfiado. “A vossa presença já se tornou muito notada e temo que alguma coisa nos possa acontecer no caminho para o aeroporto”, diz-me o meu guia e amigo sunita. Acho que ele tem razão. Pedimos preços e assusto-me. Vinte e cinco mil dólares foi quanto cobraram aos jornalistas da televisão austríaca à chegada. Uma loucura por trinta quilómetros de deslocação. Mais: os três seguranças que os acompanham para todo o lado cobram duzentos dólares por dia, o guia trezentos e o motorista cem. Acrescente-se o aluguer do carro e quatro quartos para que eles possam pernoitar no hotel. Peço ao Bassim que lhes diga que somos portugueses e que já só nos sobra cerca de quatro mil dólares. Deste dinheiro ainda há que pagar os excessos de bagagem de Bagdade para Amã e de Amã para Lisboa. Teremos que ir por nossa conta e risco.

.

Tomamos um caminho diferente. Seguimos em direcção à Green Zone, mas nota-se que a viatura vai muito carregada e somos mandados parar em todos os checkpoints. Temem que o carro vá carregado com explosivos. Logo à saída do Palestina, um soldado vasculha o velhinho Pontiac. Mesmo assim continua desconfiado. Para ele todas aquelas caixas com o material de televisão podem não o ser. Olha os nossos passaportes e diz em árabe para o guia: “Não percebo nada disto. Podem até ser falsos que eu não o vou descobrir, por isso, se são terroristas suicidas, façam-me um favor: arranquem já e façam-se explodir longe daqui! Ah, e não matem ninguém!” Já dentro do carro, Bassim traduz divertido o medo que viu nos olhos daquele soldado. Seguimos para o aeroporto e, felizmente, nada nos acontece. Poupámos vinte e cinco mil dólares aos contribuintes.

 

Amanhã voltarei com mais.

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 02:50
link do post | comentar | ver comentários (90)

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds