Quinta-feira, 9 de Abril de 2009

Foi há 6 anos

Valeu a pena?

Muitas das questões mantêm-se em aberto.

 

 

Deixo-vos um documentário que fiz e alguns dos textos que escrevi há um ano, em mais uma ida ao Iraque.

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/guerra+sem+fim

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/regresso+ao+iraque

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/na+linha+da+frente

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/go%21go%21go%21

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/vai+passar+na+cnn%3F

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/americanos+surpreendem-me

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/mensagens+dos+rangers

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/mcmillan+morreu

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/como+evitar+disparates+no+iraque

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/fim+de+semana+em+bagdade

 

Ver mais em:

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/rep%C3%B3rter+de+guerra+-+iraque

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/iraque+2008

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/2008/03/

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/tag/massacre+em+al-saydia

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 17:50
link do post | comentar | ver comentários (23)
Quarta-feira, 30 de Julho de 2008

A última fotografia...

Foi tirada no dia em que partiu para o Iraque.

  

“A última coisa que o McMillam disse ao telefone foi que me amava. Nunca o vou esquecer!” Elizabeth falou com o marido pouco antes dele morrer.

 

Naquele dia, seguia numa coluna militar quando o striker em que se deslocava foi atingido por uma explosão em Samarra, a Norte de Bagdade.

 

McMillan não resistiu aos ferimentos e morreu no dia em que fazia dezoito meses de casado.

 

Luís Castro

 

publicado por Luís Castro às 19:00
link do post | comentar | ver comentários (23)
Terça-feira, 29 de Julho de 2008

O McMillan morreu...

Ontem chorei. Muito! E como há muito não chorava.

A meio da tarde recebi uma notícia que não esperava: o McMillan tinha morrido numa explosão no Iraque.

Tentei esconder da redacção as lágrimas que me caíam no teclado do computador. Não consegui. Fazer a régie durante o Telejornal tornou-se doloroso. Mais ainda quando os muitos monitores que estavam à minha frente multiplicaram as imagens dos últimos atentados no Iraque.

Para quem não sabe, o McMillan é um amigo que guardarei para sempre. Juntos passámos muitos e intensos momentos durante a batalha por Sadr City, em Março, nos arredores de Bagdade. Este ranger americano era um jovem de vinte e dois anos que foi ao Iraque poupar o dinheiro suficiente para pagar o curso da mulher que deixara na América. Também ele tinha um sonho…

 

Hi Castro,
This is McMillan's wife.  Unfortunately, I have very very sad news.  My husband, Bill McMillan was killed in action on July 8 ,2008 from injuries sustained when his stryker struck an improvised explosive device (IED).  My husband spoke very fondly of you and enjoyed spending time with you.  I am sorry to tell you such sad news.  I hope you reply back, I would love to hear about your time with my beloved husband.

Sincerely,
Elizabeth McMillan

 

 

http://www.defenselink.mil/releases/release.aspx?releaseid=12053

http://www.25idl.army.mil/Deployment/Remembering/Remembering.htm

http://www.diversityinbusiness.com/Military/Casualties/ix_Mil_Cas.htm

 

Transcrevo duas passagens que escrevi sobre ele.

 

Entramos num dos strikers e McMillan, o socorrista, pergunta-nos de imediato: “Se entrarmos em combate, vocês vão lá para fora ou preferem ficar cá dentro?” Respondo-lhe que iremos para onde eles forem; que estamos ali para filmar tudo o que acontecer. Ele sorri e volta a perguntar: “E se ficarem feridos posso dar-vos morfina, ou são alérgicos?” Vejo que estão preparados para tudo.

(...)

Nesta última ida ao Iraque juntei mais uns quantos amigos: Morris, Aldrige, Finnigan e Kolzoi e McMillan. Alguns são ainda muito novos. No fundo não deixam de ser jovens a tentar sobreviver num mundo que lhes é estranho. McMillan, de vinte e dois anos, confidenciou-me no meio de Sadr City que foi ao Iraque ganhar dinheiro para pagar os estudos da mulher e para também ele poder acabar o curso de medicina quando voltar ao Arkansas. Ele e os outros não querem saber de política, apenas que lhes confiaram uma missão e que a querem levar até ao fim. O paramédico, após sentir alguns projécteis passarem-lhe por cima da cabeça, desabafa: “Ainda faltam onze meses, mas quando isto acabar terei poupado trinta e cinco mil dólares.” McMillan ganha mais cinco mil dólares (4 mil euros por mês) por ter vindo para o Iraque. Se não fosse casado receberia pouco mais de metade. Pensei que ganhassem mais.

 

 

Para quem quiser saber mais sobre o McMillan e sobre o que passámos juntos, podem ir aos links:

 

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/5079.html?thread=133591

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/5157.html

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/5402.html?thread=155674

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/5829.html?thread=170949

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/6235.html

http://cheiroapolvora.blogs.sapo.pt/7670.html

 

Luís Castro

publicado por Luís Castro às 01:35
link do post | comentar | ver comentários (51)
Sexta-feira, 20 de Junho de 2008

De volta ao nosso mundo

Repórter da CBS critica cobertura jornalística da guerra no Iraque

Fonte: Público

 

A correspondente da CBS Lara Logan, uma repórter de 36 anos de idade que trabalha em cenários de guerra há sete anos, afirmou em directo no programa «Daily Show» que se tivesse de ver as notícias sobre o Iraque que são publicadas nos Estados Unidos «daria um tiro na cabeça». As reportagens de Lara Logan chegaram a motivar a censura pública de George W. Bush e do seu vice-presidente, Dick Cheney, mas também lhe valeram um Emmy no ano passado.

 

http://www.publico.clix.pt/videos/?v=20080620162148&z=1

 

publicado por Luís Castro às 22:40
link do post | comentar | ver comentários (19)
Domingo, 18 de Maio de 2008

"War, Inc."

 

.

Amigos,
enquanto o "nosso" Bassim não envia o vídeo de Bagdade, deixo-vos o link do “War, Inc.”
É um filme de orçamento reduzido, mas que pretende chocar.
A sátira política passa-se no Turaquistão, um país fictício ocupado por uma empresa privada norte-americana pertencente a um antigo vice-presidente dos Estados Unidos.
John Cusack veste o papel de alguém contratado por essa empresa para assassinar o ministro do petróleo de um país do Médio Oriente.
O actor ajudou a escrever o guião e protagoniza o filme ao lado de Ben Kingsley, Marisa Tomei e Hilary Duff.
“War, Inc.” chegará aos cinemas de Nova Iorque e Los Angeles no dia 23 de Maio.
.
 
Vale a pena ver.
Luís Castro
.
http://www.youtube.com/v/G9SFoiYIs_4&hl=en"></param><param  

.

http://www.youtube.com/v/JYfgPbMM85w&hl=en"></param><param

.

http://www.youtube.com/v/znsaGGmZDj0&hl=en"></param><param

.

http://www.youtube.com/v/1DvDPfOAKhA&hl=en"></param><param

Categorias: ,
publicado por Luís Castro às 02:58
link do post | comentar | ver comentários (52)
Sábado, 3 de Maio de 2008

“Dez dólares para evitar os disparates no Iraque”

 

Meus amigos,

o artigo é de opinião e foi escrito pelo jornalista Leonídio Paulo Ferreira, tendo sido publicado no jornal Diário de Notícias há poucos dias. Porque o acho delicioso e porque o jornalismo também é um exercício de memória, vou transcrevê-lo para o “cheiroapolvora”.

 

* O Bassim ainda não mandou o mail, pelo que não sei muitos mais detalhes sobre o atentado que aconteceu a apenas vinte metros da sua nova casa, nos arredores de Bagdade. Apenas me disse que foi contra uma patrulha do exército iraquiano e que terão morrido alguns soldados.

Luís Castro

.

.

O título é Guia para as forças americanas em serviço no Iraque - 1943. E este livrinho em inglês, de capa dura cor de areia, tem sido um sucesso de vendas dos dois lados do Atlântico. Em Nova Iorque custa dez dólares, numa livraria londrina 4,99 libras. Foi editado pela primeira vez há mais de 60 anos, pela Administração Roosevelt, e destinava-se aos militares enviados na II Guerra Mundial para o golfo Pérsico para proteger os poços de petróleo de uma incursão nazi a partir do Cáucaso. George W. Bush podia ter tido acesso fácil ao guia se consultasse a Biblioteca do Congresso, a uns passos da Casa Branca. Nem sequer precisava que a editora Dark Horse tivesse agora feito o livrinho ressurgir das cinzas. Seguem-se algumas dicas que poderiam ter evitado muitos disparates no Iraque, onde já morreram desde a invasão de 2003 mais de quatro mil americanos:

"- Vais entrar no Iraque e és tanto um soldado como um indivíduo, porque no nosso lado um homem pode ser um soldado e um indivíduo. É essa a nossa força se formos espertos o suficiente para usá-la. Pode ser a nossa fraqueza se não o formos."

"- O sucesso ou fracasso americano no Iraque pode depender de como os iraquianos (é assim que o povo é chamado) gostem ou não dos soldados americanos. Pode não ser assim tão simples. Mas, reforce-se, pode ser."

"- O homem alto com as vestes flutuantes que irás ver em breve, com patilhas e cabelo comprido, é um combatente de primeira categoria, altamente treinado na guerra de guerrilha. Poucos combatentes em outros países, na realidade, podem excedê-lo nesse tipo de situação. Se for teu amigo, pode ser um fiel e valioso aliado. Se acontecer ser teu inimigo, tem cuidado! Lembras-te do Lawrence da Arábia? Bem, foi com homens como estes que ele fez história na Primeira Guerra Mundial."

"-Não vais para o Iraque para mudar os iraquianos. Exactamente o oposto. Estamos a combater esta guerra para preservar o princípio 'vive e deixa viver'. Talvez soe a meras palavras quando estás em casa. Agora tens a oportunidade de prová-lo a ti e aos outros. Se conseguires, iremos ter um mundo melhor para vivermos."

"- É uma boa ideia em qualquer país estrangeiro evitar discussões políticas ou religiosas. Isso é ainda mais verdade no Iraque do que na maioria dos outros países, porque acontece que os próprios muçulmanos estão divididos em duas facções, um pouco como a nossa divisão entre católicos e protestantes - assim não apostes os teus dois tostões quando os iraquianos discutem sobre religião. Existem também diferenças políticas no Iraque que surpreenderam diplomatas e estadistas. Não irás ganhar nada se te imiscuíres nelas."

 

publicado por Luís Castro às 02:48
link do post | comentar | ver comentários (24)
Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

Suicidas em Bagdade

.

O alerta surgiu este fim-de-semana: “um grupo da Al-Qaeda entrou na capital iraquiana para cometer ataques suicidas”, dizia em comunicado o exército americano. Na verdade, eu já o sabia desde o dia em que comecei a acompanhar os rangers em Sadr City. Ouvi-o durante uma reunião que as forças especiais americanas promoveram com líderes sunitas. Deixaram-me assistir e achei por bem não revelar o que lá se disse. A matéria era demasiado sensível. A área onde nos encontrávamos é frequentemente utilizada para a entrada de bombistas suicidas na capital iraquiana. Mais: os chefes tribais tinham detectado também a presença de dois iranianos com atitudes suspeitas. Os americanos interessaram-se de imediato.

 

Em cinco anos explodiram cerca de cinco mil e quinhentos carros-bomba no Iraque, na grande maioria em Bagdade. Um deles rebentou à porta do nosso hotel, há dois anos, quando editávamos mais uma reportagem para enviar para Lisboa. Vou relembrar o que se passou e que está publicado no meu livro, o Repórter de Guerra.

 

   O impacto faz abanar as janelas do nosso hotel.

   - Esta foi perto! – diz o Bruno.

   Vamos à janela do quarto e vemos uma nuvem de fumo a menos de cem metros. Abandonamos a peça que estávamos a montar e corremos para a rua. Alguma coisa explodiu num dos acessos ao hotel. Um dos seguranças agarra num pedaço de chapa retorcida, mas deixa-o cair de imediato. Está muito quente. Chegam carros dos bombeiros, ambulâncias e polícias. Começamos a filmar, mas somos rapidamente afastados. Dizem que pode haver um segundo carro bomba. É um comportamento habitual entre os terroristas: colocam um carro que explode, logo depois aproximam-se polícias e populares para socorrer os feridos e é então que fazem detonar os explosivos da segunda viatura. Compreendo a preocupação deles, só que as imagens não podem ficar para mais tarde. Temos que captar o que está acontecer. Furamos o cordão e aproximo-me do oficial que parece estar a comandar as operações. Mais uma vez a pergunta:     

   - De onde são?

   - Somos de Portugal?

   - Ah, Portugal! – virando-se para os subordinados, diz-lhes: Portugal fica depois da Espanha e junto a Marrocos. Portugal é um país muçulmano. Podem filmar!

   Não desfaço o engano e começamos os dois a filmar, eu e o Bruno, agora junto ao carro que ficou completamente desfeito. Teria entre cento e cinquenta a duzentos quilogramas de explosivos e foram accionados por um dispositivo de controlo remoto. Houve quem tivesse visto o terrorista a carregar no botão de um pequeno aparelho que tirou do bolso e a entrar numa de duas viaturas que o esperavam. Da forma como o carro estava estacionado e o momento em que a bomba foi detonada, mais não pretendia do que atingir quem passava. Apenas civis. Morreram duas pessoas e várias ficaram feridas. Nós fomos poupados porque havia um pequeno edifício que nos protegeu da onda de choque e dos estilhaços.

 

 

O Bassim prometeu-me que irá responder aos vossos comentários.

Espero pela chegada para publicar.

Obrigado a todos.

Luís castro

publicado por Luís Castro às 11:13
link do post | comentar | ver comentários (32)
Quinta-feira, 17 de Abril de 2008

Últimas de Bagdade

 
Falei agora mesmo com o nosso amigo Bassim.
Disse-lhe que há muita gente preocupada com o que lhe está a acontecer.
Ele agradece a vossa atenção e pede para vos transmitir que já arranjou outra casa e que a família está em segurança.
Promete amanhã mandar-me um mail com um post para publicar no "cheiroapolvora. Hoje não o poderá fazer porque está sem electricidade.
 
Ontem recebi dois mails dos rangers americanos que continuam na linha da frente, em Sadr City.
Vou partilhá-los convosco.
Luís Castro
 
 
Castro,
entrámos num grande tiroteio quando o nosso pelotão fazia uma patrulha.
Pedimos apoio e vieram outros strikers (carros de combate avançados). Continuámos a disparar até destruir o inimigo. Um dos meus soldados foi atingido numa perna, mas está bem.
 
SM
 
 
Castro,
como estás, meu Amigo?
Fico contente em saber que já estás seguro e em tua casa.
Foi um prazer acolher-vos e ajudar-te a conseguir as histórias que procuravas. As imagens que aqui conseguiram e que mostraram ao mundo foram fantásticas.
 
Os criminosos que lutam contra o governo iraquiano fazem a vida difícil a esta gente. Estou tentando coordenar o abastecimento de água ao exército Iraquiano, para que eles possam ajudar a população afectada pelos combates em Sadr City. O governo teve de impor horas de recolher às áreas controladas pelos criminosos. As pessoas estão a sofrer imenso porque a comida e a água não lhes está a chegar. Li nas notícias iraquianas que um engenho que pretendia atingir uma escolta do exército iraquiano explodiu e incendiou um mercado local. Esses homens são loucos e vão contra o que o Deus ensina.
 
Todos dos soldados foram felizes ao cuidar de ti e desejam-te bem. Muitos repórteres têm vindo aqui com atitudes de “Rock Stars”. Esperam que nós façamos os horrores da guerra aparecer como que por magia. Tu e o Paulo serão novamente bem-vindos. Apareçam quando quiserem.
Ganhar amigos como vocês foi extraordinário e fazem-me querer conhecer Portugal.
Mantenham-se em contacto.
 
BQ
 
publicado por Luís Castro às 19:16
link do post | comentar | ver comentários (83)
Quarta-feira, 16 de Abril de 2008

Vou continuar!

 

 

 

Foram muitas as sugestões. Muitas e variadas. Mas numa coisa convergiram: não querem que feche o blogue. Pois bem, assim será.

 

Li todos os comentários, digeri as vossas opiniões e tirei conclusões. Na verdade, vocês deram-me ainda mais responsabilidade. Não imaginava que este espaço já fizesse parte dos vossos hábitos diários. A média de entradas e as dezenas de comentários por cada post indiciavam grande interesse, mas que o “cheiroapolvora” tivesse entrado nas vossas vidas desta forma, isso não esperava.

 

Alguns comentários quase me fizeram chorar, outros levaram-me a reflectir sobre o papel dos jornalistas na sociedade e no mundo. Pediram-me que continue a escrever como Luís Castro e não apenas como jornalista; que explique os bastidores da Televisão e do Telejornal; que conte experiências de guerras passadas; que aborde e abra a discussão sobre temas actuais, até porque o cheiro a pólvora também anda por cá. Julgo que é isso que vou fazer: um pouco de tudo.

 

Assim, perante o que vocês escreveram, não tenho alternativa. E ainda bem!

Obrigado a todos.

Luís Castro


 


 

* O Bassim e a família tiveram que fugir de casa.

* Os americanos com quem estive em missão voltaram a entrar em combate.

    Serão temas do próximo post.

 

Beijos e abraços

 

publicado por Luís Castro às 13:52
link do post | comentar | ver comentários (79)
Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

E agora?

.

O “Cheiroapólvora” leva vinte e seis dias de existência e quase trinta mil entradas. Foi o blogue mais procurado logo no primeiro dia, o mesmo acontecendo na maioria dos restantes em que permaneci no Iraque. Chegou a ter mais de duas mil visitas. Nunca imaginei que tal acontecesse.

 

Tentei corresponder ao vosso crescente interesse. Fiz reportagens por vós sugeridas e direccionei parte das minhas intervenções em directo de Bagdade para as dúvidas que sentia existirem através das mensagens que me iam deixando; pude interagir convosco, dando um pouco mais do que os dois ou três minutos que as reportagens me permitiam; respondi a todos os comentários onde expressei quase sempre frustração e revolta, mas também esperança; percebi o que vos ia na alma e de que forma o meu discurso estava ou não a ser compreendido; publiquei imagens que guardei na retina e nas lentes das câmaras de filmar e fotográfica.

 

Esta experiência foi muito importante para mim, uma vez que nós, jornalistas de televisão, estamos habituados a falar e não a ouvir. Eu escutei-vos. Já sabia que existia um mundo para além do nosso - aquele para quem nós trabalhamos - ávido de informação, mas nunca pensei estabelecer convosco uma ligação tão forte. E agora, o que fazer com este blogue?

 

Tenho ideias: posso verter aqui o que foram as minhas experiências nas dezassete guerras por onde andei e sobre a tragédia de Vargas, na Venezuela; posso levá-lo para assuntos actuais relacionados com a temática; posso abrir espaço de debate para assuntos quentes dos nossos dias, sejam as guerras de lá ou as guerras de cá; posso até optar por uma mistura de tudo isto. As expectativas estão muito altas e temo não conseguir corresponder ao que esperam de mim. Preciso que me ajudem a encontrar o caminho, até porque este blogue já não me pertence. É de todos vós.

 

Muito obrigado a todos. Vocês são o melhor dos públicos!

 

Luís Castro

Repórter de Guerra e Coordenador do Telejornal da RTP

Categorias: ,
publicado por Luís Castro às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (74)

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds