Segunda-feira, 8 de Setembro de 2008

UNITA reconhece a derrota

Uma declaração de um minuto que significa um passo gigante para Angola.

 
“Caros militantes e amigos da UNITA.
Numa altura em que estão escrutinados cerca de 80% da totalidade dos votos validamente expressos, apesar de tudo o que aconteceu, a Direcção da UNITA aceita o resultado das eleições e deseja ao partido vencedor, o MPLA, que governe no interesse de todos os angolanos.
 
A Direcção da UNITA felicita os eleitores angolanos pela elevada participação, civismo e sacrifício demonstrados ao longo desse acto.
 
Agradece em particular aos eleitores angolanos que votaram na UNITA, confiando-lhe a representação das suas aspirações na Assembleia Nacional.
 
Luanda, aos 8 de Setembro de 2008
A Direcção da UNITA”
 
Parabéns Isaías Samakuva!
A UNITA mostrou maturidade política, elevado sentido de Estado e a vontade de participar na construção de uma Angola mais democrática.
 
Boa sorte para todos os angolanos!
 
Luís Castro
publicado por Luís Castro às 23:38
link do post
De António Cunha a 9 de Setembro de 2008 às 12:19
Caro Luís Castro,

Tenho acompanhado as suas reportagens e dou-lhe desde já os parabéns pelo trabalho efectuado!
Gostaria de deixar também os parabéns ao Povo Angolano por tudo o que se passou durante o passado fim-de-semana! Angola é que sairá a ganhar!
Fiz um investimento privado há alguns meses nesse país e gerei até agora 40 postos de trabalho. Investi em maquinas e dinheiro um total de 200.000 USD. Investi fora de Luanda, no interior. Não posso estar mais de 3 meses em Angola para tomar conta dos meus negócios porque não me dão visto!
Que tal uma reportagem sobre isto? Que tal uma reportagem acerca dos constantes actos de racismo a que os portugueses estão sujeitos? Desde o posto fronteiriço do Aeroporto de Luanda, aos insultos na rua, ao vexame a que estamos sujeitos sempre que é preciso tratar de papelada em instituições publicas, and so on , and so on "!
Eu tenho investimentos em várias partes do mundo, e nunca fui tratado como sou nessa terra!
Tenho, como por todo o lado por que passo, grandes amigos angolanos. sem eles seria impossível "sobreviver" por aí. Isso é a terra da gasosa e dos conhecimentos!
Faça-me lá o favor, e a dezenas de investidores portugueses, de fazer uma reportagem sobre isso e deixe-se de paninhos quentes e de fazer reportagens com o "próximo pedido de obtenção de visto" na cabeça! Os portugueses agradecem...
Desculpe o desabafo, mas só lhe peço para fazer o que eu não posso, sob pena de... (o Senhor sabe bem do que falo)!

Um português que continuará a ser aconteça o que acontecer. É das coisas de que mais me orgulho!
Não interpretem isto como achar-me superior a alguém , agora que sou igual, isso ninguém duvide!
De Ricardo Sandão a 9 de Setembro de 2008 às 19:26
Sr António Cunha,

Esse investimento que fez em Angola, foi via ANIP (Agência Nacional de Investimento Privado)? Constituiu uma Sociedade de Direito Angolano?Custa-me a entender como faz um investimento e não pode trabalhar cá. Se o investimento não foi feito via ANIP não tem como justificar junto das autoridades Angolanas as razões para lhe ser concedido o visto de permanência ou de trabalho. Durante muito tempo vivemos na desorganização, e agora que as coisas começam a endireitar-se algumas pessoas vindas de outros países, sentem dificuldade em adaptar-se, pois como diz e bem, por estarem habituadas à gasosa. quanto à reportagem...parece-me um pouco exagerado esse seu desejo....existem alguns mentecaptos por cá que julgam que os seus problemas são causados pelos brancos, sejam eles portugueses, brasileiros ou outros, é verdade, mas nada que não aconteça TAMBÉM em Portugal. Atrasados mentais existem cá e lá. Não concordo quando diz "constantes actos de racismo a que os portugueses estão sujeitos? Desde o posto fronteiriço do Aeroporto de Luanda, aos insultos na rua, ao vexame a que estamos sujeitos sempre que é preciso tratar de papelada em instituições publicas, and so on , and so on "! "isso é um pouco de mais. As vezes o que acontece é que alguns Portugueses (não digo que seja o seu caso)tratam os Angolanos como se ainda estivessem no tempo do ultramar e quando isso acontece, vem o tão famoso princípio da reciprocidade que aprendemos a utilizar!!!Sou Angolano e a minha esposa é Portugesa e orgulha-se de dizer que nunca teve "makas" dessas em Angola e nas empresas onde trabalhou, os seus subordinados ficam sempre com saudades dela, pois ela sempre respeitou os Angolanos com quem trabalha.As vezes o tratamento que recebemos é só o reflexo do tratamento que dispensamos aos outros ( não digo que seja o seu caso).Cordiais saudações
De Luís Castro a 10 de Setembro de 2008 às 00:58
Amigos,
vou informar-me melhor sobre o assunto junto de quem sabe destas coisas.
Quando disse que iria pedir uma reportagem, referia-me apenas à questão dos vistos.
Ab para os dois.
LC
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Reportagem Angola - 1999



Reportagem Iraque - 2005


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Guiné - 2008


Reportagem Afeganistão - 2010

Livros

"Repórter de Guerra" relata alguns dos conflitos por onde andei. Iraque, Afeganistão, Angola, Cabinda, Guiné-Bissau e Timor-Leste. [Comprar]



"Por que Adoptámos Maddie" aborda o fenómeno mediático gerado à volta do desaparecimento de Madeleine McCann. [Comprar]


Sugestões para reportagem



Milhão e meio de portugueses elegem diariamente o Telejornal da RTP.
E porque o fazemos para vós, quero lançar-vos um desafio: proponho que usem o meu blogue para deixarem as vossas sugestões de reportagem.

Luís Castro
Editor Executivo
Informação - RTP

E-mail: cheiroapolvora@sapo.pt

Perfil

Jornalista desde 1988
- 8 anos em Rádio:
Rádio Lajes (Açores)
Rádio Nova (Porto)
Rádio Renascença
RDP/Antena 1

- Colaborações em Rádio:
Voz da América
Voz da Alemanha
BBC Rádio
Rádio Caracol (Colômbia)
Diversas - Brasil e na Argentina

- Colaborações Imprensa:
Expresso
Agência Lusa
Revistas diversas
Artigos de Opinião

RTP:
Editor de Política, Economia e Internacional na RTP-Porto (2001/2002)
Coordenador do "Bom-Dia Portugal" (2002/2004)
Coordenador do "Telejornal" (2004/2008)
Editor Executivo de Informação (2008/2010)

Enviado especial:
20 guerras/situações de conflito

Outras:
Formador em cursos relacionados com jornalismo de guerra e com forças especiais
Protagonista do documentário "Em nome de Allah", da televisão Iraniana
ONG "Missão Infinita" - Presidente

Obras publicadas:
"Repórter de Guerra" - autor
"Por que Adoptámos Maddie" - autor
"Curtas Letragens" - co-autor
"Os Dias de Bagdade" - colaboração
"Sonhos Que o Vento Levou" - colaboração
"10 Anos de Microcrédito" - colaboração

Pesquisar blog

Arquivos

Abril 2016

Janeiro 2016

Outubro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Fevereiro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Categorias

política

economia

angola 2008

iraque 2008

sexo

afeganistão 2010

mau feitio

televisão

eua

mundo

amigo iraquiano

futebol

curiosidades

telejornal

saúde

iraque

missão infinita

religião

repórter de guerra - iraque

euro2008

guiné

humor

repórter de guerra - cabinda

acidentes

criminalidade

jornalismo

polícia

segurança

solidariedade

rtp

sociedade

terrorismo

afeganistão

caso maddie

crianças talibés

desporto

diversos

férias

futuro

justiça

todas as tags

subscrever feeds